Bombay Saphire no Festival Path

Está pronto para inspirar-se, provocar-se e despertar a mais pura criatividade que existe em você? Acompanhe as novidades do Festival Path, com Bombay Sapphire!

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Rio de Janeiro, além do bondinho e do Cristo Redentor

Data

05 de February, 2018

Share

Que tal subir o Pão de Açúcar de uma forma diferente? Se quiser economizar no bondinho, dá pra subir o Morro da Urca (o primeiro, o mais baixo), numa trilha fácil até para sedentários. É só pegar a pista Claudio Coutinho, que, no meio dela, parte a trilha. É íngreme, mas não leva meia hora. Ao sair de lá, você pode fazer uma caminhada agradabilíssima pelo bairro, ao lado da Baía de Guanabara, até o Bar Urca, do lado do Forte. O atendimento é padrão Rio, onde você se estapeia por um autosserviço, mas a cerveja de garrafa é gelada e os petiscos são honestos. Não há nada mais carioca que uma cerveja na muretinha da Urca.

Seja pedalando, correndo ou caminhando, uma volta pelo Alto da Boa Vista e Floresta da Tijuca é um ótimo exercício. Embora seja uma estrada comum, que serve para interligar pontos da cidade, é um dos poucos lugares onde há mais bikes do que carro. Se você tiver uma bicicleta com marchas (que dá pra alugar na galeria River, no Arpoador) pode fazer o seguinte passeio: Ipanema/Jardim de Alah/Lagoa/lateral do Jardim Botânico/Horto/Vista Chinesa/Mesa do Imperador. Parece muito, mas dá uns 12 km (com inclinação de 10% na subida para a Vista). Tem até onde parar o carro, mas a graça é justamente chegar na maior floresta urbana do mundo com suas próprias pernas. Da Mesa do Imperador você pode seguir para as Paineiras e se refrescar em um cano como os cariocas insistem em chamar de cachoeira, mas não deixa de ser uma delícia.

Um passeio longe, mas incrível, é o sítio Roberto Burle Marx. Hoje lá é um Centro de Estudos de Paisagismo, Botânica e Conservação da Natureza no Maciço da Pedra Branca, extremo oeste da cidade. Porém a paisagem parece tirada de um conto de fadas. Casa de Burle Marx de 1973 até 1994, tem um acervo botânico e paisagístico que inclui cerca de três mil e quinhentas espécies cultivadas, com ênfase em plantas tropicais próprias do Brasil. É reconhecido como uma das mais importantes coleções de plantas vivas existentes no mundo. Estrada Roberto Burle Marx, 2.019 – Barra de Guaratiba. Tel: (21) 2410-1412

O Boulevard Olímpico. Foto: Alexandre Macieira/Riotur

A recém-reformada Praça Mauá abriga o MAR e o Museu do Amanhã, que já citamos acima no “para inspirar”, então você pode aproveitar para ver os dois no mesmo dia. Em seguida, vale a pena passear pelo Boulevard Olímpico, como ficou conhecida a Avenida Rodrigues Alves depois da reforma que derrubou o Viaduto da Perimetral e devolveu a orla para a Região Portuária, batizada de Orla Conde. No boulevard, está o grafite ‘Etnias’, conhecido como Mural do Kobra (nome de seu autor), maior grafite do mundo segundo o ‘Guiness’. Os antigos armazéns foram todos reformados e frequentemente abrigam eventos. Ali do lado, tem o Morro da Conceição onde você pode almoçar ou comer uns petiscos, por exemplo, no Imaculada. Mais para frente, os Jardim Suspenso do Valongo, uma construção paisagista do Rio antigo recuperada e que faz parte do Circuito Histórico da Herança Africana: estudos e escavações arqueológicas trouxeram à tona a importância histórica e cultural da Região Portuária do Rio de Janeiro para a Diáspora Africana e a formação da sociedade brasileira. A Pedra do Sal, considerada um dos berços do samba, é outro ponto importante desse circuito. A região foi a mais beneficiada pelas Olimpíadas na cidade.

A 50 minutos do Rio de barco, a ilha de Paquetá, bairro que faz parte da região central da cidade, era badalada nos anos 70 e 80 voltou a ser frequentada pelos cariocas de outros bairros de 2013 para cá, quando uma festa junina atraiu centenas de pessoas até lá. Com 4.500 habitantes, um ar bucólico e sem circulação de carros, hoje a ilha tem um bloco de carnaval bombado, o Pérola da Guanabara (que é um dos apelidos de Paquetá), a festa de São João segue concorrida e diversos outros eventos pipocam aqui e ali. Além disso, moradores da região resolveram abrir suas portas para visitação de ateliês e almoços ou jantares. Para saber mais detalhes, vale conferir este post que publicamos em 2017.

Data

05 de February, 2018

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.