Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Nobu: como é o restaurante do Robert de Niro nos Jardins

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

03 de June, 2019

Share

Apresentado por

O que atum azul, o Robert de Niro, Peru e Japão tem em comum? Eles se encontram no restaurante NOBU, o primeiro da renomada rede internacional a aterrisar nos Jardins.  Com mais de 30 casas encontradas em todos os continentes, não é nada parecido com um restaurante de rede americana. É o local onde a culinária japonesa e peruana se encontram – e São Paulo teve sorte de a primeira filial na América do Sul.

Curiosa com os sabores que ganhou o estômago de chefs-celebridades a atores de Hollywood, a ponto do Robert de Niro ser sócio da cadeia, fui conferir com alguns-vários pés atrás. E a comida criada pelo chef japonês Nobuyuki Matsuhisa surpreendeu em todos os quesitos.

Foto: Divulgação

O cardápio com algumas dezenas de opções incríveis é facilitado pela cultura – eles servem o famoso omakase, tradição da culinária japonesa, que tem por significado “deixo aos seus cuidados”, uma versão do menu degustação.

A ideia foi incluir pratos emblemáticos da casa para uma experiência Nobu de sabores e aromas“, conta a chef Leticia Shiotsuka, que comanda a cozinha de São Paulo. A sequência de sete tempos começa pelo salmão tartare com caviar. Depois é servido o hamachi sashimi com jalapeño, em seguida sushis variados, e então é a vez dos famosos shrimp tempura com creamy spicy e black cod com missô. O menu salgado é finalizado com filé mignon yuzu truffle com cebola crisp marinada. Para completar a vivência, é servida a sobremesa missô cappucino.

Fomos experimentar o omakase na Haddock Lobo. O primeiro nível é dedicado a um bar de estética cosmopolita, com o melhor dos sabores orientais e ocidentais. No andar superior tem um restaurante completo e uma cozinha aberta – onde pode-se optar por sentar no balcão, que assemelha-se a um izakaya contemporâneo.

Foto: Vanessa M

Não deixe de começar com um drink da carta autoral – todos igualmente interessantes e deliciosos. Comecei os trabalhos com o famoso Yellotail com jalapeño e o Newstyle, sashimi com salmão – duas versões que redefinem o nosso conceito de sashimi, favorecendo os molhos e o corte preciso.

O Rock Shrimp tempurá estaria perfeito para um diner americano, mas a quantidade de óleo e maionese picante do prato desviava o paladar da sutileza dos ingredientes dos demais. Vale a pena para pedir como petisco no balcão junto com um drink, mas não recomendo no meio do menu degustação.

Foto: Divulgação

O atum bluefin veio no nosso menu e é realmente maravilhoso, a ponto de cogitarmos pedir uma segunda porção. Foi só uma googlada para que o sabor não fosse o mesmo – já que é uma espécie em extinção e já ter sido pauta por algumas vezes. Há tantas opções legais no cardápio que é realmente desnecessária essa escolha.

Omakase – Sushis variados Foto Divulgação

Taco com peixe? Temos sim. O famoso king crab, ou caranguejo centolla, é servido em duas unidades.

Por último, pedimos o prato mais famoso da casa: o bacalhau negro com missô: valeu cada quilômetro que o bacalhau viajou do Alasca para cá. Além de uma crosta crocante assada que selava a textura da carne, o molho agridoce de missô completa a adstringência do carro-chefe da casa.

Preciso dar uma pausa para tentar descrever o missô capuccino: euzinha, que nem do doce sou, cai de joelhos por essa sobremesa. Não deixe de ir e guardar um espaço no estômago. A cada colher, sabores iam desabrochando: algumas vezes cítrico, outro doce, com um pouco do salgado e castanhas do missô. Nunca comi algo parecido. Não à toa é a sobremesa assinatura do restaurante.

Além disso, o restaurante agora abre aos domingos no almoço, das 12h30 às 16h. Recentemente o Nobu começou a funcionar às segundas-feiras das 19h às 23h30.

Em conclusão, o Nobu é um must go para quem procura por sabores diferentes da culinária japonesa, além de um incrível e luxuoso local para uma noite especial. A dinâmica sólida e afiada do espaço, juntamente a precisão dos chefs japoneses com os sabores apimentados peruanos culminam em uma poderosa combinação inquietante ao paladar, olhar, e alguns sentidos que você nem sabia que tinha.

Nobu
Rua Haddock Lobo, 1573, Jardins, São Paulo – SP – Telefone: (11) 3846-7373

Funcionamento: Domingo, das 12h30 às 16h; Segunda a quarta, das 19h às 23h30 (cozinha das 19h às 23h); Quinta a sábado, das 19h às 0h (cozinha das 19h às 23h30)
Valet: R$ 25,00

*Foto de destaque: Divulgação

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

03 de June, 2019

Share

Apresentado por

Vanessa Mathias

Seu exacerbado entusiasmo pela cultura, fauna e flora dos mais diversos locais, renderam no currículo, além de experiências incríveis, MUITAS dicas úteis adquiridas arduamente em visitas a embaixadas, hospitais, delegacias e atendimento em companhias aéreas. Nas horas vagas, estuda e atua com pesquisa de tendências e inovação para instituições e marcas.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.