De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

As boas do carnaval de rua no Rio de Janeiro em 2019

Quem escreveu

Kamille Viola

Data

25 de February, 2019

Share

Um dos mais amados, o bloco hoje é uma lenda do carnaval carioca, desfilando por horas seguidas. O Boitolo só divulga hora e local de saída na véspera. No ano passado, se dividiu em vários cortejos simultâneos, para diminuir a muvuca.
Boitolo
Concentração: às 7h, locais a serem divulgados

Bloco fundado por mulheres lésbicas, que faz releituras de Madonna a É o Tchan, passando por Letrux.
Toco-Xona
Concentração: às 10h, na Praia do Flamengo 340 (campo de terra). Trajeto: Parado

Cordão do Boitatá. Foto: Gabriel Monteiro/Riotur

O desfile acontece no fim de semana anterior. No domingo de carnaval, é a vez do baile multicultural do bloco, com um palco montado na Praça XV. No repertório, samba e marchinhas. Está fazendo financiamento coletivo para bancar a festa.
Cordão do Boitatá
Concentração: das 11h às 17h, na Praça XV, Centro

Um dos mais tradicionais da Zona Sul, desfila com samba próprio. As cores do bloco, amarelo e roxo, são homenagem a um famoso remédio para ressaca.
Simpatia é Quase Amor
Concentração: às 14h, na Rua Teixeira de Melo (altura da praia), Ipanema. Trajeto: Rua Teixeira de Melo e Avenida Vieira Souto até a Henrique Dumont

O bloco é dedicado ao cantor Raul Seixas: suas músicas ganham releituras em diversos ritmos carnavalescos, como frevo, maracatu, samba, marchinha, afoxé e ijexá.
Toca Rauuul
Concentração: às 14h, na Praça Tiradentes, Centro

Bloco formado por mulheres lésbicas. O repertório tem axé, MPB, carimbó, funk, pop e rock.
O Rebu
Concentração: às 15h (o local será divulgado no dia)

Os sambas do bloco sempre exaltam o Bairro de Santa Teresa, por onde ele desfila.
Badalo de Santa Teresa
Concentração: às 15h, na Rua Monte Alegre, 306 (em frente ao Centro Cultural), Santa Teresa. Trajeto: segue pela Rua do Oriente, Rua Progresso até dispersar no Largo das Neves

Fundado em 1951, dois anos depois do bloco baiano homônimo (que o inspirou), o cortejo afro tem repertório de ijexá.
Afoxé Filhos de Gandhi
Concentração: às 17h, Praça da Harmonia, Gamboa. Trajeto: Rua Sacadura Cabral, Rua Camerino e Praça dos Estivadores

A roda de samba do Cacique revelou ninguém menos que Zeca Pagodinho e o grupo Fundo de Quintal. Criado há 58 anos, é bloco de desfile, sempre com temática indígena. Vale ensaiar os clássicos “Caciqueando”“Água na boca”. Desfila de domingo a terça.
Cacique de Ramos
Concentração: às 17h, na 
Avenida Chile, Centro

O bloco de Vila Kosmos, na Zona Norte, se inspira nas mais diversas manifestações culturais brasileiras e latinas.
Charanga Talimã
Concentração: a ser divulgação na véspera

* Foto do destaque: Simpatia É Quase Amor por Fernando Maia/Riotur

Quem escreveu

Kamille Viola

Data

25 de February, 2019

Share

Kamille Viola

Kamille Viola é jornalista cultural, apaixonada por música, comida e viagens. Adora mostrar cantos menos conhecidos do Rio para quem vem de fora - e quem é da cidade também. É daquele tipo de gente para quem escrever não é uma escolha: é a única opção.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.