De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Viajando de trem no Peru

Quem escreveu

Renato Salles

Data

19 de May, 2017

Share

Viagem de trem é quase um fetiche para os brasileiros, porque por aqui as opções são bem escassas. Apesar de muita gente pensar que viajar numa ferrovia é coisa que só fazemos na Europa, existem muitas – e boas – opções aqui na América do Sul, bem pertinho. É o caso do Peru, que tem rotas turísticas onde se pode admirar as paisagens deslumbrantes dos Andes. Lá ficam, inclusive, algumas das ferrovias mais altas do mundo.

Para se chegar ao destino mais procurado do país (e entre os mais procurados do mundo), Macchu Picchu, existem algumas opções. A PeruRail, empresa de trens privatizada, tem traslado diário entre Cusco e Águas Calientes, porta de entrada para as ruínas da cidade inca. O preço da passagem começa em 129 dólares de ida e volta, em um trajeto de pouco mais de 3 horas. A IncaRail faz apenas o trecho entre Macchu Picchu e Ollantaytambo. A passagem de ida e volta em classe executiva começa em 115 dólares. Na primeira classe, a passagem sobe para 242 dólares, e inclui um welcome drink, almoço ou jantar, frutas e chás.

E por último, existe ainda a opção de viver a experiência de viajar de trem com todo o luxo que guardamos no imaginário dos tempos áureos das ferrovias. É no Belmond Hiram Bingham, nomeado em homenagem ao explorador que redescobriu Machu Picchu. Todo decorado em madeira e bronze, ele conta com dois carros-restaurante, um carro-bar e um carro-observatório, aberto. Além do brunch ou jantar, oferecidos durante o trajeto, tem também música ao vivo, chá da tarde, e workshops de pisco sour com o barman. Pena que o glamour tem seu preço. A passagem de ida e volta custa mais de 800 dólares.

Belmond Andean Explorer - foto: Divulgação
Belmond Andean Explorer – foto: Divulgação

Mas se a tua vontade é aproveitar a vida no trem, mais do que só usá-lo como transporte para o destino, a Belmond lançou agora em maio a primeira rota de trem no Peru de alto luxo, onde é possível passar até 2 noites. O Belmond Andean Explorer faz a rota entre Cusco e Arequipa, passando por Puno, às margens do Lago Titicaca. No caminho, ele ainda inclui paradas nas montanhas de La Raya no sítio arqueológico de Raqch’i, e um passeio de barco pelo lago.

Ele acomoda até 48 passageiros, em 4 tipos de cabines (cabine com cama de casal Junior e Deluxe, com 2 camas de solteiro e com beliche). A composição inclui o carro-restaurante, o carro-bar, o carro-observatório e também um carro-spa. Os itinerários podem ser de uma ou duas noites, sendo que o primeiro só faz metade do caminho (Cusco – Puno). O passagem mais barata custa 462 dólares por pessoa, e inclui as refeições, drinks e passeios. Quando se fala de trem no Peru – e em toda a América do Sul – não tem concorrência para ninguém.

Vagão restaurante no Belmond Andean Explorer
Vagão restaurante no Belmond Andean Explorer
Quarto duplo do Belmond Andean Explorer
Quarto duplo do Belmond Andean Explorer

*Foto do destaque: trem no Peru – PeruRail – divulgação

Veja também:

Guia completo de Lima

8 restaurantes para para comer bem em Lima

Quem escreveu

Renato Salles

Data

19 de May, 2017

Share

Renato Salles

Para o Renato, em qualquer boa viagem você tem que escolher bem as companhias e os mapas. Excelente arrumador de malas, ele vira um halterofilista na volta de todas as suas viagens, pois acha sempre cabe mais algum souvenir. Gosta de guardar como lembrança de cada lugar vídeos, coisas para pendurar nas paredes e histórias de perrengues. Em situações de estresse, sua recomendação é sempre tomar uma cerveja antes de tomar uma decisão importante. Afinal, nada melhor que um bom bar para conhecer a cultura de um lugar.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.