De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

As boas do fim de semana no Rio de Janeiro: 06.07

Data

05 de July, 2018

Share

O fino do brega – Conversas sobre a música popular cafona brasileira

A música brega é tema de um ciclo de palestras promovido pela Caixa. Na quinta-feira (05.07), o músico e produtor Arthur de Faria destaca a obra de Vicente Celestino, Lupicínio Rodrigues, Odair José. Na mesma noite, o historiador e jornalista Paulo César de Araújo, autor da polêmica biografia “Roberto Carlos em Detalhes”, analisa como a geração de cantores românticos perturbou o establishment e o padrão estético das elites culturais a partir de 1968. Na sexta (06.07), calypso, tecnobrega, tecnomelody e arrocha entram na pauta através das falas de Lydia Barro, jornalista e doutora em Comunicação e Culturas, e Oona Castro, jornalista e mestre em Comunicação.

O fino do brega. Quinta-feira (05.07), às 18h. Sexta (06.07), às 19h. Gratuito – as senhas são distribuídas uma hora antes.
Caixa Cultural. Av. Alm. Barroso, 25 – Centro.

Selváticas

No primeiro sábado do mês, a Fábrica Bhering abre as portas para o público apreciar o trabalho de artistas de diversas vertentes. Aquarelista nascida em Salvador e atual moradora do Rio, Pilar Rodriguez aproveita a data para inaugurar a exposição “Selváticas”, sua primeira individual. Parte da inspiração vem justamente das plantas típicas da Mata Atlântica carioca – pitangueiras, samambaias e dracenas, entre elas – retratadas nas obras. O belo trabalho ressalta a exuberância das espécies, que surgem sem vasos ou jarros. O jardim é a floresta. A liberdade é verde.

“Selváticas”. Abertura: sábado (07.07), das 14h às 20h. Em cartaz até dia 20.07, no mesmo horário. Gratuito.
Fábrica Bhering. Rua Orestes, 28 – Santo Cristo.

Orquestra Petrobras Sinfônica no Pão de Açúcar

No domingo, os visitantes do Pão de Açúcar podem apreciar a vista privilegiada do cartão postal com música clássica. Em clima de Copa do Mundo, oito músicos da Orquestra Petrobras Sinfônica (foto) executam sucessos que celebram a paixão nacional por futebol. No repertório, “É uma partida de futebol” , “País do futebol”, “Fio Maravilha” e “90 milhões em Ação / Coração Verde e Amarelo”. Como o guia foi escrito antes do jogo entre Brasil e Bélgica, esperamos que a paixão esteja firme e forte no grande dia.

Orquestra Petrobras Sinfônica no Pão de Açúcar. Domingo (08.07), às 16h. Gratuito para os visitantes do bondinho – compre ingressos para a atração no site.
Bondinho do Pão de Açúcar. Av. Pasteur, 520 – Urca.

Jazz na Praça Varnhagen

A combinação parece irresistível: jazz e Varnhagen, o ponto-point boêmio da Tijuca. O domingão é embalado pelos jazz das décadas de 1920 a 1940 selecionado pela DJ Carol. De quebra, para entrar de vez no clima pracinha descolada, rola um aulão de lindy hop. É para ir, dançar e postar no Insta.

Jazz na Praça Varnhagen. Domingo (08.07), de 14h30 às 17h30. Gratuito.
Praça Varnhagen – Tijuca.

Data

05 de July, 2018

Share

Filipe Isensee e Gustavo Cunha

Filipe nasceu em Salvador, mudou-se aos 9 anos para Belo Horizonte e, aos vinte e poucos, decidiu encarar o Rio de Janeiro. Há quatro anos conheceu Gustavo, cria da capital fluminense. Jornalistas culturais, gostam de receber amigos em casa e ir ao cinema. Cada vez mais são adeptos de programas ao ar livre - sempre que podem, incluem no passeio Chaplin, esperto vira-lata adotado há um ano.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.