Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

12 horas em São Paulo: o que fazer na região dos Jardins

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

12 de March, 2016

Share

Apresentado por

São Paulo é uma cidade bem complexa na hora de selecionar o que fazer em 12 horas, pois há muito para ver, fazer e curtir. A cidade agrada a gostos distintos e, por isso, cada bairro tem um perfil de público. Fizemos um guia de bairro para curtir 12 horas sem precisar sair dele. Então vale dar uma conferida aqui, aqui, aqui e aqui e ver qual é mais a sua cara, lembrando apenas que é um guia para não-iniciados na cidade.

O Jardim Paulista, uma das regiões centrais da cidade, ficou de fora, então é nele que vou focar, mas com uma esticada até a Bela Vista, que não pode ficar de fora e está completamente integrada aos Jardins. Mas antes vale a pena uma rápida viagem ao século 16 para entender um pouco o bairro em que moro na cidade. Na época, os Jardins, como é carinhosamente chamado, era apenas um caminho para o Ibirapuera. Depois a região passou a ser procurada por fazendeiros que buscavam terra para cultivar chá, tabaco e uva. Nessas compras de terras acontecendo pra cá e pra lá, elas acabaram parando nas mãos das famílias Pamplona e Paim, que batizaram a região com o nome de Jardim Paulista. Pamplona virou nome de rua e se manteve nos Jardins, enquanto Paim, que também é uma rua, foi deslocada para a Bela Vista.

E o que fazer por aqui durante um dia inteiro? Coisas não faltam. O guia está mais direcionado a pessoas que não são de São Paulo, ou seja, não há nele grandes achados que acabamos fazendo no dia a dia. Você pode também conferir o guia cultural da região dos Jardins aqui;

Manhã

O Jardim Paulista tem uma boa lista de padarias para um ótimo café da manhã e, por um bom tempo, elas eram a regra. Agora temos bons cafés, além de alguns hotéis que oferecem brunches imperdíveis.

kayakafe

O Kaya Kafé faz parte dos café descolados que surgiram nos últimos tempos na cidade. O lugar fica escondido numa pequena vila encravada no meio da rua Augusta. Começou com uma cozinha vegetariana e hoje já vai um pouco além dela, mas o Kaya prima por alimentos saudáveis, além de também ter uma boa seleção de grãos de café, preparados como você preferir: espresso, filtro, prensa. No café da manhã, há pães, ovos, iogurte caseiro com granola, frutas e uma porção de guloseimas e sucos refrescantes. O lugar é também bem agradável e arejado.

Kaya Kafé. Rua Augusta, 2052. Tel: 11 3062-3464. Horários: Segunda à sexta, das 11 às 19h; sábado, das 11 às 17h.

EMILIANO

Caso você queira se deleitar com um brunch dos deuses, o melhor da região é o do Hotel Emilianoaos finais de semana. O preço é salgado, R$ 195 + 13% de imposto, mas vale cada centavinho. Ele é dividido em couvert, café da manhã, entradas, prato principal, sobremesa e é regado a espumante. Para um pré-festival ele é perfeito, emendando a programação. Rua Oscar Freire, 384. Tel: 11 3069-4369. Necessário reservar.

Algumas opções de cafés na região: PAOSanto Grão, Suplicy, Lilóri (só produtos sem glúten e sem lácteos), uma das padarias mais tradicionais da cidade, a Galeria dos Pães. Na Av. Paulista tem o Lina Café, ótimo lugar para quem adora um café bem preparado com grãos selecionados; a Padaria da Esquina, que oferece ótimas opções de café da manhã apenas com receitas portuguesas; e o Urbe Café.

Andar pela Av. Paulista virou um programão. Caso seja domingo, melhor ainda, já que ela fica fechada para carros e dá até para montar um kit praia e seguir pra lá. Por que não? É ótima para pedalar em qualquer horário e qualquer dia, já que sua ciclovia é uma das melhores da cidade. O roteiro pode variar de acordo com interesses, como compras, arte e design.

ouro1

A Rua Augusta e suas perpendiculares são cheias de lojas de roupas, acessórios, livrarias, revistarias e por aí vai. Qualquer coisa que se procure em São Paulo, é possível achar na região. Uma das grandes atrações da área é a Galeria Ouro Fino, repleta de lojas de marcas independentes espalhadas em 4 andares. A galeria foi aberta ainda na década de 70 e serviu de celeiro de estillistas que vieram a despontar posteriormente nas semanas de moda ou mesmo ganhando maior espaço em lojas de shopping centers. Atualmente são 110 lojas incluindo estúdios de tatuagem, salões de beleza, escritórios e cafés. É sempre um lugar agradável para passear. Rua Augusta, 2690. Tel: 11 3082-7860. Horários: Segunda a sábado, das 10h às 20h

gallery-sp-03-02

A Galeria Melissa é flagship da marca no meio da rua Oscar Freire. Além da coleção, que é sempre irresistível, o que eu gosto mesmo é da área externa que justifica o nome “galeria”, sempre trazendo artistas ou estilistas para intervenções no espaço. Por li já passaram Jason Wu, Karim Rashid, Irmãos Campana, entre outros. Quem mora em São Paulo nem sempre presta atenção, mas a loja merece um carinho especial. Rua Oscar Freire, 827. Horários: Segunda à sexta, das 10h às 19h. Sábado, das 10h às 17h.

Mas a boa pedida mesmo da Avenida Paulista é o roteiro cultural que tem sido cada vez mais melhor. Depois do café da manhã o Instituto Moreira Salles (IMS Paulista) é puro deleite com suas ótimas exposições sempre focadas na fotografia. O prédio que o abriga é uma atração a parte e é hoje um dos pontos mais fotografados da região. Não deixe de visitar a livraria Travessa, que fica na área do café Balaio no 5º andar. O acervo é focado em livros de arte e fotografia, mas tem também uma ótima curadoria de literatura contemporânea. Av. Paulista, 2424. Horários: Quarta a domingo, das 10 às 20h. Entrada gratuita.

Almoço

Restaurante Balaio, no IMS Paulista. Foto: divulgação
Restaurante Balaio, no IMS Paulista. Foto: divulgação

No térreo do IMS Paulista tem o ótimo Balaio, restaurante capitaneado pelo chef Rodrigo Oliveira (Mocotó). O menu é todo dedicado à culinária brasileira apresentada de maneira bem contemporânea. Para os carnívoros a paleta de cordeiro com baião de dois cremoso. Já para os vegetarianos o meu favorito da casa, angu de fubá caipira com ovo poché, vegetais e queijo. Outra estrela da casa são os coquetéis e as sobremesas. As mesas são, na maioria, compartilhada. Não se acanhe com as costumeiras filas, pois a espera costuma ser rápida. O preço médio dos pratos é R$ 55. Av. Paulista, 2424. Horários: Terça e quarta, das 12 às 15h e das 19h30 às 23h; quinta e sexta, das 12 às 23h; sábado, das 12 às 17h e das 19 às 23h; domingo, das 12 às 17h.

Uma outra boa opção nos arredores é o Jiquitaia, restaurante simples, mas arrumadinho com cozinha variada de inspiração brasileira. Quem gosta de peixe pode experimentar sem medo a ótima moqueca de peixe do dia com camarão. O cardápio é enxuto, com preços justos. No andar de cima há um ótimo bar para tomar um drink à noite. Rua Antonio Carlos, 268. Tel: 11 3262-2366. Horários: Segunda a sexta, das 12h às 15h; Terça a sexta, das 12 às 15h e das 19h às 23h30 e Sábado, das 12 às 17h e 19 às 23h30. O bar funciona de terça a sábado, das 19 às 2h.

Outras opções: o Micaela e o Capim Santo para se deleitar com a comida brasileira contemporânea, o La Peruana Cevicheria para um almoço refrescante, o Sal Gastronomia para impressionar alguém; Le Jazz Brasserie para comidinha de bistrô francês sem gastar muito, o Le Vin Bistro para comida francesa pra botar a mão no bolso; o Tomyam para um ótimo almoço tailandês; o Kouzina para um almoço grego; o The View para um almoço com vista. Para quem não resiste a um bom restaurante asiático, a área da Av. Paulista abriga alguns dos melhores da cidade: o Pub Kei, apesar de ficar dentro um mini shopping center, ele surpreende com a tradicional comida japonesa de izakaya (é um pouco caro); o Aizomê para impressionar alguém (só menu degustação, mas tem almoço executivo); o concorrido e estrelado Kan Suke pra fazer você se sentir no Japão (o menu degustação é a melhor pedida e é necessário reservar); o coreano Bueno.

Tarde

FOTO: PAOLO GASPARINI_INSTITUTO LINA BO E P. M. BARDI_1968
Foto: Paolo Gasparini – Instituto Lino Bo e P.M. Bardi / 1968

A coleção do museu MASP abriga a arte do século 4 a.C. a 2008. Por lá sempre boas exposições, além de ser o cartão postal da Av. Paulista com sua arquitetura emblemática assinada pela Lina Bo Bardi. Av. Paulista, 1578. Tel: 11 3149-5959. Horários: Terça a domingo: 10h às 18h (bilheteria aberta até às 17h30) e Quinta-feira: 10h às 20h (bilheteria até às 19h30). Ingressos: R$ 25 (inteira) e R$ 12 (meia). Gratuito às terças.

Mirante 9 de Julho. Foto: Divulgação
Mirante 9 de Julho. Foto: Divulgação

Saindo do Masp, desça qualquer uma das duas ruas laterais para o Mirante 9 de Julho, que fica escondido na frente da rotatória. O Mirante é um espaço que abrange várias frentes: arte, música, cinema e comida. O Mirante atualmente abriga uma loja do Suplicy Café e um pequeno restaurante. Nos finais de semana costuma ter programação com música. É um bom lugar para trabalhar remotamente, pois o wi-fi costuma funcionar bem. Rua Carlos Comenale, s/nº. Horários: Terça a domingo, das 10h às 22h. 

Casa das Rosas. Foto: Dirceu Rodrigues
Casa das Rosas. Foto: Dirceu Rodrigues

Para uma boa digestão vale alugar uma bicicleta e dar um rolê pela avenida Paulista em direção ao Paraíso até o nº 37, onde fica a Casa das Rosascasarão dos anos 1930 construído pelo escritório do arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo, que projetou também a Pinacoteca e o Theatro Municipal. A Casa das Rosas é uma mansão em estilo clássico francês com 30 cômodos, edícula, jardins e até um pomar, em meio ao caos da avenida Paulista. Desde 2004 o espaço abriga exposições, oficinas, cursos e mostras diversas envolvendo cinema, música, tudo ligado à literatura. Por lá também rolam lançamentos de livros, apresentações literárias, saraus, peças de teatro. Vale dar uma passeada pela casa, ver a exposição que estiver rolando e até sentar no café, que fica no jardins aos fundos, para uma taça de vinho. Av. Paulista, 37. Tel: 11 3285-6986. Horários: Terça a sábado, das 10h às 22h; Domingos e feriados, das 10h às 18h.

Itaú Cultural. Foto: divulgação
Itaú Cultural. Foto: divulgação

Continuando a “sessão inspiração”, visite o Itaú Cultural, que também costuma ter ótimas exposições, peças de teatro, shows, mostras, cursos e bate-papos. Sempre terá algo para fazer por lá. Toda quinta-feira tem o “Quintas musicais”, com shows de artistas nacionais. Av. Paulista, 149. Tel: 11 2168 1777. Horários: Terça a sexta-feira, das 9h às 20h; Sábado e domingo, das 11h às 20h. Entrada gratuita.

sesc paulista, avenida paulista
Sesc Paulista – foto: Matheus José Maria/Sesc

O renovado prédio de 17 andares do Sesc Av. Paulista foi reinaugurado em 2018 após 8 anos de reforma. Oferece várias atividades, muitas delas gratuitas, tem uma ótima biblioteca onde é possível trabalhar sem ser perturbado, duas galerias de arte sempre abrigando ótimas exposições. Tem um café no terraço do último andar onde se tem uma das melhores vistas da Av. Paulista. A parada por ali é obrigatória. Av. Paulista, 119. Horários: Terça a sábado, das 10 às 22h; domingo, das 10 às 19h.

Em frente ao Sesc Av. Paulista tem a Japan House, a primeira de três Japan Houses do mundo. É uma boa oportunidade para mergulhar um pouco nessa cultura tão peculiar que é a japonesa. O espaço abriga uma biblioteca apenas com livros sobre o Japão, uma lojinha e café, exposições e restaurantes pop-up.

Frank Bar: Slider Hooligan + Clover Leaf
Frank Bar: Slider Hooligan + Clover Leaf

Hora de parar para tomar um drink e relaxar. Considerado um dos melhores bares de coquetelaria de São Paulo, o Frank Bar fica no saguão do Hotel Maksoud Plaza e é um clássico bar de hotel. Pequeno, aconchegante, com luz baixa e comandado pelo Spencer Jr., um dos melhores e mais premiado bartenders do país. Experimente os clássicos ou vá nos drinks criados especialmente para o Frank. Também há algumas opções de petiscos. Qualquer coisa que pedir na casa, pode ter certeza que não haverá erro. Alameda Campinas, 150. Tel: 11 3145-8000. Horários: Segunda a sábado, das 18h às 2h. Domingo, das 18h à 0h.

Jantar

Que tal jantar acompanhado de ótimos drinks, ver pessoas interessantes e com uma trilha sonora boa por trás? Alguns lugares oferecem tudo isso!

Spot. Foto: Divulgação
Spot. Foto: Divulgação

O Spot é um dos restaurantes mais concorridos de São Paulo desde que abriu suas portas em 1994. Ele fica numa grande área aberta atrás de um prédio comercial na avenida Paulista. Até a espera, que costuma ser longa caso não tenha reservado uma mesa, é uma boa parte da programação. Pode-se optar por ficar no balcão interno ou no jardim na área externa (minha favorita) tomando drinks e petiscando algumas delícias do cardápio, como a terrine de queijo de cabra e legumes ou os cogumelos à provençal. Os coquetéis também são feitos com maestria. Entre os pratos principais há saladas, massas, carnes e peixes. O penne oriental é um dos mais elogiados da casa. Rua Ministro Rocha Azevedo, 72. Tel: 11 3283-0946. Horários: Segunda a sexta, das 12h às 15h e 19h30 à 1h; Sábado, domingos e feriados, das 12h às 17h e das 19h30 à 0h.

Riviera Bar. Foto: Studio MK27 -Rômulo Fialdini
Riviera Bar. Foto: Studio MK27 -Rômulo Fialdini

Quem também quiser espiar São Paulo enquanto come, pode optar pelo Riviera Bar, que já foi um clássico no fim dos anos 1940, e reabriu suas portas em 2013. O restaurante traz pratos clássicos de bares paulistanos com toque contemporâneo e drinks tradicionais bem preparados. O projeto arquitetônico, assinado por Marcio Kogan, traz curvas de tijolo de vidro na fachada possibilitando ver São Paulo acontecendo do outro lado. No térreo, há um bar com um sinuoso balcão vermelho, de onde se vê todas as pessoas que estão no local. Às sextas-feiras, tem sempre show de jazz ao vivo, às 21h em ponto. No Riviera, dá para embalar a noite no bar no andar inferior madrugada adentro. Av. Paulista, 2584. Tel: 11 3258-1268. Horários: Quarta, das 18 à 0h; quinta e sexta, das 18 às 3h; sábado, das 18 à 0h. Não abre aos domingos, segundas e terças-feiras.

O jardim do Chez Oscar. Foto: divulgação
O jardim do Chez Oscar. Foto: divulgação

O Chez Oscar fica no coração dos Jardins, na rua Oscar Freire. O espaço é amplo com decoração rústica-contemporânea. No cardápio há saladas, massas, carnes, risotos, peixes, sanduíches e também ótimos drinques. Não deixe de experimentar a polenta cremosa acompanhada de molho tapenade de entrada. Nos pratos principais, as boas pedidas são nhoque rústico (gordo, mas extremamente saboroso), polvo na chapa (um dos melhores da cidade) e os risotos. O steak tartare também é feito caprichosamente. Caso tenha opção, pegue uma mesa no jardim externo. Quem já quiser esticar dali mesmo, confira a programação do Bar de Cima, que fica no último andar do restaurante e sempre tem uma boa programação musical. Rua Oscar Freire, 1128. Tel: 11 3081-2966. Horários: segunda a sábado, das 12 à 1h; domingo, das 12 às 22h.

Mapa

Editado em 28 de dezembro de 2018

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

12 de March, 2016

Share

Apresentado por

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

Comentários

  • ? Lalai Persson

    - Le Vin Bistro

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.