Arte & Cultura

Guia de Berlim por Alex Flemming

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

13 de December, 2016

Share

Berlim é uma das cidades mais pulsantes do planeta. Não dá nem para contar a infinidade de relatos apaixonados por essa metrópole. São incontáveis festivais de música e teatro, parques, museus, galerias, monumentos históricos e uma arquitetura de tirar o fôlego. Mas tudo isso alguém em alguma parte desse “mundão de meudeus” já disse. O que proponho é de outra vibração: você já pensou em conhecer a cidade sob a perspectiva de um artista? Aí as coisas mudam, não?  Para esse roteiro incomum pela cidade, convidamos Alex Flemming, um dos artistas mais reconhecidos da cena contemporânea. E ele topou! É muito glamour!

Alex Flemming. Fotografia de Gal Oppido
Alex Flemming – Foto: Gal Oppido

Aposto que Alex Flemming é seu velho conhecido (só que talvez você não saiba!). Ele é responsável por duas das obras públicas mais bacanas da cidade de São Paulo: os vitrais da estação de metrô Sumaré, e mais recentemente, os vitrais da Biblioteca Mário de Andrade. Não bastasse isso, ele desafia constantemente os limites da pintura, da fotografia e da gravura.  Tudo regado a muita liberdade e paixão.

Estação de Metrô Sumaré - Plataforma. Foto por André Deak para o Arte Fora do Museu (http://www.arteforadomuseu.com.br)
Estação de Metrô Sumaré – Plataforma – Foto: André Deak para o Arte Fora do Museu

Em plena comemoração dos seus 40 anos de trajetória, e morando há 25 anos em Berlim, ele compartilhou os seus cantos preferidos na capital alemã. Na lista estão parques e lugares descolados, museus, centros culturais e galerias de arte.

O bairro preferido e os parques

O Tiergarten (no mais puro alemão, que dizer jardim de animais) fica na parte ocidental de Berlim e dá nome ao bairro também, onde existem diversos monumentos arquitetônicos como SiegessäuleKongresshalle e o Palácio de Bellevue. No passado, o lugar era destinado à caça para os reis da Prússia.

Tiergarten. Foto. Tina Sayed Nestlus. Flickr.
Tiergarten – Foto: Tina Sayed Nestlus – Flickr

Dos tempos sombrios do Muro de Berlim, surge o Mauerpark, outro parque frequentado pelo nosso artista. No bairro de Prenzlauer Berg, a antiga “faixa da morte”, onde existiam obstáculos, torres de observação e patrulhamento de guardas da ex-Alemanha Oriental, virou esse parque charmosíssimo depois da unificação alemã. Quem diria, não?

Mauerpark. Fotografia K_Tjaaa. Flickr.
Mauerpark – Foto: K_Tjaaa

Por último, Alex Flemming indica o Friedrichshain, um bairro da moda de Berlim. São inúmeros bares, restaurantes, boates e lojas interessantes. Em geral, a frequência do lugar é de uma galera mais jovem, alternativa e idealista, ou seja, estudantes e artistas.

Louco por museus

Aqui as coisas complicam! Flemming tem uma seleção avassaladora. Entre os museus de arte, ele escolheu: o Hamburger Bahnhof, a Berlinische Galerie, a Neue Nationalgalerie, a Gemäldegalerie, o Museum Berggruen e Bode Museum. Sem contar os que não são propriamente de arte, como o Jüdisches Museum e o Deutsches Historisches Museum.  Como esse roteiro tem suas limitações, optamos por três dos mais legais.

O Museum Hamburger Bahnhof, originalmente, era uma das primeiras estações ferroviárias da Alemanha. Em 1987, o edifício reformado abrigou sua primeira exposição e em 1996, finalmente, transformou-se em um dos museus de arte contemporânea mais badalados do mundo.

Christoph Büchel, Training Ground for Training Ground for Democracy, 2007, Installation, Maße variabel, Ausstellungsansicht Hamburger Bahnhof – Museum für Gegenwart – Berlin, 2016 © Christoph Büchel und Nationalgalerie, Staatliche Museen zu Berlin, Schenkung der Friedrich Christian Flick Collection / Foto: Thomas Bruns. http://www.smb.museum/museen-und-einrichtungen/hamburger-bahnhof/ausstellungen/detail/die-sammlungen-the-collections-les-collections.html
Christoph Büchel, Training Ground for Training Ground for Democracy, 2007, Installation, Maße variabel, Ausstellungsansicht Hamburger Bahnhof – Museum für Gegenwart – Berlin, 2016 – Foto: Thomas Bruns

Na outra ponta, dos museus está a Gemäldegalerie, um museu que guarda uma das mais importantes coleções de arte europeia dos séculos XIII ao XVIII. Em 1797, esse museu surgiu da ideia de constituir a primeira coleção de arte pública e de caráter educativo em Berlim.

Na ilha dos museus está o Bode Museum. Ele é uma homenagem ao primeiro curador do museu, Wilhelm von Bode. Esse museu tem diversas coleções que passam pela arte bizantina, pelo gótico italiano e pelo o início do Renascimento. Abriga também uma das maiores coleções de numismática do mundo (moedas do começo da Casa da Moeda, na Anatólia do século VII AC até moedas atuais).

Canova und der Tanz, Ausstellungsansicht, Bode-Museum, 2016 © Staatliche Museen zu Berlin, Skulpturensammlung / David von Becker. http://www.smb.museum/en/museums-institutions/bode-museum/exhibitions/detail/canova-und-der-tanz.html
Canova und der Tanz, Ausstellungsansicht, Bode-Museum, 2016 Staatliche Museen zu Berlin, Skulpturensammlung – Foto: David von Becker

Para não dizer que não falamos dos centros culturais…

Flemming também é generoso na sua seleção, entre os seus destaques: o Kunst-Werke Institute for Contemporary Art, o Me Collectors, o Sammlung Boros, C/O Berlin e o Martin-Gropius-Bau. Este último centro cultural é marcado pela história de Martin Gropius, um tio-avô de Walter Gropius, arquiteto alemão e fundador da Bauhaus (uma escola de artes e design que revolucionou a arte moderna). Em 2001, o edifício se tornou centro cultural, abrigando exposições nos campos da arte, arqueologia, fotografia e história. Lá também tem uma livraria, um restaurante com cafeteria e cinema.

Martin Gropius Bau. Fotografia Iocken Rock. Flickr
Martin Gropius Bau – Foto: Iocken Rock – Flickr

Galerias

A cidade tem aproximadamente 440 galerias e, entre elas, nosso artista escolheu a Eigen + Art, Michael Schultz e DAAD Galerie. Todas elas com intensa programação de exposições durante o ano inteiro.

Ufa! Não é por nada, não, mas Berlim é um dos cenários mais efervescentes para um artista viver. As preferências de Alex Flemming nos mostram um pouco de sua aventura pela arte.

 

Foto destaque: Berlim – Rodrigo Paredes – Flickr

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

13 de December, 2016

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter