De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Alimente e assista o Phil no Netflix

Quem escreveu

Jo Machado

Data

17 de July, 2018

Share

Phil me pegou de surpresa. Saia eu de um ranço dessa série famosa que fala sobre opressão da mulher, poder político abusivo e tudo mais. Uma versão televisiva pré-matura do que a gente pode acabar se tornando. Aquela da roupa vermelha, sabe? Sim, eu sei que é uma aula sobre a nossa realidade para a qual às vezes fechamos os olhos. Mas tanto sofrimento, cansa! Se a realidade é quase isso, ela já me basta por si só. Admito que não tenho estômago para longas doses desse tipo de sadismo. Meu estômago serve pra outra coisa muito melhor: comida! muita comida!

Foi então que graças à minha amiga e fiel companheira na gula, Camila Campolina, me veio à tona essa série que já estava na minha listinha, mas mofava lá enquanto meus momentos ociosos – que são poucos atualmente – eram dedicados a outras bobagens e para meu reencontro com a Cozinha Confidencial do meu saudoso ídolo-mestre Bourdain. Gostando ou não de comida ou gastronomia, leia!

Bom, mas quem é Phil e qual é a dele? Philip Rosenthal é um escritor e produtor americano conhecido pela série do começo dos anos 2000 ‘Everybody Loves Raymond‘, e que desde o começo deste ano tem uma série no Netflix que se chama “Somebody Feed Phil“. Na série, que já está em sua segunda temporada, Phil viaja mundo afora colhendo o que há de melhor nas cozinhas e culturas locais, cheio de simpatia e bom humor.

De Bangkok à Buenos Aires, Phil prova das comidas mais tradicionais aos mais conceituados restaurantes do momento de cada cidade. Desde a barraquinha de rua com o melhor noodle de Chang Mai, até as preparações extraordinárias de chefs como os do Noma ou de Massimo Bottura em Módena, ele não deixa escapar o que há de melhor em cada bocada. Prepare-se para ouvir muito: “One of the most delicious things I ate in my life!

somebody-feed-phil

E a interação dele não para por aí, não! Além da comida, Phil explora as conexões culturais, históricas, sociais e arquitetônicas dessas cidades. Em Copenhagen, por exemplo, além de se deliciar com os smørrebrøds, o cara bate um super papo com ninguém menos que Bjarke Ingels, um dos maiores e mais respeitados arquitetos da atualidade. Em Buenos Aires, rola até aula tango.

Além da comida, das paisagens e dos encontros, um dos pontos mais interessantes de Somebody Feed Phil é a maneira como ele comunica suas experiências. Cheio de simplicidade, sinceridade e sorrisos, muitos sorrisos. Phil é simpático pra caramba! Sem falar nos pais dele, um casal de velhinhos que aparece ao final de todo episódio via Skype para falar sobre as experiências de Phil naquela cidade. É sensacional!

Somebody Feed Phil, querendo ou não, me faz lembrar de Sem Reservas, o programa de viagem e gastronomia do Bourdain. É diferente, mas ao mesmo tempo muito parecido. Pra mim, quando alguma coisa une comida, viagens e simplicidade, cativa mesmo.

Recomendo! Recomendo muuuuito!

Quem escreveu

Jo Machado

Data

17 de July, 2018

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.