Guia para curtir Berlim além do muro – vol. 2

Data

02 de October, 2017

Share

Berlim, a capital alemã, é umas das cidades mais intensas, cosmopolitas e baratas da Europa. A economia alemã é uma das mais consolidadas do mundo, o que faz da sua capital uma cidade heterogênea em plena expansão. Berlim é hoje totalmente diferente do que foi anos atrás e não para de mudar. O lado ocidental, anteriormente o lugar mais forte da cidade, hoje é um recanto mais calmo, contrariando totalmente o que acontece no lado oriental. Embora essa divisão tenha ficado no passado, o lado oriental se destaca hoje por aglomerar a maior quantidade de novidades na cidade. São dezenas de café, restaurantes, galerias de arte e lugares que devem ser visitados.

Informações básicas

Foto: LoboStudio Hamburg no Unsplash

Berlim é uma das cidades mais tolerantes em relação à diversidade. A liberdade de expressão é realmente levada à sério por lá. Em 2016 contava com uma população de 3,5 milhões, tornando-a a segunda cidade mais populosa da União Européia. A capital alemã possui a maior comunidade turca fora da Turquia, com cerca de 101.000 turcos registrados, tendo mais lojas de “doner kebab” que Istambul. Em 2015 a cidade contava com 621.000 residentes estrangeiros de 190 nacionalidades diferentes. A cidade tenta ser tolerante com estrangeiros. Há campanhas espalhadas por Berlim em defesa aos refugiados, por exemplo, e festivais dão boas-vindas a eles permitindo o acesso gratuito.

Culturalmente rica, Berlim conta com 175 museus, 140 teatros e pelo menos 300 salas de cinema. Caminhando a passos largos para ser também um destino gastronômico, a cidade abriga 4.650 restaurantes, cerca de 900 bares e nada mais, nada menos que 190 clubes noturnos. Comida de rua turca ao lado de restaurante estrelado Michelin, galeria de arte estabelecida num bunker da Segunda Guerra Mundial, aeroporto transformado em parque são uma pequena amostra da diversidade que prevalece em toda a cidade.

É uma cidade verde contando com mais de quatrocentas mil árvores espalhadas por seus 5.350 quilômetros de vias e ruas. Berlim é cortada pelo Rio Spree, o que possibilita conhecê-la circulando nos seus 160 quilômetros de água navegável.

A moeda corrente é o Euro, a forma mais comum de pagamento na maioria dos estabelecimentos. Sim, é muito (mas muito) comum lugares que só aceitam pagamento em dinheiro. Cartões de crédito de bandeira Visa ou MasterCard são aceitos em alguns lugares, como lojas e restaurantes mais requintados. Já a bandeira American Express não é muito bem-vinda, evite carregar dinheiro nele.

O metrô é o meio de transporte mais utilizado depois da bicicleta. Tem uma vasta rede de linhas e estações que costuram a cidade. Como a cidade é muito plana, caminhar é uma boa alternativa, além de proporcionar uma visão real e direta da cidade. Táxi não é uma opção tão cara como na maioria das cidades grandes da Europa e Uber é atendido também por eles.

O povo berlinense é na sua maioria muito receptivo. Falam preferencialmente o alemão, mas não se chateiam em utilizar o inglês como língua momentânea.

Para pesquisar além deste guia

8 motivos para amar Berlim no inverno
Guia de Berlim por Alex Flemming
12 horas em Berlim
Berlim: uma cidade feita para mim
Guia rápido do oeste de Berlim
Lista com biergatens de Berlim
Guia para transitar em Berlim
Carros vintages de Berlim
Berlim de graça
4 passeios nos arredores de Berlim
Mapa de piscinas em Berlim
Para pesquisar revéillon em Berlim
Se virando de bike em Berlim
A arquitetura brutalista de Berlim
Como curtir um domingo em Berlim
Restaurantes e bares em Berlim
Berlim é uma cidade para viajar com os pais?
As piscinas públicas de Berlim
O bunker que virou galeria de arte em Berlim
Teufelsberg: a abandonada montanha do diabo
Berghain: porque você tem que ir
Visitando a Bauhaus em Dessau

*Foto destaque: Artem Sapegin no Unsplash

Data

02 de October, 2017

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter