Paris: a bela da tarde

Data

20 de January, 2014

Share

Paris foi por muito tempo a cidade mais visitada do planeta, mas perdeu seu trono recentemente para Londres. Ainda assim, são 27 milhões de turistas passando por lá anualmente. É a cidade escolhida para lua-de-mel, para a primeira parada numa viagem à Europa, para buscar por experiências gastronômicas, para se deleitar com a arte e arquitetura que a cidade abriga. A lista de razões é infindável. Paris abriga 3.800 monumentos e sempre tem algo diferente acontecendo por lá.

Aqui no blog todos já estiveram por lá e voltam sempre que possível. Uma das pessoas do CoP já pisou na capital francesa ao menos 30 vezes e continua sempre sonhando em voltar pra lá. Os demais tem, cada um, sua história particular com a cidade. Uns gostam mais, uns gostam menos, outros pisam por lá sempre que podem.

Guias da cidade não faltam, assim como não faltam coisas para fazer por lá. Sempre recomendamos ao menos 7 dias na capital francesa, mas se tiverem apenas 2 dias, ainda assim é possível aproveitar um bocado. A ideia desse guia é fugir um pouco do lugar-comum, já que os lugares mais óbvios de Paris estão na maioria dos guias e na cabeça de quem vai pra lá. O objetivo aqui é dar a possibilidade de mergulhar um pouco mais em lugares mais insiders. Para isso contamos com a ajuda do brasileiro Domingos, que mora em Paris há quase 4 anos, é descolado, bacana, gosta de artes, lugares incomum e da boa gastronomia, além de, claro, adorar flanar pela cidade. É ele o nosso guia quando um de nós está por lá. Então aguarde lugares inusitados, menos procurado por turistas.

Para quem nunca foi a Paris, sugerimos a leitura desse post “Paris com chuva“, que traz alguns clássicos parisienses.

INFORMAÇÕES PRÁTICAS

Paris é uma cidade boa para visitar quase o ano todo, com exceção de dezembro e janeiro, que costuma chover bastante, e agosto, quando os parisienses saem de férias e a cidade esvazia (mas não de turistas), fechando alguns lugares imperdíveis e mais “in”, que baixam suas portas, voltando a abri-las somente em setembro. Ainda assim, o tempo anda bem maluco, então essa regra anda meio capenga. Esse último inverno foi o mais quente em um século. Está mais para “ter sorte” do que contar mesmo com o período da viagem.

Uma das delícias de Paris é que a cidade é ótima para bater perna. Então ande o quanto precisar, pois sempre descobrirá algo novo. Repare nos prédios, cafés, lojinhas, pessoas. Paris é puro deleite visual.

Caso chegue via aeroporto Charles de Gaulle ou Orly, prefira ir para a cidade de trem. Custa 9,50 euros contra 50 que irá gastar com um táxi, ou pegue um ônibus que te deixará no Opera, que é bem central e fácil para se locomover para qualquer parte da cidade. Para quem estiver vindo de outra cidade européia e opte por tickets de tarifas baixas (Ryanair), cuidado, pois o aeroporto Beauvais fica em outra cidade (85km do centro de Paris) e nem sempre vai valer a pena.

A moeda é euro e nem sempre é possível pagar tudo com cartão de crédito. Alguns estabelecimentos exigem um valor mínimo para aceitar cartão, então tenha sempre uns euros trocados no bolso.

Vale a pena comprar um chip para ter acesso fácil à Internet, pois ajuda muito na locomoção e para consultar lugares onde quer ir, usando Yelp e o Foursquare. Antigamente era impossível comprar um chip como turista, mas hoje é bem fácil, rápido e barato.

DE LÁ PRA CÁ

Para se locomover prefira transporte público ou bicicleta, que funcionam bem, são rápidos e te levam pros 20 arrondissements. Se for primavera ou outono, aproveite para fazer tudo que possível de bike, pois a visão que terá da cidade será única.

bike_paris

É possível comprar ticket válido por um dia (1,70 euro) ou para 7 dias (8 euros) para usar a Velib, as famosas bicicletas parisienses, que contam com estações espalhadas por todos os cantos da cidade. Para alugar, é necessário ter cartão de crédito internacional e o processo é bem simples, sendo feito diretamente na estação da bike no primeiro aluguel.

Captura de Tela 2014-01-05 às 21.29.52

Já para quem preferir ônibus ou metrô, a sugestão é comprar tickets de 1 a 5 dias, válidos para as zonas 1, 2 e 3, que são suficientes para o dia-a-dia, mas também dá para comprar para as zonas 4 e 5, que é válido pra chegar a Paris do aeroporto Charles de Gaulle, voltar pro aeroporto e ir pro castelo de Versalhes. O ticket é válido para ônibus, metrô, trem, funicular em Montmartre. O valor unitário é 1,70 euro, enquanto o ticket para usar por 24 horas custa 10,85 euros, ou seja, dependendo dos planos de viagem, vale a pena consultar a compra por dia ao invés de unitário.

Ainda assim sugerimos que bata tanta perna quanto puder, pois Paris sempre reserva deliciosas surpresas escondidas em ruelas, esquinas ou mesmo em meio à multidão. Paris pede olhos atentos e calma para observar sempre ao redor e os detalhes.

ONDE FICAR

Opções não faltam, mas a hospedagem na cidade é cara, por isso se for ficar mais do que 3 dias, vale a pena alugar um apartamento. Além do airbnb, que tem mais de 19.700 opções disponíveis, é possível também encontrar alguma boa pedida no All Paris Apartments e no próprio booking.com, que tem apartamentos no 3º arrondissement (região Marais). Na última ida para lá, ficamos num apartamento ótimo de um dormitório alugado pelo booking, com cozinha super equipada, máquina de lavar louça e roupa, além de ter elevador, algo não tão comum em Paris, mas que salva a vida (e as energias) quando temos malas maiores do que podemos carregar. A localização não poderia ter sido melhor, pois ficava a 100m do metrô Filles du Calvaire. Só atentar para o horário do check-in (15h) e check-out (11h), mas o pessoal foi bem solícito e ajuda no que precisar, inclusive guardar e levar as malas para o apartamento (pago a parte).

Sugerimos sempre conferir no mapa a localização antes de alugar algo, pois por aqui já caímos no conto de um apartamento que constava ser em Marais, mas era bem longe de lá. Ter uma estação de metrô ao lado também é sempre uma boa mão na roda.

No Chicken or Pasta somos todos fãs do  e arrondissement, região do Marais, então acabamos preferindo hospedagens nesse canto, também uma boa localização para quem nunca esteve na cidade e quer conhecer todos os lugares turísticos.

Les Hôtels Emeraude – o mais indicado da nossa lista, abriu há pouco mais de 6 meses, é a novo lugar pra ficar sem desembolsar muito. E um detalhe importante: se você viajar com seu animal de estimação, eles permitem que ele se hospede com você, mas precisa ser pequeno. As diárias são a partir de  170 euros (tarifa promocional) para casal. Alguns quartos possuem varanda e tem café da manhã incluso na diária. Também conta com um spa gratuito para hóspedes com sauna e banho turco. Há alguns funcionários que falam português, o que ajuda bastante. Fica a 50m da Place de la République. 38 boulevard du Temple, 75011 Paris, FR

julesejim

Hôtel Jules & Jim – 11, Rue des Gravilliers – um hotel boutique com alusão ao famoso filme do Truffaut. O hotel fica a 20 minutos da Place des Vosges e 10 minutos do Centre Pompidou. Tem café da manhã, mas como a maioria dos hotéis em Paris, é pago a parte (cerca de R$ 58/pessoa). Tem wi-fi gratuito e  produtos de banho da Molton Brown. O hotel também abriga um bar e exposições temporárias de fotografia. Diárias a partir de 210 euros.

foto: http://www.anknelandburblets.com/
foto: http://www.anknelandburblets.com/

Le Citizen (nosso favorito) –  96 Quai de Jemmapes – pertinho do canal de Saint Martin. O Le Citizen tem apenas 12 quartos, oferece um ipad em cada quarto aos hóspedes substituindo jornais impressos, já que se considera um hotel “verde”. Além disso, o wi-fi é gratuito e o café da manhã incluído na tarifa, sendo servido até às 11h. Diárias a partir de 178 euros

Mama-Shelter-Paris-04

Mama Shelter – 109 Rue de Bagnolet, 75020 – um pouco afastado (20º arrondissement), talvez não seja a melhor opção para quem visita Paris pela primeira vez. O hotel foi projetado pelo Phillipe Starck, com quartos modernosos contando com iMac substituindo a tradicional TV. O Mama Shelter tem também um bom restaurante, mas a diária não contempla café da manhã que é pago a parte (cerca de R$ 49). Diárias a partir de 99 euros. Esse só vale se você já foi várias vezes a Paris, pois ele realmente fica fora de mão, mas uma amiga se hospedou por lá e super recomendou o hotel. Se você foge de russos, melhor passar longe.

Já para quem prefere opções mais em conta temos duas sugestões com bom custo x benefício, além de ótima localização: o Hotel du Loiret, próximo a rue Rivoli, com diárias a partir de 100 euros, porém é necessário entrar em contato com eles para fazer a reserva. Já o Hôtel Amelot, na 54 rue Amelot, no início do 11 arrondissement com o 3, ou seja, no final do Marais. Não inclui café da manhã, mas é perto de tudo, inclusive de 2 estações de metrô. A diária é a partir de 110 euros. Outra opção é a Hostellerie du Marais, com diárias a partir de 116 euros. A localização é incrível, fica atrás da Place des Vosges.

Caso prefira outros bairros, vale dar uma boa pesquisada no Trip Advisor, que tem 1793 hotéis resenhados, leia as críticas para não cair em roubada, porque tem muito hotel mal localizado e ruim na cidade. Aqui mais algumas opções de hotéis em conta, que vale dar uma olhada.

ONDE COMER

Apesar de Paris ser uma das maiores cidades gastronômicas do mundo (senão a maior), tem muita furada. Ainda assim, sempre poderemos ser surpreendidos ao entrar em qualquer portinha apenas porque achou o lugar simpático. Caso não tenha um 3G, em Paris vale a pena ter um guia Zagat atualizado na bolsa. Também vale abrir a mente e se aventurar em outras cozinhas que não a tradicional francesa, pois geralmente os franceses são bons no que se propõem a fazer na cozinha.

BURGERS

blend

Até pouco tempo atrás a moda em Paris era o hamburguer gourmet, mas agora a bola da vez são os bares de frutos do mar. Para quem prefere à moda antiga (2012) e adora um lugar estilo Brooklyn, vá comer um bom hamburger no Paris New York, Frenchie to Go ou o Blend.

Schwartz Deli – puro deleite para quem ama pastrami e hamburger. Para os que idolatram Oreo, o lugar oferece nada mais nada menos que um milkshake feito do mesmo. É de comer e beber de joelhos. Pequeno, concorrido, apertadinho, mas vale muito a pena. Os preços são ótimos. São 3 endereços, mas a que experimentamos foi a da 16, rue des Ecouffes, 75004, Paris (4ème). Abre todos os dias: seg à sex das 12 às 15h e 19h30 às 23h, sab e dom das 12 às 17h e 19 às 23h (não abre no shabat, de sexta à noite à sábado à noite)

FRUTOS DO MAR

Para quem a boca enche d’agua só de falar em frutos do mar, as opções são:

foto: http://myparisianlife.com/
foto: http://myparisianlife.com/

Le Mary Celeste – o restaurante é super moderno e causa a sensação de estar num barco, pequeno e com janelas altas que, em dias quentes, ficam abertas. O público que frequenta o lugar é jovem e descolado.  Ótimo para tomar coquetéis acompanhados de ostras, além de uma variedade de tapas, bons vinhos e até Brooklyn Larger ou East Indian Pale Ale para quem prefere uma boa cerveja. O atendimento é ótimo. Vale ir mesmo que seja para tomar um drink e contemplar os belos franceses. O lugar costuma lotar rápido, então vale reservar. Funciona das 17 às 2h da manhã. 1 rue Commines, 3rd

lobster-bar-paris

Lobster Bar – o menu tem como estrela roll de lagosta (26 euros -um tanto salgado), que vem acompanhado de fritas e salada. É o primeiro bar de lagosta de Paris, só por isso já vale a visita. O bar fica próximo ao Louvre, abriu suas portas há menos de 1 ano, é pequeno, aconchegante e atrai um público moderno. Atente ao horário, pois o lugar fecha às 22:30. 41 rue Coquillière – 75001 Paris (Métro Louvre-Rivoli)

COZINHA FRANCESA

Para quem já prefere a cozinha francesa, são mais opções boas do que tempo para ir conhecer todas. 

Bouillon Chartier – super tradicional (é um refeitório à francesa), foi aberto em 1896 com o conceito de oferecer uma boa comida a preço razoável, o que em Paris é ouro. Conseguiu se manter desde então com pratos principais custando entre 8,50 e 13,50 euros. Não tenha medo da fila, pois é um lugar onde as pessoas vão apenas para comer, sem enrolação. Abre diariamente das 11:30 às 22h e não aceita reservas. 7 rue du Faubourg Montmartre – 75009 Paris – Tel.: +33 1 47 70 86 29

Autour d’un Verre – é um wine bar, mas denomina-se como restaurante devido ao tipo de licença. O lugar é super pequeno, simples e concorrido. Para quem gosta de experimentar novos vinhos de vinícolas menores que utilizam uvas orgânicas, esse é o lugar. A comida é super elogiada. O menu muda a cada 3 dias. O restaurante fica escondido no 9ème – 21 rue de Trévise 75009 Paris, França – Tel: +33 1 48 24 43 74

foto: http://www.hypemeanseverything.com/
foto: http://www.hypemeanseverything.com/

Le Dauphin – se a fila do estrelado Chateaubriand estiver enorme, não titubeie e vá conhecer o outro restaurante do chef Aizpitarte, que em 2010 foi considerado o melhor chef francês. O Le Dauphin tem projeto assinado pelo Rem Koolhas. É meio restaurante, meio bar e no almoço é possível escolher menu por 23 ou 27 euros, ou seja, vale ir conhecer. 131 Avenue Parmentier, 75011 Paris, França

Le Richer – restaurante-irmão do badalado L’Office, que fica ao lado. O Richer não aceita reservas, é despretensioso, tem um menu enxuto contando apenas com 3 entradas e 2 pratos principais, sempre preparados com ingredientes frescos e feitos de forma criativa, abusando da moderna cozinha francesa. Ou seja, o menu varia de acordo com o que tem disponível nos mercados. Para não se cansar na espera, vale chegar antes das 20h, vai ser mais fácil conseguir uma mesa. 2 Rue Richer, 75009 Paris, França

polidor

Polidor – restaurante com cozinha francesa tradicional, datada do século XIX, com preço bem acessível para o dia-a-dia, variando entre 11 e 20 euros. O restaurante tem mais de 100 anos e praticamente não teve alteração na decoração. Fica na região do Parque Luxemburgo, no Quartin Latin. Era o favorito do André Gide e já teve em seus jantares ilustres como James Joyce, Hemingway, Valéry, Artaud, Rimbaud, Verlaine, Victor Hugo e Kerouac. O restaurante também serviu de cenário para o filme “Meia-noite em Paris“, do Woody Allen, na cena em que Gil encontra Hemingway. 39, rue Monsiuer Le Prince, 75006, Paris, França.

Fontaine de Mars – comida maravilhosa. Recomendamos ir no almoço e pedir “prato do dia”. Se cair por lá no sábado, não deixe de experimentar gigot d’agneau, mas liga lá e avise antes, pois demora muito para ficar pronto. Uma entrada imperdível é “oeufs au Madiran”, que é de lamber o molho no prato! Ainda bem vem acompanhado de pãozinho.  129 rue St-Dominique, Paris –  Tel 01 47 05 46 44 (fica atrás da Torre Eiffel)

La Coupole – é um dos restaurantes mais conhecidos de Paris. Foi inaugurado em 1927, tendo sido frequentado por Picasso, Henry Miller, Cartier Bresson, Anaïs Nin, Hemingway, Sartre, Giacometti, Serge Gainsbourg, Jane Birkin. Um dos pratos mais tradicionais é o curry de cordeiro, servido há mais de 80 anos seguindo a receita clássica. O pé direito tem 5m de altura e são 180 pessoas trabalhando na brasserie. O lugar é ótimo para happy-hour. Aproveita para ir quando estiver na região de Montparnasse. Os preços são acessíveis. 102 Boulevard du Montparnasse, 75014 Paris, França ‎

Robert et Louise – restaurante para quem não resiste a uma boa carne à francesa. Fica no Marais, é pequeno, barato, simples, com um menu de comida francesa tradicional e popular. Alguns pratos servem duas pessoas, como o entrecôte de boi, acompanhado de salada verde e fritas. A dica é sentar no balcão e comer por lá mesmo, caso o lugar esteja cheio. Recomendamos reservar mesa. 64, rue Veille du Temple, 75003.

lebarav

Le Barav – é um wine-bar simples e fofo com cozinha clássica francesa tendo no menu charcutaria, queijos, saladas e sanduíches, frequentado por locais. Taças de vinhos a partir de 5 euros e refeições entre 10 e 19 euros. Sugerimos reservar mesa. 6 Rue Charles-François Dupuis, 75003 Paris, França

Chez Janou – bistrô tipicamente francês com um menu de lamber os beiços, ótimo para jantar sem se preocupar com a hora. Comece com queijo de cabra gratinado sobre molho de tomates fresquinhos acompanhados de pães, depois se aventure em qualquer item do menu, pois nada irá decepciona-lo. O lugar é super concorrido, por isso não deixe de reservar uma mesa para não dar com a cara na porta. Horários:  Seg a dom 12h às 15h e 19 às 22h30. O atendimento é despojado e acaba incomodando alguns, mas não se acanhe e feche a noite com uma bacia de mousse de chocolate para dividir entre todos da mesa. 2 rue Roger Verlomme, 75003 Paris (3ème) – +33 1 42 72 28 41

Le Baratin – fica um pouco afastado, mas vale a visita, que pode ser estendida num passeio nos arredores, reservando boas surpresas. A chef é argentina e super respeitada entre chefs franceses. A cozinha é francesa com toque argentino e oferece uma boa carta de vinhos biodinâmicos. Vale ir para jantar, quando o menu é mais caprichado. Fica na 3 rue Jouye-Rouve, Paris, 75020 – 20ème. Abre de terça à sabado, das 12 às 14h30 e 20 às 23h30. Na saída, caso vá almoçar, suba a rue de Belleville, entre a rue Piat à direita e siga até o Parc de Belleville, que oferece uma vista única de Paris.

Por fim, um lugar mais secreto atrás das paredes do prédio da Unesco, no último andar. É lugar para levar alguém para impressionar, pois a vista é panorâmica e de tirar o fôlego. Faça uma reserva solicitando uma mesa com vista para a Torre Eiffel. 7 Place de Fontenoy, 75352 Paris

OUTRAS COZINHAS

Chez Omar – é a meca do cuscuz marroquino. Tem também outras opções gastronômicas da cozinha do norte da África.  47, rue de Bretagne, Paris, França.

nanashi

Nanashi – o lugar é descolado, bacana e paraíso dos bentos japoneses. É um dos lugares mais concorridos no almoço no Marais. O cardápio é é enxuto, com poucas opções, mas o mix dos ingredientes é o “it”, sempre com bentos criativos na hora do almoço e tapas para o jantar, além oferecer uma variedade de sucos frescos e tortas deliciosas – elaboradas por patisseries japonesas, para quem ama uma sobremesa. São 3 endereços, mas costumamos frequentar o da 57 rue Charlot, 75003, Paris (mas vale ir conhecer o da 31 rue de Paradis, que é o da foto). Atente aos horários de cada loja.

Rose Bakery – para quem ama comida orgânica e fartos cafés da manhã, aqui é o céu. São deliciosos pães, bolos e tortas, além de boas opções para almoço até às 15h00, mas chegar depois de 13h30 é correr o risco de não ter mais quase nada. Uma boa opção para quem quiser fugir um pouco da tradicional cozinha francesa ou preferir comida vegetariana. São 4 endereços, o mais recente aberto dentro do Le Bon Marché, mas indicamos o da 30 rue Debelleyme, 75003 Paris (3ème) – Terça a domingo, das 9 às 19h

soya

Soya – mais uma opção para quem adora comida orgânica, vegetariana e sem glúten. O restaurante fica bem escondido no 11ème e também oferece um ótimo brunch aos domingos, das 11 às 16h. O restaurante fica num antigo ateliê industrial. Abre de seg à sexta das 12 às 15h30 e 19 às 23h, sábado das 11 às 23h. Fica na 20, rue de la Pierre Levée – Paris. Tel: +33 1 48 06 33 02.

Supernature – outra opção vegetariana, mas que conta sempre com uma opção de carne como prato do dia. Abre de seg à sexta das 12 às 14h e 19 às 22h30 e aos domingos, para brunch, das 10 às 16h. Fica na 12 rue Trévise, Paris – 9ème. Tel: +33 1 47 70 21 03

grazie

Grazie – o proprietário é filho da dona da loja Mérci, que inclusive fica ao lado. Entendeu o porquê do nome? É uma pizzaria deliciosa no 3ème, com uma ótima carta de vinhos e boas opções de coquetéis. O lugar é super descolado com um bom atendimento e público interessante para olhar. Fica na 91 bd Beaumarchais, Paris.

Le Petit Cambodge – oferece cozinha fusion com um menu bem amplo, fica bem localizado (pertinho do Canal St. Martin) e tem ótimos preços. Só cuidado: você escreve os seus pedidos, o que pode causar certa confusão se sua letra for ilegível (médicos, atenção!). Problemas: costuma ser super concorrido e a espera pode ultrapassar 1h30. Dica: deixe o nome na lista, atravesse o canal e vá tomar um drink no Chez Prune enquanto espera. Fica na 20 Rue Alibert 75010 (10ème)

PARA BEBER E BELISCAR

foto: http://www.tendaysinparis.com/
foto: http://www.tendaysinparis.com/

La Buvette – é um wine bar, aberto recentemente, para se deliciar com um bom vinho e deliciosas pranchas de queijos e charcutaria. O local é comandado pela chef e sommelier Camille Fourmont, que é quem faz tudo. Antes de abrir seu próprio bar, Camille estava por trás do balcão do Le Dauphin. Uma das suas proezas é fazer uma ótima seleção de vinhos desconhecidos de vinícolas pequenas a preços bem acessíveis.Vale conferir a novidade. Fica na 67, rue St.-Maur, Paris (11ème).

josephine

Josephine Caves Parisiennes – é um bar de vinho, coquetéis e uísque. Decoração moderna e aconchegante, também um bom lugar para tomar drinks e pedir pranchas de queijos e charcutaria. Tem uma pista que toca rock e reaggea ska. 25 rue Moret, 75011 Paris (11ème). Quinta e sexta são as melhores noites. Abre de segunda à sábado, das 18 às 2h.

Foto: Le Fantôme
Foto: Le Fantôme

Le Fantôme – da mesma galera do Nanashi e Hotel Amour, mas o Fantôme tem outra proposta. O serviço fica a cargo de músicos, artistas, atores, todos amigos do dono, o que dá um toque especial ao lugar. O Fantôme é meio restô, meio bar, contando também com uma área para jogar pinball ou Pac Man, por meros 50 centavos a partida. Público de 20, 30 alguma coisa são os frequentadores do lugar, que é um dos poucos lugares possíveis para comer Pizza Al Taglio (quadrada). Serve café, cerveja, vinho para acompanhar um menu bem simples. 36 rue de Paradis Paris 75010 – Métro : Poissonière, Château d’Eau, Cadet – Aberto diariamente até às 2h

ONDE BEBER, VER E, SE QUISER, SER VISTO

Opções e boas calçadas não faltam. Quando passamos o dia todo batendo perna, sempre olhamos para qualquer mesa vazia na rua e por lá sentamos, afinal uma água, um vinho e uma tartine, vai bem em (quase) qualquer lugar. Para passar mais tempo, olhar as pessoas e se divertir, selecionamos nossos favoritos.

Paris também tem sua Rua Augusta, a rue du Faubourg Saint-Denis, onde as melhores mesas estão no Chez Jeanette e Mauri’7:

Chez Jeannette – para ter um gostinho da Paris da belle epoque e nouvelle vague, o lugar é super hip. Ótimo para tomar um drink e pedir uma prancha de charcutaria. Aos sábados o bar conta com um dj. Fica na 47 rue du Faubourg Saint-Denis, Paris, 75010 (10ème)

Foto: Nicolas Mirguet - http://www.flickr.com/photos/scalino/
Foto: Nicolas Mirguet – http://www.flickr.com/photos/scalino/

Mauri’7 – fica em frente ao Chez Jeanette. Para quem notar o bar durante o dia, não imagina o lugar em que ele se transforma após às 19h. Antes disso parece apenas um velho bar francês, com banquetas de couro vermelho, frequentado por homens mais idosos. Quando a cena muda, o lugar é invadido por designers e diretores de filmes locais que vão tomar drinks a preços acessíveis e ouvir música old-school. 46 Rue du Faubourg Saint-Denis, Paris, 75010 (10ème)

Café Chéri(e) – lugar jovem para quem procura um lugar para ver e ser visto, tomar uma cerveja ou vinho. 44 Boulevard de la Villette, 75019 Paris, França (19ème)

Le Progrès – nosso favorito. É só chegarmos em Paris, que lá aterrissamos para uma taça de vinho ou uma cerveja gelada. O ideal é conseguir uma mesa na calçada, bebericar, beliscar, conversar e ficar vendo as pessoas passarem. Dá para passar a tarde por lá sem perceber o tempo ir embora. É nosso botecão em Paris. Fica na 1 rue Bretagne, Paris – (3ème) – abre de segunda à sábado das 9h30 às 2 da manhã.

foto: Laralou - http://lauralou.canalblog.com/
foto: Laralou – http://lauralou.canalblog.com/

Le Perchoir – esse foi o bar do verão 2013. Apesar de ser um restaurante, foi frequentado para tomar bons drinks e apreciar a vista em volta, já que fica no topo de um prédio em Oberkampf, onde é possível ter uma boa vista da Sacre Coeur. Os vinhos e drinks tem preços bem razoáveis, mas já não podemos dizer o mesmo da comida, que tem menu com 3 pratos a 42-48 euros (pule e vá comer no Chateaubriand, que cobra 60 pelo menu degustação e está entre as mesas mais concorridas da cidade). Fica na 14 rue Crespin Dugast, 75011 Paris (11ème). Seg à Sab 16h às 0h30 e Dom das 16 à 0h.

Outras três ótimas opções para quem tem como objetivo ver e ser visto são:

Foto: http://www.dianeabroad.com/tag/candelaria-paris/
Candelaria – Foto: http://www.dianeabroad.com/tag/candelaria-paris/

Candelária, um bar de coquetéis e taqueria, localizado no Marais. O melhor dia para dar uma passada por lá para um drink, é no domingo a tarde para um cocktail brunch com deliciosos tacos. Candelaria, 52 Rue Saintonge 75003 (metro Filles du Cavaire). Aberto todos os dias do meio-dia às 2am.

Glass – outro bar de coquetéis, que sempre conta com djs à noite e, ocasionalmente, shows ao vivo de rock. As noites de quinta à sábado podem se estender até às 4 da matina, o que não é tão comum em Paris. Às segundas costumam reunir djs dos melhores bares e restaurantes parisienses, com drinks mais baratos, além de cachorro-quente orgânico (?) e cervejas artesanais. Fica ao lado de um sex shop (aproveita e já faça umas comprinhas), em Pigalle (pertinho do metrô).  7 rue Frochot 75009, Paris

Bar Carmen
Bar Carmen

Carmen – o bar fica numa mansão luxuosa no 9ème, protegida pelo patrimônio histórico. Antiga residência do compositor George Bizet, dizem ter sido lá que ele compôs a famosa obra, Carmen. A visita já vale pela arquitetura e pela história, preferencialmente a partir das quintas-feira. O bar também está localizado em Pigalle, tem pista e vai até às 4h da matina às sextas e sábado – 34 rue Duperré 75009 Paris (a 300m do Glass, já aproveita para conhecer os dois) – aberto de terça à sábado das 22h às 2h.

PARA DANÇAR ATÉ O SOL RAIAR

Não temos grandes experiências em baladas em Paris. Por sorte, nas nossas passagens por lá, sempre somos levados a festas na casa de alguém, o que é sempre mais legal. Ainda assim, conseguimos algumas dicas de lugares que costumam ter festas bacanas, caso você queira se jogar na pista para dançar ou pegar um bom show: Social Club (já pegamos festa com o Calvin Harris nas pickups), La Java, Trabendo, Point Éphemère (é também bar e galeria de arte, com artistas residentes), Batofar, Concrete (para jogadas mais nervosas, agora também abriu em “terra”, em Port de La Rapée) e o novo Yoyo, que fica nas antigas salas de cinema da Cinemateca do Palais de Tokyo.

Confira sempre a programação no songkick para ver os shows que vão rolar na cidade.

PARA INSPIRAR

Fugimos um pouco de lugares tradicionais que amamos como Musée L’Orangerie, Musée D’Orsay, Grand Palais, Musée de l’Art Moderne entre outros lugares que já mencionamos nesse post, para dar espaço a lugares menos procurado pelos que visitam Paris.

MUSEUS E GALERIAS

Palais de Tokyo – foi reformado e é parada obrigatória para quem gosta de arte contemporânea. O museu abriga dois restaurantes para você curtir depois de bater perna pelas suas imensas salas para ver as exposições em cartaz. O restaurante Tokyo Eat está lá desde a abertura do museu (2002), é mais casual tem uma decoração bacana, já o Monsieur Bleu foi aberto recentemente na ala nova do museu, mais pretensioso e os preços mais salgados. 13 ave du Président Wilson (16ème). De lá já vai para o Trocadéro para caminhar pelos seus belos jardins enquanto contempla a Torre Eiffel do outro lado, até atravessa-la e poder dar uma descansada no parque atrás da torre ou siga até a Ecole Militaire, uma caminhada bem agradável de 3km.

Le Centre Pompidou – impossível ir para Paris e não dar uma passada por lá. O espaço sempre abriga as melhores exposições de arte contemporânea da cidade, duas ótimas lojas, uma dedicada aos livros e outra ao design. Dá para passar o dia por lá. No final não deixe de ir até o último andar para contemplar a belíssima vista de Paris enquanto toma uma taça de champagne.

Há muitas galerias de arte incríveis ao norte de Marais – dá para tirar um dia só para bater perna nas galerias ao redor, uma mais interessante que a outra. Aí vai a lista no capricho, incluindo algumas que ficam no velho Marais: Thaddaeus Ropac, Emmanuel Perrotin, Yvon Lambert, Xippas, Chantal Crousel, Almine Rech, Karsten Greve, Marian Goodman, Daniel Templon, Gabrielle Maubrie, Nathalie Obadia. Nesse post tem até uma dica de um dia por galerias de arte, com dicas de onde parar para comer.

104 –  centro cultural bacana numa região considerada meio barra pesada, mas que vale a visita, pois sempre conta com incríveis instalações de arte contemporânea e dançarinos de break. 5 Rue Curial, 75019 Paris, França – 19ème

Le Bal - Credito foto: http://www.likehomeinparis.com/2011/04/thurday-food-for-thought-take-me-to-le.html
Le Bal – Credito foto: http://www.likehomeinparis.com/

Le Bal – espaço dedicado à fotografia, vídeo e novas mídias, conta sempre com ótimas exposições. A grande sensação do lugar, além da fotografia, é o café sempre inundado por hipsters. O café oferece brunch com cozinha meio francesa, meio inglesa 6 Impasse de la Défense, 75018 Paris, França – 17ème

PARA SAIR DO ÓBVIO

Apesar de parecer simples, fugir do óbvio em Paris não é tão simples a não ser que você seja um ótimo caçador de tendências e achados únicos (aí compartilha com a gente, hein?). Para quem vai à Paris pela primeira vez, o “óbvio” faz parte do pacote e boa parte dele deve ser cumprido, para depois se jogar em programações menos conhecidas, mas nem por isso menos glamurosas, frequentada pelos parisienses. Como disse o dono do Le Baron “o centro de Paris é um museu, os franceses passam longe de lá”. Selecionamos algumas pérolas na cidade, umas novas e outras nem tanto (nem tanto mesmo).

Entrada do Jardim Anne Frank. Foto: http://traveltoeat.com
Entrada do Jardim Anne Frank. Foto: http://traveltoeat.com

Jardin Anne Frank – esse lugar é um achado e tanto. Pequeno, charmoso, calmo, mesmo estando ao lado do auê da Rue Beabourg, atrás do Centre Pompidou. O jardim foi inaugurado em 2007 e é um ótimo lugar para descansar do barulho da região ou para fazer um delicioso picnic sem pressa. O local dá de fundos ao museu Judaico. Fica no impasse Berthaud, ao lado da rue Rambuteau.

foto: http://www.leviaducdesarts.com/
foto: http://www.leviaducdesarts.com/

Promenade Plantée (ou Coullée Verte) – a high line de Paris. É um parque que se inicia em Bastille e foi construído sob a antiga linha de trem de Vincennes, desativada em 1969. O parque foi inaugurado em 1993, tem 4,5k, que atravessa quase todo o 12ème a partir da Place de la Bastille seguindo até as proximidades de Bois de Vincennes. Por ele passa o Viaduc des Arts, que fica a 10m de altura e onde passava uma linha de trem, assim como a High Line de NY, o parque suspenso foi reabilitado sobre uma antiga linha ferroviária. Alugue uma bicicleta para percorre-la de ponta a ponta. A parte mais bonita já é no final, em Bois de Vincennes. Só vale lembrar que a “high line” francesa foi construída antes da “high line” nova yorkina.

La Petite Ceinture – é uma ferrovia com cerca de 36km que circunda Paris, desativada desde o início dos anos 90. A vegetação tomou contas do trilhos, tornando-a um paraíso de biodiversidade. Aos poucos algumas áreas tem sido revitalizada, se transformando num “corredor” verde ótimo para longas caminhadas, o que permite um olhar diferente sob Paris. No final de 2013 foi aberto um novo trecho, completando 2,7km de área revitalizada aberta ao público. O trecho mais novo está no 15ème. Essa vale pesquisar e, se tiver tempo, ir atrás para conferir ao vivo.

Crédito foto: http://www.paris-lifestyle.fr/
Jardin Japonais – Crédito foto: http://www.paris-lifestyle.fr/

Jardin Japonais du Panthéon Bouddhique – o Panthéon Bouddique fica dentro do Museu Guimet e nele tem um jardim japonês, que super vale a visita. O  Museu Guimet tem uma das maiores coleções de arte asiática fora da Ásia. Lugar perfeito para quem quer sair fora do burburinho turístico e se deleitar um pouco com natureza e arte. Fica no 16ème – 6 Place d’Iéna, 75116 Paris, França – Tel. +33 1 56 52 53 00

Parc Buttes-Chamount - Crédito foto: bensliman hassan - Shutterstock.com
Parc Buttes-Chaumont – Crédito foto: bensliman hassan – Shutterstock.com

Parc des Buttes-Chaumont – um dos parques mais bonitos, mais íngrime e o quinto maior  de Paris. É totalmente fora do padrão dos parques parisienses misturando estilo inglês e chinês, foi construído em volta de um lago, é cheio de altos e baixos, tem gruta e cascata, além de uma ilha de pedra no meio do parque. Fica fora do burburinho turístico, acaba sendo mais frequentado por parisienses. Ficar no 19ème, 1 rue Botzaris (Metrô: Buttes-Chaumont)  ou rue Botzaris (Metrô Botzaris) – Aberto todos os dias, das 7h às 20h e durante o verão ficar aberto até às 22h. Vale a ida!

Vista do Parc Belleville - Crédito foto: cecoffman - Shutterstock.com
Vista do Parc Belleville – Crédito foto: cecoffman – Shutterstock.com

Parc de Belleville – oferece uma das vistas mais bonitas de Paris. Fica super escondido no 20ème, é o parque mais alto da cidade a quase 200m acima do nível do mar, tem um jardim lindíssimo, cascata de água de 100m nos seus 45.000m2. Aproveita para visita-lo quando for almoçar ou jantar no Baratin. 47 rue des Couronnes
75011 Paris

Para quem curte correr, fizemos um post no capricho com os 15 melhores lugares para correr em Paris, que você pode conferir nesse post.

Crédito foto: Ekaterina Pokrovsky - Shutterstock.com
Crédito foto: Ekaterina Pokrovsky – Shutterstock.com

Canal de Saint-Martin – ótimo lugar para bater perna, pois não faltam ótimas opções nos arredores como lojas, restaurantes e cafés. Aproveite para ir à boulangerie Du Pain et Des Idées, tomar café na Maison de L’Architecture, que fica num antigo convento aos fundos de um parque, ou no Ten Belles (café bem estilo Brooklyn), visitar a loja descolada multimarca Centre Commercial, fazer picnic no Jardin Villemin, entre diversas outras opções. Incluímos uma seção Canal Saint-Martin no mapa com algumas sugestões.

Cinéma du Panthéon – o sótão do cinema foi decorado por Catherine Deneuve e Christian Sapet, transformando o espaço numa grande sala cheia de estilo. No café você poderá ter a sorte de cruzar com a própria Catherine Deneuve tomando um café e fumando. 13 rue Victor Cousin 75005 Paris – ao lado da Sorbonne, no 5ème

Bibliothèque Forney - Foto: wikimedia.org
Bibliothèque Forney – Foto: wikimedia.org

Bibliotèque Forney – fica num hotel particulier às margens do Rio Sena. O acervo é especializado em arte e arquitetura. 1 Rue du Figuier, 75004 Paris, França – 4ème

Junku – uma livraria especializada em literatura e quadrinhos japonês. Como disse nosso amigo Domingos, não se preocupe caso você não entenda nada de japonês, é só passar a mão nas páginas que você saberá do que se trata. Enfim, vale a visita para quem adora revistas diferentes e mangá. Fica ao lado do Palais Royal na 18 rue des Pyramides, Paris, 75001.

PARA COMPRAR

Paris é o paraíso das compras e há ruas específicas para todos os estilos e bolsos, já que todas as grandes marcas de fast-fashion estão na capital francesa. Outra coisa boa que Paris oferece são os grande magazines, mas cuidado, muitos deles são verdadeiros shows de horror e difícil sair de lá sem estar estressado. Mas dos grandes magazines a gente não precisa falar muito, afinal eles também estão em todos os guias da cidade.

De uns tempos para cá (após a grande crise econômica que se instalou por lá), os franceses passaram a consumir e a incentivar mais marcas nacionais, não só as conhecidas, mas também marcas lideradas por pequenos designers. E talento não falta aos franceses quando se trata de moda e design. Por isso ao andar em Paris, olhe menos para o celular e repare em volta para descobrir novas marcas pulsantes e velhas marcas se renovando. Paris está ficando jovem.

Bon Marché – o único magazine da nossa lista, mas nem precisa ir lá para comprar, andar pelo Bon Marché é um programa por si só e a gente adora. Além da ótima seleção de marcas, vale conferir a área de saldões, que sempre tem bons achados. E a qualidade do serviço é a de antigamente, impecável. Conta com uma das melhores épicerie da cidade, com mais de 5.000 produtos diferentes, dos 4 cantos do planeta. 24 rue de Sèvres 75007 Paris – Metrô Sèvres Babylone, no Rive Gauche

Centre Commercial – loja multimarca de roupas e sapatos, com uma seleção incrível e de super bom gosto, de produtores locais e/ou eco e socialmente responsáveis. Um exemplo são os tênis New Balance que são vendidos por lá, mas somente os fabricados na Inglaterra. Os preços são, na maioria, acessíveis e o atendimento é ótimo. 2 Rue de Marseille, 75010 Paris, França

Broken Arm - Crédito foto: http://hipparis.com/
Broken Arm – Crédito foto: http://hipparis.com/

The Broken Armloja conceito e um respiro escandinavo em Paris com marcas bacanas como Carven, Raf Simmons, Kenzo, além de abrigar um ótimo café (imperdível). 12 rue Perrée, Paris – 3ème

French Trotters
French Trotters

French Trotters – também loja conceito super bonita com uma boa seleção de roupas e produtos, incluindo móveis, revistas, artigos para banho, escolhidos a dedo de designers de lugares como Dinamarca, Brasil, Índia e França. Vale uma visita mesmo que seja apenas para passear pelos seus chiquérrimos 200m2.  A loja é comandada pelo casal Carole e Clarent Dehlouz. 128 rue Vieille du Temple, Paris – 3ème

herold_boutique_002
L’Eclaireur

L’Éclaireur – loja multimarca com uma seleção impecável de designers e artistas. A loja foi aberta em 1980 e foi a primeira a levar nomes como Dries Van Noten e Ann Demulemeester à Paris. A loja é uma surpresa, vale a visita. 10 Rue Hérold, 75001 Paris, França

Outras lojas para colocar na lista, pesquisar mais e, se tiver tempo, ir atrás: a loja conceito Babel, no Canal Saint-Martin; a marca francesa Sessùn, na 34 rue de Charonne; as mutlimarcas Merci, que tem uma ótima seleção de design para casa, roupas, cosméticos entre outros produtos assinados por designers super selecionados; passar vontade na Colette, que sempre valem a visita, mesmo sendo para flanar ou comprar uma lembrança, a seleção de revistas é sempre incrível; a hispter Pigalle , na 7 rue Henry Monnier; Surface to Air, que nos abandonou aqui no Brasil, mas continua a mil em Paris agora com 2 lojas, na 22 rue de Grenelle e original na rue Vieille du Temple; o brechó Kiliwatch, que tem uma ótima seleção dos anos dourados, na 64 Rue Tiquetonne, 2ème; no número 12-16 da mesma rua, tem também outro brechó vintage, o Episode.

Vale bater muita perna na rue des Francs-Borgeois de ponta a ponta (é curta) e a rue des Rosiers, pois tem muitas opções de marcas e lojas bacanas para explorar. Além disso, vale também gastar um dia andando pelas ruas do Marais só para compras, pois surpresas não faltam.

Não deixe de visitar a loja da marca australiana de cosméticos Aesop, pertinho da Colette na 256 rue Saint Honoré, ou a que fica no Marais, na 64 Rue Vieille du Temple, além de outras sendo abertas espalhadas pela cidade. Os cremes e o conceito da marca são ótimos. Vale conhecer.

Para quem adora H&M, não deixe de ir visitar as marcas-irmãs COS, super minimalista, que agora conta com 4 lojas e Paris (tem uma na 4 Rue des Rosiers), e na Other Stories, marca trendy e jovem, na 277, rue Saint-Honoré.

Para comprar dermocosméticos a boa pedida são as farmácias, em especial a City Pharma, que fica na 26 rue du Four, em Saint German (6ème) e tem os melhores preços da cidade ou a Pharmacie des Archives a Paris, na 2 rue des Archives.

ONDE TOMAR UM BOM CAFÉ

Paris está mudando de ares em relação ao tradicional café francês, trazendo uma nova roupagem com influências dos cafés descolados de Williamsburg e, por que não, San Francisco. Ao invés dos “velhos” pinguins mal-humorados no atendimento, no balcão passamos ter talentosos baristas, que trazem mais qualidade aos cafés bem tirados e mais variados.

Os novos cafés em Paris são grandes pontos de encontro de um público mais jovem e local, por isso fique de olho, pois eles não param de surgir e, cada um, com suas peculiaridades.

Selecionamos alguns imperdíveis para que você deixe de lado a má fama do “café francês” e se aventure nos novos:

Coutume – aberto em 2011, eles levam o café bem a sério, torrando-o na hora. O atendimento é impecável, ainda oferecem wi-fi gratuito e comidinhas. Tem um ar meio parecido com o do Four Barrel, em San Francisco. 47 Rue de Babylone, 75007 Paris – Recentemente se associou ao Institut Finlandais, abrindo um café no fundo do instituto, o Coutume Institute, 60 Rue des Écoles, 75005 Paris, França

cafepinson

Café Pinson – perfeito para quem prefere alimentação sem glúten, vegetarianas e orgânicas acompanhada de um bom café ou sucos. Oferecem brunch aos domingos, mas é necessário reservar. Também é possível almoçar ou jantar por lá. 6 rue de Forez  (10ème)- tel 09 83 82 53 53. A segunda loja abriu recentemente na 58 rue du Faubourg Poissonière e virou ponto de encontro de blogueiras de moda, trajadas na maioria com Nike fluo, casaco Carven, bolsa Céline um macbook a tiracolo.

Sugar Plum Cake Shop– no 5ème, café que virou ponto de encontro de estudantes das faculdades do Quartier Latin. Tem super tortas e bolos à la americana.  68 Rue du Cardinal Lemoine, 75005 Paris, França

Bob’s Juicy Bar – já sugerimos fazer uma visita quando for ao Canal Saint-Martin. Agora reforçamos a sugestão, que oferece um café bem tirado, além de ser uma boa opção para um bom detox com sucos, saladas, sanduíches, bagel feito por eles. A cozinha é vegetariana. 15 rue Lucien Sampaix, 75010

Craft - Crédito foto: Kirszenbaum Yatzer
Craft – Crédito foto: Kirszenbaum Yatzer
Café Craft – o café tem um design super modernoso e minimalista, com um ar escandinavo na decoração, com boas opções de bolos doces e salgados, além de um capuccino incrível. Eles dizem servir o melhor café de Paris, utilizando grãos torrados pelo Café Lomi. 24 rue des Vinaigriers – 10ème
Ten Belles –  Thomas Lehoux é uma estrela na cena dos baristas parisienses e é uma das pessoas por trás do hip Ten Belles, na região do Canal Saint-Martin. Os grãos são do Télescope. Os sanduíches, tartines e cookies são das chefs Quillet e Trattles, do Le Bal. Lugar perfeito para pegar um café, um sanduíche e ir almoçar no canal.
10 rue de la Grange aux Belles, 10ème.
The Broken Arm Café - foto http://hipparis.com/
The Broken Arm Café – foto http://hipparis.com/
Broken Arm Cafe – caso visite a loja, não pense duas vezes em experimentar esse adorável café, tirado por excelentes baristas, considerado por muitos um dos melhores cafés de Paris. Caso queira comer algo, vá de cheesecake. 12 rue Perrée, Paris – 3ème
Teléscope
Teléscope
Teléscope – é um pequeno café super charmoso, com design minimalista, no 1ème. O Teléscope é comandado pelo fotógrafo Nicolas Clerc e o barista David Flynn, formado pelo Le Bal e que já foi barista particular do David Lynch. 5 rue Villedo – 1ème
L’Anticafé – para quem procura um canto para trabalhar, esse café funciona como um espaço de coworking, em que você paga por hora (4 euros a primeira hora, 3 euros a segunda ou 14 euros para passar o dia por lá). E no valor estão inclusos comidinhas e café. 79 rue Quincampoix, Paris – 1ème
Cafe Le Chats - foto: http://meinkat.com/
Cafe des Chats – foto: http://meinkat.com/
Le Café des Chats – esse é para quem não desgruda do gato, pois o café aceita que você vá acompanhado do seu animal de estimação. Achamos a proposta inusitada. 16 Rue Michel le Comte, 75003 Paris, França

Café Kitsuné – que acabou de abrir as portas e é a nossa aposta de lugar que irá bombar no próximo verão. 51 Galerie de Montpensier 75001 – Paris, dentro do Palais Royal

Além desses, coloque também os café abaixo na lista:

Kooka Bora – 53 ave Trudaine, Pigalle, Paris – 9ème
Cafe Lomi –  3 ter rue Marcadet, Paris – 18ème
Marcovaldo – 61 rue Charlot, Paris – 3ème
Sésame – 51 Quai de Valmy, 75010 Paris – 10ème – pertinho do Canal Saint-Martin
Helmut Newcake – serve comidinhas sem glúten, também fica pertinho do Canal Saint-Martin – 36, rue Bichat
Tuck Shop – 13 rue Lucian Sampaix

Para descobrir mais, vale a pena bater perna na região das ruas des Vinagriers e Lucien Sampaix, que tem aberto novos lugares o tempo todo nos últimos tempos: Holybelly, La Liberté, Jules et Shim, The Sunken Chip, só para citar alguns.

*Esse guia foi feito em 2014. Sugerimos consultar o funcionamento dos locais antes de visitá-los.

Data

20 de January, 2014

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter