Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.
As boas do fim de semana no Rio de Janeiro: 29.03

As boas do fim de semana no Rio de Janeiro: 29.03

Quem escreveu

Luiza Vilela

Data

28 de March, 2019

Share

Museu Nacional Vive – Arqueologia do Resgate

Segue em cartaz (e com muitas oportunidades de visita guiada, que são incríveis) a exposição ‘’Museu Nacional Vive – Arqueologia do Resgate’’ que traz para o CCBB do Rio mais de 100 obras resgatadas do incêndio que destruiu o prédio principal do Museu Nacional, em setembro do ano passado. No térreo o público poderá ver o Meteorito Santa Luzia, que caiu do espaço em Luziânia, Goiás, em 1922. Ele pesa cerca de duas toneladas, mede 136 x 80 x 40 cm e é composto por 95,33% de ferro, mais níquel, cobalto, fósforo, cobre e outros elementos. O público também encontrará aves taxidermizadas; crânio de boto cor de rosa, crânio de rinoceronte, peixes, tartarugas, sapos, pouquíssimos insetos [segmento muito afetado pelo incêndio]; corais e crustáceos, peças-tipo (primeira vez que foram classificadas) como conchas.

Museu Nacional Vive – Arqueologia do Resgate. Até 29/04 de 9h às 21h.
CCBB. Rua Primeiro de Março, 66 – Centro.

Ciclo Feminista: Na Ditadura – À Esquerda e À Direita

A Travessa vem oferecendo, ao longo de março, encontros e palestras com mulheres sobre os mais variados temas. A curadoria está incrível e as mesas têm sito ótimas, então chamo atenção pra mais uma, sobre um assunto de extrema urgência no momento, que é a Ditadura Miliar. Imperdível.

Ciclo Feminista: Na Ditadura – À Esquerda e À Direita. Quinta (28.03) às 19h. Gratuito.
Travessa Leblon. Shopping Leblon. Rua Afranio de Melo Franco, 290 – Leblon. 

Ciclo Feminista: Mulheres Negras na Literatura. Sexta (29.03) às 19h. Gratuito.
Travessa Ipanema. Rua Visconde de Pirajá, 572 – Ipanema. 

Thiago Martins de Melo ‘Rasga Mortalha

Abre nesta quinta (e vai até junho) a individual do artista plástico ludovicense Thiago Martins de Melo, finalista do Prêmio PIPA em 2014 e indicado novamente no ano passado. Thiago trabalha com pintura e escultura, e seus temas giram em torno das populações culturalmente diversas e entidades espirituais brasileiras, camponesas, míticas, indígenas e negras.

Thiago Martins de Melo ‘Rasga Mortalha’. Quinta (28/03) às 18h. Visitação terça a sexta das 12 às 20h e sábado das 13h às 17h. Gratuito.
Rua Sorocaba, 51 – Botafogo. 

Peraí, que tem mais

Coisa mais linda essa oficina que rola nesta quinta no CCBB. A dançarina Dora Selva convida mulheres para organizar uma oficina de dança, explorando as possibilidades específicas dos corpos de mulher, em toda sua diversidade.
Viva Pelve: Oficina de dança para mulheres no Múltiplo Ancestral. Quinta (28.03) às. 18h. Gratuito (Inscreva-se aqui: bit.ly/2GFBTo7).
CCBB. Rua Primeiro de Março, 66 – Centro. 

Pra quem anda com dificuldades de entender o Brasil, a minha sugestão da semana é voltar para (ou conhecer) esse livro divisor de águas do Silviano Santiago, que está sendo reeditado por conta do seu aniversário de 40 anos. Uma literatura nos trópicos é muito, mas muito mais que um livro de crítica literária. Acreditem na tia.
Lançamento da nova edição de “Uma literatura nos trópicos”. Quinta (28.03) às 19h. Gratuito.
Travessa de Ipanema. Rua Visconde de Pirajá, 572 – Ipanema.

Pra quem quiser fazer um curso rápido e bem incrível, a dica é a Oficina de Colagem Poética, na Casa Ipanema. O objetivo é desenvolver o olhar e o processo criativo dos participantes através de ferramentas e técnicas práticas e teóricas, abordando o recorte intuitivo, avessos e vazios no papel, conceitos de forma, cor, composição, apropriação, desconstrução, ressignificação, poética e desvio. 
Oficina de Colagem Poética com Julia Aiz. Quinta (28.03) das 18h às 21h. Investimento: R$ 70 (material incluso).
Casa Ipanema. Rua Garcia D’Ávilla, 77 – Ipanema. 

Sábado rola uma mega ocupação na Praça Tiradentes, com performances e intervenções artísticas das 14h às 18h. Quem organiza é o Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica. Quem se interessar pode ler uma descrição mais detalhada das performances (com os horários de cada uma) na página do evento no facebook.
LAVRA ocupação. Sábado (30.03) das 14 às 18h. Gratuito.
Praça Tiradentes – Centro. 

 

Quem escreveu

Luiza Vilela

Data

28 de March, 2019

Share

Luiza Vilela

Luiza S. Vilela é paulistana naturalizada capixaba, mas foi parar no Rio pra cursar letras há 15 anos e nunca mais saiu. Fugiu da vida acadêmica pra escrever, produzir conteúdo e, mais recentemente, casar pessoas. Já coordenou a editoria de FVM e Culinária da Revista Capitolina e contribuiu com Matador, Noo, Rio Etc, Modices e tantas outras. Bate um papo reto sobre literatura, claro, mas também sobre moda, culinária, feminismo e esportes. Site: www.luizaescreve.com

Ver todos os posts

Comentários

  • Não passo uma sexta sem dar um check nas boas do CoP.

    - Marcelo Gusmão
    • Opa, que bom!!!! :)

      - Lalai Persson

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.