De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

As boas do mês de maio em Salvador

Quem escreveu

Fernanda Slama

Data

28 de April, 2018

Share

O PAÍ, Ó – Bando de Teatro Olodum

Bando de Teatro Olodum. Foto: Divulgação (fonte: correionago).

Criado em 1992 pelo diretor Marcio Meirelles e pelo Bando de Teatro Olodum, o espetáculo “O Paí Ó”, permanece atual pela síntese que faz do modo de ser e sobreviver dos moradores e freqüentadores do Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador. São músicos, artistas plásticos, travestis, baianas de acarajé, proprietários de pequenos bares, associações comunitárias e blocos afros. Personagens reais que, pouco a pouco, foram expulsos do local para dar espaço a um fictício shopping turístico a céu aberto. A montagem do Bando retrata um dia especial na vida desses diversos tipos que viviam no Centro Histórico: uma Terça-feira de Benção. Enquanto se preparam para curtir a farra, os moradores precisam enfrentar a falta de água no prédio (ação proposital da proprietária) e o extermínio de crianças da área a mando de comerciantes interessados na “limpeza étnica” do local para aumentar a atração de turistas. Tudo discutido com criatividade, consciência racial e humor, marcas definitivas das produções do Bando de Teatro Olodum.

O PAÍ, Ó – Bando de Teatro Olodum. Sexta e Sábado, às 20h. Domingo às 19h. De 04 a 13/05. Ingressos: R$ 40 / R$20.
Teatro Vila Velha. 
Sala Principal. Rua Sete de Setembro, Salvador. 

Namíbia, Não!

Aldri Anunciação e Fernando Santana. Foto: Susan Kalik / Divulgação.

Espetáculo ‘Namíbia, Não!’ tem apresentação única no Teatro Castro Alves em maio, então se liga! A comédia-dramática “Namíbia, Não!” marcou a estreia do baiano Aldri Anunciação como dramaturgo e de Lázaro Ramos como diretor. Nesta apresentação comemorativa dos sete anos de atividade do espetáculo, a peça retorna ao TCA, desta vez à Sala Principal, para celebrar com o público e com a cidade. O texto escrito por Aldri Anunciação recebeu o Prêmio R7 de Melhor Texto de Teatro de 2012, através de votação popular, que mobilizou mais de 100 mil votantes. Ainda foi contemplado com o Prêmio Braskem de Teatro 2011 e o Prêmio Fapex 2010. Ao longo destes anos, além de prêmios, o trabalho coleciona temporadas e apresentações em mais de 15 estados brasileiros e Portugal, alcançando mais de 500 mil espectadores.

Namíbia, Não! Sexta (11.05), às 21h. Ingressos: R$40 / R$20.
Sala Principal do Teatro Castro Alves. Campo Grande, Salvador. 

Woyzeck, Zé Ninguém.

Woyzeck – Zé Ninguém. Foto: Divulgação

Baseada em fatos reais, a história conta a vida de um homem que luta desenfreadamente pela sobrevivência e desenvolve imperativamente várias atividades (soldado/fuzileiro, barbeiro e cobaia de um médico). As inúmeras tarefas não permitem que ele fique muito tempo num espaço, o que impõe o fim abrupto e precoce das cenas, influenciando na linearidade da dramaturgia. Executadas no ritmo da urgência e do desespero, essas atividades o tiram da convivência familiar e social. Em algumas cenas, Woyzeck se despede da esposa Marie sem sequer ter entrado em casa ou logo depois de chegar. Em algumas cenas, Woyzeck é chamado de “Zé”. Interpretado pelo ator Felipe Viguini, esta personagem é o primeiro protagonista proletário da literatura alemã. Escrita em 1837, a obra influencia dramaturgos como Bertold Brecht, em “Tambores na Noite” e “Um homem é um homem”.

Woyzeck – Zé Ninguém. De 17 a 27.05. De quinta a sábado, 20h. Domingo, às 19h. Ingressos: R$ 20 / R$10 / R$30 / R$15.
Sala Principal do Teatro Vila Velha. Avenida Sete de Setembro, Salvador. 

A Cidade do Futuro

Ficção e documentário se mesclam em novo longa “A Cidade do Futuro”, da dupla baiana Cláudio Marques e Marília Hughes, do premiado “Depois da Chuva”. O segundo longa da dupla foi eleito o Melhor filme Latino Americano no BAFICI (Buenos Aires), Melhor filme internacional no Newfest, em Nova Iorque e Melhor Filme pelo Público no Olhar de Cinema (Curitiba). Os protagonistas desafiam a heteronormatividade do sertão – a trama se desenrola em meio a história de um triângulo amoroso. O filme se passa em Serra do Ramalho a tal ‘cidade do futuro’ prometida pelos militares nos anos 70”. Localizado na região Oeste do Norte baiano, o município foi criado durante a Ditadura Militar para abrigar as cerca de 73 mil pessoas deslocadas dos seus lares, para dar lugar à represa de Sobradinho. ‘A Cidade do Futuro’ é uma ficção criada com base no real, no que os atores estavam vivendo. O longa traz à tona questões sobre direitos civis de uma população considerada, muitas vezes, de segunda classe, conta Marques, que também assina o roteiro.

‘A Cidade do Futuro’. Nos cinemas UCI Orient Shopping da Bahia Av. Tancredo Neves, 148. Caminho das Árvores, Salvador e Espaço Itaú de Cinema Salvador Cine Glauber Rocha. Praça Castro Alves, s/n. Centro, Salvador. 

Quem escreveu

Fernanda Slama

Data

28 de April, 2018

Share

Fernanda Slama

Foi em uma Festa de Iemanjá, que Fer pediu o Mau em namoro. Depois de anos trabalhando nas fábricas da China, a designer carioca mudou de mala e cuia para Salvador e juntou os quadros na mesma parede que o empresário baiano. São daqueles que não perdem um show, estão sempre na balada, nos melhores restaurantes e exposições. Vivem por ai! Ele conhece a cidade tão na palma que o seu insta é um dos mais bombados. Ela se deleita, deixando o coração tremer com tanta cultura, céu azul e água morna! Instagram: @salvadormeuamoroficial e @salveamoroficial

Ver todos os posts

Comentários

  • Falô, falô; falô....mas nao falô o dia, Local e horário......Não adiantou de nada.. .
    - Douglas
    • Oi Douglas, essa introdução é um resumo do que vai rolar, mas aí tem as seções de cada coisa (festa, show, comida, etc) onde tudo está detalhado com as informações gerais, incluindo endereço, valor, etc... é só clicar nas abas correspondentes. Você fez isso?
      - Lalai Persson

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.