De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

As boas do fim de semana no Recife: 12.01

Quem escreveu

Júlio Cavani

Data

10 de January, 2018

Share

Patrocínio

Exposição de Athos Bulcão

As paredes de azulejo criadas por Athos Bulcão (1918-2008) são um detalhe da arquitetura modernista brasileira que merecem tanto respeito quanto os mais monumentais prédios de Oscar Niemeyer. Com fotos, esboços, vídeos e montagens cenográficas, a exposição que está em cartaz na Caixa Cultural transmite bem a essência da obra do artista. Ele alcançava efeitos óticos incríveis com uma combinação entre cores e formas geométricas em murais, muros e fachadas.

Exposição Athos Bulcão: Tradição e modernidade. Em cartaz até 28 de janeiro. Terça a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, das 10h às 17h.
Caixa Cultural. Marco Zero, Bairro do Recife, Centro.

Quem escreveu

Júlio Cavani

Data

10 de January, 2018

Share

Patrocínio

Júlio Cavani

Durante três meses em Nova York em 2010, Júlio não trabalhou e nem estudou. dedicou todos os dias e noites da viagem a shows, exposições e cinemas. Na verdade, a vida dele é assim o ano inteiro, todos os anos, em qualquer cidade onde esteja. Quando trabalha, procura sempre algo relacionado a arte, filmes e música. Quando tem tempo livre, busca as mesmas coisas (ou ambientes com muita natureza). Também desenvolve os próprios projetos artísticos, influenciado por tudo o que vê e ouve. Ele ainda é conhecido por conseguir provar que sempre é possível encontrar coisas legais para fazer no Recife e por estar em vários lugares ao mesmo tempo.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.