De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Guia: Lisboa para se perder entre ladeiras e literatura

Quem escreveu

Livia Aguiar

Data

20 de July, 2018

Share

A Mouraria é o bairro onde nasceu o fado. Entrando por uma ruelinha você vai encontrar a casa onde a Maria Severa, cantora e prostituta que tirou o fado do submundo para o mundo. Era um bairro meio tenso uns anos pra trás (e algumas zonas ainda são, à noite), mas o governo se aliou à iniciativa privada para melhorar a segurança da zona.

A gentrificação está chegando forte e se por um lado ela expulsa os moradores antigos, por outro também trás segurança. Apoie negócios locais, quanto mais cara de tradicional melhor, para ajudar o bairro a não perder suas características que o fazem tão especial.

Vale muito a pena se perder pelas ruazinhas, subir por escadinhas, vielas, dar de cara com um beco sem saída, voltar, subir outra…

Zé da Mouraria: Tasca de almoços fartos e excelentes (chegue cedo, tipo 12h, ou reserve antes, porque lota). Quando eu digo farto, é farto mesmo: a meia porção serve duas pessoas com o estômago do meu tamanho. No dia que fui, tinha bife de atum grelhado com batatas e estava maravilhosíssimo.

Doce Mila: Uma pastelariazinha muito charmosa e antiga que fica dentro de um beco escondido na entrada da Mouraria: Beco dos Cavaleiros nº 15. É lá que se produz o autêntico Pastel da Mouraria (só pode ser chamado assim lá, tipo o Pastel de Belém só pode ser chamado assim na Confeitaria de Belém, perto da torre etc).

Ele é feito com uma massa de grão de bico super fininha e crocante (sim!) recheada de um doce de ovos, amêndoas, açúcar e magia secreta. Sério, é muito bom. O café lá também é bem tirado, peça um pastel, um café e sente-se na mesinha do lado de fora para curtir as vibes do bequinho.

Subindo, subindo, subindo pelos prédios velhos abandonados e os reformados novíssimos, no alto de becos e escadinhas, está o Café do Teatro Taborda, ou Café da Garagem. O teatro em si é super bonito (veja a programação e frequente!), o café só não abre às segundas-feiras. Além de ter cafés, bolinhos e coisinhas (meio caras, confesso), o que destaca mesmo é a vista sensacional de lá para Lisboa.

Excelente para descansar as pernas de tanto andar pela Mouraria – e depois seguir subindo para outros morros e miradouros, hehehe.

Quem escreveu

Livia Aguiar

Data

20 de July, 2018

Share

Livia Aguiar

Lívia viaja em busca de histórias, sabores e experiências diferentes em todo lugar que vai, seja um vilarejo de 50 habitantes ou uma megalópole de 21 milhões. Mineira de Belo Horizonte, já deu a volta no mundo sozinha, morou em Assunção, São Paulo, Cidade do México e Óbidos, tem um bom humor matinal insuportável e acha que pra viajar basta sair de casa aberta para experimentar algo novo - na nossa própria cidade ou do outro lado do mundo. Escritora, jornalista e blogueira no www.eusouatoa.com.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.