De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Primavera Sound 2018: as novidades e o que não deixar de ver

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

16 de May, 2018

Share

Falta pouco para a chegada de um dos melhores festivais do planeta, o Primavera Sound, que chega em 2018 mais robusto e cheio de novidades. Se o festival está na sua lista, já baixe o app (android ou iOS), que está bonitão, e chore com as escolhas que provavelmente terá que fazer. Não está fácil.

A premissa básica: separe o seu tênis mais confortável para dar conta da rolezeira que vai ser entre um palco e outro. Esta edição chega com novos palcos, totalizando 14! O Primavera Sound se uniu a vários coletivos, como o Dekmantel e o Four Tet, que apresentam uma programação especial assinando a curadoria de palcos do Primavera Bits. O festival fortalece, assim, sua presença na música eletrônica apresentando uma lista de artistas do gênero de tirar o chapéu.

Björk, uma das headliners do Primavera Sound 2018. F
Björk, uma das headliners do Primavera Sound 2018. Foto: divulgação

O Primavera rola oficialmente por cinco dias entre 30 de maio e 1 de junho, mas nos dias 28 e 29 de maio acontecem alguns shows especiais na Sala Apolo. Destaques este ano não faltam. Tem Björk, Fever Ray, Nick Cave & The Bad Seeds, Haim, The National, Migos, Tyler The Creator, Arctic Monkeys, Lorde, Grizzly Bear, The Breeders, Wolf Parade, Belle & Sebastian, Charlotte Gainsbourg, Father John Misty, The War On Drugs, Chvrches, entre muitos, mas muito outros. Ah, e tem o Beach House que acabou de lançar um novo álbum lindo, o 7.

O Primavera apostou também em apresentações especiais, como Spiritualized with Orchestra and Choir; Echo Collective, Dustin O’Halloran e convidados tocando Jóhann Jóhannsoon’s Orphée, que estava confirmado no line-up, mas faleceu prematuramente em fevereiro deste ano; e estreia do novo projeto experimental Liminal, do Jónsi (Sigur Rós) ao lado dos artistas Alex Somers e Paul Corley, que se apresentam na sexta e no sábado, às 19h. Espere por uma viagem audiovisual de duas horas. A dupla Kyle Dixon e Michael Stein (S U R V I V E) apresenta o álbum “Stranger Things – vol.2”, no auditório, também na sexta e no sábado, às 14h. Quem gosta do Rhye, fica a dica: eles tocam no fim de tarde do domingo no Raval, ou seja, muito mais intimista.

Além de tudo, o Primavera Bits ainda tem sua própria praia pós-festa.
Além de tudo, o Primavera Bits ainda tem sua própria praia.

A grande novidade desta edição é o aumento do Primavera Bits, que agora conta com três palcos instalados próximos à praia e cada um com uma variação de BPM diferente: 100 a 120 bpms, 120 a 135  bpms e 135 a 150 bpms. Se vai dar certo na prática eu não sei, mas achei divertida a divisão e o desafio. O Primavera Bits surgiu em 2016 com um palco, ganhou um segundo em 2017 e o terceiro em 2018… daqui a pouco ele vira um festival à parte (vamos ficar de olho!). Em 2018 serão 18 horas diárias de música eletrônica só nesta área. A curadoria está de tirar o chapéu e tem para todos os gostos.

Olha como está drama: tem Four Tet (que também faz live no palco Ray Ban), Dekmantel Soundystem (que nunca tem erro), Orpheu the Wizard, Palmbomen II, Daphni (aka Caribou), James Holden apresentando o álbum The Animal Spirits (sempre achei as apresentações dele ótimas), Nightcrawler (viva o horror synth dos anos 1980), Jon Hopkins (que lançou o lindo álbum “Singularity” há poucos dias), Oneohtrix Point Never, Mall Grab, Gerd Janson, Peggy Gou, Mano Le Tough e set disco do John Talabot.

Além desses três palcos, vários outros recebem também djs e produtores de música eletrônica. Tem Honey Dijon, The Black Madonna, The Blaze (imperdível!), Deerhunter, Ariel Pink, DJ Koze (que lançou um novo álbum ótimo, o Knock Knock), só para citar alguns.

O Heineken Hidden Stage mudou de lugar. Ele será no mesmo lugar em que rolou o show surpresa do Arcade Fire na edição 2017, ou seja, palco será aberto. Geralmente as atrações são ótimas, mas das sete, apenas 2 foram divulgadas. Recomendo ficar de olho!

Uma outra novidade gostosa (literalmente) é a área de comida. Além dos tradicionais food trucks, o Primavera Sound vai ter restaurante pop-up assinado por vários chefs badalados, mas é necessário reservar mesa e desembolsar muitos dinheiros. Os jantares custam entre 85 e 140 euros, com harmonização de vinhos. Quem quiser gastar bem menos do que isso garantindo uma ótima paella, o restaurante Kauai terá também uma versão pop-up ao lado do palco “El Xiringuito Aperol” (do Primavera Bits). O menu fechado sairá por 28,50 euros, incluindo salada ou gaspacho de entrada, paella de prato principal, uma taça de vinho ou cerveja e sobremesa. É possível comprar online e reservar horário.

Para quem decidir ir de última hora, ainda há ingressos, tanto pacote para os três dias quanto individual (só esgotou ingresso para sábado).

*Foto destaque: Primavera Sound / divulgação por Garbini Irizar.

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

16 de May, 2018

Share

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.