Arte & Cultura

A arquitetura brutalista de Berlim

Quem escreveu

Domingos Lepores

Data

14 de March, 2016

Share

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, que deixou grande parte da Alemanha – e sobretudo sua capital Berlim – em ruínas, a arquitetura encontrou terreno fértil para a implementação de conceitos, técnicas, uso de novos materiais e até mesmo previsão do futuro.

Os arquitetos, principalmente na antiga Alemanha Ocidental, entraram numa grande discussão: reconstruir os prédios antigos, tal qual existiam antes de sua destruição, ou construir prédios totalmente novos, fundados na arquitetura contemporânea, que já havia começado a se desenvolver antes da guerra e que estava em plena ascensão ao redor do mundo.

Em 1957, a Exposição Internacional de Berlim, que teve como tema a “cidade do amanhã”, recebeu o nome de Interbau e proporcionou a reconstrução do bairro de Hansaviertel, ao lado do Tiergarten, contando com nomes como Le Corbusier, Walter Gropius, Arne Jacobsen e Oscar Niemeyer, dentre os mais de 50 arquitetos e urbanistas envolvidos.

Vista panorâmica de Hansaviertel
Vista panorâmica de Hansaviertel

Nesse contexto de funcionalidade, baixo custo e estética inovadora, representando as necessidades da sociedade contemporânea daquela época, o concreto passou a ser o material mais empregado nas novas construções, por suas qualidades econômicas e técnicas, com incrível maleabilidade, capaz de dar forma às mais variadas criações.

E é justamente o concreto, com aquela aparência de trabalho não concluído, o responsável por dar o nome ao movimento brutalista, que faz referência à Le Corbusier e sua escolha pelo béton brut, o concreto armado aparente, em francês.

Na Europa devastada pela guerra, esse estilo de arquitetura foi muito empregado como solução para construções de prédios residenciais, governamentais e comerciais com baixo custo, em oposição à frivolidade da arquitetura dos anos 1930 e 1940, deixando as construções com uma aparência natural, anti-burguesa.

Após a divisão da Alemanha, Berlim Ocidental tornou-se um grande display do mundo ocidental e capitalista. Era um território ilhado em meio ao socialismo do leste, servindo muitas vezes como um veículo de propaganda do que de melhor havia no modo de vida da Alemanha Ocidental capitalista. E a arquitetura era só mais um dos instrumentos usados para promover o poder e a supremacia do Ocidente, refletindo seu estilo de vida contemporâneo.

Por isso, a maior parte dos prédios de arquitetura brutalista em Berlim encontra-se na parte ocidental da cidade.
Confira abaixo os principais prédios de arquitetura brutalista em Berlim:

Instituto de pesquisa de medicina experimental

É sem dúvida o exemplo mais impressionante na cidade. Construído nos anos 1970, o prédio foi concebido para abrigar o centro de pesquisas de medicina experimental da Universidade Livre de Berlim e tem o apelido de “mouse bunker”, devido aos mais de 80 mil ratos que já foram usados para testes!

Localizado no extremo sudoeste da cidade, no aprazível bairro de Lichterfelde, à beira do canal Teltow, o prédio se parece com uma nave espacial, com suas minúsculas janelas triangulares, permitindo total controle da incidência da luz natural, e com seus tubos de ventilação na cor azul, contrastando com o onipresente cinza do concreto da fachada e fazendo as vezes de canhões da nave espacial imaginária.

Deleite puro para os fãs de retro-futurismo!

IMG_4028

IMG_3945

IMG_3936

IMG_3972

Instituto de higiene e medicina ambiental

Logo ao lado do Instituto de pesquisa de medicina experimental, o prédio do Instituto de Higiene e Medicina Ambiental é uma estrutura maciça de concreto, com detalhes em vidro e metal, e que remete à lateral de um barco a vapor navegando pelo rio Mississipi.

IMG_3925

IMG_3931

Bierpinsel

O prédio, que tem a forma de uma torre de obervação de três andares, localizado logo acima da estação de metrô Schlossstrasse, no centrinho do bairro de Steglitz, foi criado para abrigar um bar-restaurante.

Fechado há dez anos, a fachada foi tomada por grafiteiros, dando um colorido pop-art ao cinza do concreto.

IMG_7178

IMG_7139

IMG_8203

Pallasseum

Localizado na Pallasstrasse, no bairro de Schöneberg, e construído sobre um antigo bunker, pode ser considerado o equivalente do já demolido Edifício São Vito, em São Paulo. Construído no final dos anos 1970, o prédio já foi uma espécie de cortiço vertical e contava com viaturas da polícia dia e noite em algumas de suas portarias.

IMG_4122

FullSizeRender

Igreja St. Agnes/König Galerie

Desenhada pelo arquiteto Werner Düttmann e localizada numa área residencial do bairro de Kreuzberg, em meio a prédios de concreto pré-fabricado e muita área verde, a antiga igreja deu lugar à galeria de arte contemporânea König.

IMG_3206

IMG_4642

ExRotaprint

Utilizando as antigas instalações da empresa de máquinas de impressão Rotaprint, no bairro de Wedding, hoje o prédio é ocupado por uma associação que promove eventos e também atividades culturais e sociais, voltadas aos moradores da região.

IMG_8107

Embaixada da Checoslováquia

Talvez o único exemplo de prédio brutalista na área pertencente à antiga Berlim Oriental, no bairro de Mitte, a embaixada da Checoslováquia foi concebida pelo casal de arquitetos Vera e Vladimir Manchonin, no final dos anos 1970.

IMG_4111

IMG_4118

Haus Plettner

Localizada no bairro de Spandau, ao lado do rio Havel, é um raro exemplo da arquitetura brutalista em uma residência particular.

haus plettner

Mapa com todos os locais descritos neste post:

Quem escreveu

Domingos Lepores

Data

14 de March, 2016

Share

Assine nossa newsletter