Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Tudo sobre Cannabis e Medicina Psicodélica no Festival Path 2019

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

31 de May, 2019

Share

Já falamos por aqui sobre o Festival Path 2019, que certamente é a melhor opção de evento para o final de semana dos dias 1 e 2 de junho em São Paulo – e que pela primeira vez vai estar na Avenida Paulista, inovando em pleno caos urbano na maior cidade do país. Hoje nós vamos falar sobre como o tema cannabis e medicina psicodélica serão abordados na programação do festival.

Para conhecer de perto a programação, nós entrevistamos Fabricio Pamplona, que além de curador do Festival Path, é cientista, empreendedor, psicofarmalogista do sistema endocanabinoide e referência no uso medicinal de derivados da cannabis para entender quais são as preciosidades que o festival traz acerca desses assuntos.

Fabrício Pamplona

O impacto social, cultural e econômico da proibição da cannabis no Brasil

Segundo Fabricio Pamplona, existem várias razões muito importantes para a cannabis ser um tema vertical ao Festival Path. Com a falta de produtos à base de cannabis em nosso país, por conta da proibição, os pacientes precisam realizar importações ou recorrer aos produtores clandestinos e justamente por isso é tão necessário discutir o acesso, uma vez que o uso já é considerado legítimo.

Ao mesmo tempo, os empreendedores com vontade de trabalhar nesse tema podem ter outras oportunidades, antes mesmo de ocorrer uma regulamentação em âmbito nacional. Daí a discussão pertinente do empreendedorismo em negócios “anciliares”.

Além disso, em tempos de fake news, é preciso lembrar ou enfatizar que a proibição da cannabis em território brasileiro foi baseada em uma farsa “cientificamente embasada”, o que torna a discussão do jornalismo científico e da educação sobre estes temas para uma população mais ampla super atual, para difundir a cultura de buscar as fontes e comentar o censo crítico nas pessoas ainda mais em temas polêmicos como a cannabis.

Unsplash by Esteban Lopez

Uso medicinal de cannabis: tudo que há de mais atual sobre o tema

Onde estamos na trilha para conseguir tratamento medicinal com cannabis no Brasil? O que falta para que os pacientes brasileiros tenham acesso real a esta medicina? Na mesa Terapia 4e20: os caminhos para se tratar com Cannabis no Brasil”, que vai debater o acesso, você verá médicos pioneiros como a Dra Paula dal Stella e a Dra Carolina Nocetti, juntamente com a empreendedora Vivane Sedola do Dr. Cannabis. Também estarão o diretor de relações institucionais da Hemp Meds Brasil, Norberto Fischer que, aliás, é pai da paciente “número zero” de cannabis medicinal no Brasil, e Anne Fischer, responsáveis por levantar toda essa discussão sobre maconha medicinal, canabidiol e epilepsia, como documentado no filme “Ilegal”.

Sabia que já é possível empreender com cannabis aqui e agora? Na discussão “Empreendedorismo canábico hoje: nem tudo é a planta” sobre empreendedorismo, teremos o brasileiro Jonas Rossatto, que migrou para o Uruguai para trabalhar com cannabis e é um empreendedor serial, tendo fundado clube de assinatura, empresa de turismo canábico e rede social cannábica;  Camila Teixeira, fundadora da INDEOV, que ajuda pacientes a achar médicos prescritores com experiência em cannabis medicinal; e Marcelo Grecho, da primeira aceleradora do Brasil em negócios associados à cannabis e hoje responsável pelo principal relatório de mercado do nosso país. Nesta conversa, o Path vai trazer exemplos de pessoas que estão no ecossistema da Cannabis mas que não trabalham diretamente com o cultivo da planta. São empreendedores que mantém esses negócios paralelos aos seus, o que lá fora chamam de “anciliary business”.

Kimzy Nanney em Unsplash

Ligar o uso da maconha à perda de memória ou até de neurônios é algo que está no senso comum e se tornou o maior exemplo de fake news criada ao longo do processo de proibição da cannabis. É para desmistificar esse e outros mitos do senso comum a respeito da cannabis que, na mesa de jornalismo científico Maconha mata neurônio? O desafio das fake news nos assuntos canábicos”, você pode contar com uma discussão entre Rafael Bento Soares, biólogo, doutor em biotecnologia e pós-doutor em neurociências pela USP que trabalha com divulgação científica e é fundador da rede “ScienceBlogs e ScieneVlogs” do Brasil, e o jornalista científico Fernando Moraes, discutindo o papel da informação na educação das pessoas, e como se vacinar contra fake news em temas polêmicos como cannabis.

Medicina psicodélica: um caminho para doenças psiquiátricas e emocionais?

Photo by Dima Pechurin on Unsplash

Ainda visto com preconceito por setores da sociedade, a medicina psicodélica vem ganhado cada dia mais espaço e adeptos. Os psicodélicos tradicionais são todos análogos da serotonina, então se ligam a receptores dessa substância. Segundo entrevista de Sidarta Ribeiro para o Catraca Livre, essas substâncias são super importantes na clínica psiquiátrica da depressão, do trauma, da ansiedade, incluindo a ansiedade terminal, aquela presente nas pessoas que estão com câncer por causa do seu imenso potencial terapêutico.

Luis Fernando Tofoli, psiquiatra e professor do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatra da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP; Sidarta Ribeiro, professor titular de Neurociências e vice-diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte; Alessandra Sussulini, Professora Doutora no Departamento de Química Analítica do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas; e André Negrão, médico psiquiatra e doutor pela Universidade de São Paulo dedicado a pesquisa neurobiologia em transtornos mentais são os convidados do painel “Ciência psicodélica: realidade ou utopia?” para fazer uma imersão no universo da ciência psicodélica e suas inúmeras formas de possíveis tratamentos para doenças psiquiátricas e/ou emocionais.

Sim, eu sei, essa programação é de dar barato no peito de qualquer um! Vamos juntos?

Horário das oficinas

Essa é dica pra colocar na agenda! Anota aí em que horário essas oficinas vão acontecer:

Data: 1 de Junho | Horário: 14:00 – 15:00: Empreendedorismo canábico hoje: nem tudo é a planta, Clube Homs, Sala Paulista

Data: 1 de Junho | Horário: 09h45 – 10h45: Maconha mata neurônio? O desafio das fake news nos assuntos canábicos, Hotel Tivoli Mofarrej, Sala Jardins A

Data: 2 de Junho | Horário: 09h45 – 10h45: Terapia 4e20: os caminhos para se tratar com Cannabis no Brasil, Hotel Tivoli Mofarrej, Sala Ipiranga

Data: 2 de Junho | Horário: 11h45 às 12h45: Ciência psicodélica: realidade ou utopia?, Sala Ipiranga, Hotel Tivoli Mofarrej

*Foto destaque: Dima Pechurin on Unsplash

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

31 de May, 2019

Share

Vanessa Mathias

Seu exacerbado entusiasmo pela cultura, fauna e flora dos mais diversos locais, renderam no currículo, além de experiências incríveis, MUITAS dicas úteis adquiridas arduamente em visitas a embaixadas, hospitais, delegacias e atendimento em companhias aéreas. Nas horas vagas, estuda e atua com pesquisa de tendências e inovação para instituições e marcas.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.