Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Natura no SXSW

A Natura participou do Festival SXSW, maior evento de economia criativa do mundo, fazendo parte do movimento #BrazilInspiresTheFuture.

Manágua, a capital da Nicarágua

Quem escreveu

Rê no Rolê

Data

02 de April, 2018

Share

O tempo tá passando rápido e me dei conta de que não dediquei nenhuma linha a Manágua, a caliente capital da Nicarágua. Todos os blogs e guias que li dizem que a cidade não oferece nada e não recomendam perder tempo por aqui. Bullshit. Como qualquer capital de qualquer país de qualquer planeta, você pode encontrar beleza em meio à sujeira, encanto pairando no caos, e pelo menos um bar que vale a pena. Então vim ver a capital da Nica por 24 horas pra sentir qual é.

Reservei uma cama no Backpackers Inn, no bairro Los Robles (zona bem segura onde estão todos os hostels e ao lado do Metrocentro, um centro comercial), por 10 dólares com café da manhã (panquecas com geléia e café) e fui para o rolê ver a cidade.

Managua, Nicarágua. Foto: Renata Lopes

Manágua é uma cidade agressiva, bem suja, bem quente e seca nessa época do ano que não chove. Às 11h da manhã estava fazendo 36 graus e eu tava andando debaixo do sol nas ruas sem sombra nem árvores. País subdesenvolvido é assim: corta todas as árvores para ver se melhora o clima. Qualquer semelhança com São Paulo não é mera coincidência. Com um milhão e meio de habitantes na área metropolitana – que inclui os municípios de Ciudad Sandino, El Crucero, Nindirí, Ticuantepe e Tipitapa – Manágua se tornou a capital do país em 1852, pondo fim à rivalidade entre Granada e León que brigavam pelo posto. Suas avenidas têm 2 ou 3 pistas sem calçada, praticamente não vi faixa de pedestre, e a preferência aqui é sempre do automóvel. Ninguém para pra ninguém, não. Nas rotundas, não tem onde atravessar e você fica debaixo do sol fritando até que, com sorte, rolam aqueles 10 segundos sem carro vindo e é possível cruzar. Vi menos carroça em Manágua do que no departamento de Rivas, que é mais rural, e os catadores de lixo têm uma caçamba acoplada a um trator. Bicicleta na rua, não vi nenhuma em 24h.

Palacio Nacional da Cultura, Managua, Nicaragua
Palacio Nacional das Culturas, Managua, Nicaragua. Foto: Renata Lopes

Visitei o Palácio Nacional das Culturas, que fica na Praça da Revolução. O ingresso custa 150 córdobas (5 dólares) e o tour é feito pelas salas do térreo. É possível ver a cronologia histórica, com informações sobre geologia, colonização e cultura atual da Nica, um país jovem geologicamente, um dos últimos a emergir no istmo da América Central, um país de vulcões e muita água. Me encantei pelas cerâmicas dos povos nicas de diversas épocas, além das pinturas, esculturas, o retrato dos povos indígenas do Caribe (creoles) e o güegüense, o personagem teatral mestiço que unifica a identidade nica, mesclando as culturas do índio, do branco e do preto. Brasil e Nicarágua, tudo a ver. O 2º andar do palácio é uma biblioteca e, sem dúvida, a visita já vale o rolê. Arrisco dizer que é o melhor programa cultural da capital!

De lá caminhei até o Puerto Salvador Allende, que fica no Lago Xolotlán, conhecido como Lago de Manágua. Antes era uma área abandonada e perigosa e agora está revitalizada e bem frequentada, com restaurantes e quiosques que recebem as pessoas no fim de semana. Paga-se 5 córdobas por pessoa para entrar no “complexo turístico”, com vista para as montanhas e vulcões do norte.

Managua, Nicaragua. Foto: Renata Lopes
Managua, Nicaragua. Foto: Renata Lopes

À noite peguei um busão (10 córbodas, ou R$ 1), que era uma van entupida, e fui grudada no cobrador e pendurada na porta, quase caindo para fora. Se fosse em São Paulo eu não consideraria entrar numa van tão lotada e esperaria a próxima. Mas aqui o improvável é sempre possível, e o que me impressiona aos olhos nicas é super normal. Fui ver o Marvin Lover tocar, um violinista de Masaya que eu conheci em Gigante, que tocou na praça de alimentação do Galerías, um shopping horizontal a céu aberto onde se pode fumar, com todas as lojas e marcas que você pode querer, a preços “americanos”. Tocar para a plateia que não tá prestando atenção deve ser muito mala. Sempre fico com raiva das pessoas quando elas não aplaudem os músicos. Mas paga-se bem no shopping e músico vive de tocar. O show foi, como sempre, lindo e eles fizeram uma versão de Take Five de tirar o chapéu (violino, violão e sax) e tocaram Garota de Ipanema em minha homenagem.

Depois pedi para eles me deixarem no Ron kon Rolas (pode rir com a sua mente suja, mas “rolas” são canções em espanhol), bar de rock que tem música ao vivo quase todos os dias, menos na noite de terça, quando rola o karaokê. Curti o lugar, tem vários ambientes, decoração roqueira, dá para conversar, cerveja a 43 córdobas e comida. Se eu morasse em Manágua, esse seria o meu bar. Lá conheci um grupo que estava comemorando aniversário e me convidaram para ir para outro bar. Apesar de ter acordado super cedo e estar cansada, a vibe de “a festa nunca termina” prevaleceu e fui com eles ao Plaza 101, uma rua com várias baladas que ficam abertas quando os demais bares já fecharam. Fomos num bar chamado Mangos e em outro chamado 95 grados. Na rua tem também o 180 grados, o 360 grados e um bar chamado Re… dos que eu lembro ter visto. Diversão garantida, muito reaggaton e, claro, funk carioca para a mulherada rebolar. Bum bum tan tan, quando ela mexe com a bunda no chão… vai vai vai bum bum tan tan…. sabe que essa temporada de Centro América tá me fazendo gostar mais de funk carioca… e ver que não somos assim tão pornográficos, porque as músicas em espanhol têm letras ainda mais sujas, como “chupa la cachimba, rasga la cachimba”, sendo a cachimba a genitália feminina. Quando não se tem nada, ainda se tem sexo como entretenimento gratuito. País pobre é país superpovoado. Lá pelas 2h da manhã os meninos me deixaram no hostel e até que para uma terça-feira numa cidade pequena, não tá ruim.

Grafite em Managua, Nicaragua
Grafite em Managua, Nicaragua. Foto: Renata Lopes

A capital da Nica é um lugar difícil, mas confesso que estava com saudade da vibe urbana, ver grafite nos muros, barulho de buzina, gente com pressa para chegar em algum lugar, várias opções de bar e balada. Quem consegue ver beleza em um lugar como São Paulo (e eu sempre vi a beleza no caos), pode facilmente encontrar atrativos em um lugar duro como Manágua. Vou embora daqui com a sensação de que vou voltar a esta capital ainda muitas vezes.

*Foto destaque: Palácio Nacional de Cultura por Jorge Mejía Peralta

Quem escreveu

Rê no Rolê

Data

02 de April, 2018

Share

Rê no Rolê

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.