Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Monte Roraima: um mundo perdido na fronteira com a Venezuela

Quem escreveu

Pedro Ivo Dantas

Data

25 de March, 2019

Share

A Venezuela, infelizmente, está passando por um período muito difícil. Não importa pra que lado do espectro político você tenda, é difícil negar a situação trágica em que se encontra o país. Essa crise já transborda para os países vizinhos, e os últimos meses viram cenas bastante chocantes, desde hordas de imigrantes venezuelanos buscando abrigo no estado vizinho de Roraima, até esses mesmos refugiados sendo expulsos da região por brasileiros mais exaltados.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
O Roraima no amanhecer. Foto: Pedro Ivo

Sem querer me alongar mais no cenário político atual (com toda a polêmica que isso pode trazer), as últimas notícias me trouxeram à memória a lembrança da única visita que fiz à região, felizmente em tempos bem menos extremos. Na fronteira do estado de Roraima com a Venezuela, fica um dos lugares mais incríveis do continente, e talvez do mundo, mas ainda assim desconhecido pra maioria dos brasileiros. Uma montanha isolada e cercada de lendas e mistérios, o lar de Makunaima: o Monte Roraima.

Antes de mais nada, quero deixar uma coisa bem clara: esse é o relato da expedição que fiz em 2012. Foi uma viagem inesquecível e recomendo fortemente a experiência, mas dadas as condições atuais acho que qualquer viagem à Venezuela no momento é algo extremamente temerário, pra dizer o mínimo. Vamos torcer pra que a alguma normalidade possa voltar logo aquele país e que mais pessoas possam assim visitar o Monte Roraima.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
O Roraima tem uma paisagem rochosa única, que as vezes faz pensar que estamos na Lua. Foto: Pedro Ivo

A aventura

Voltando a 2012, eu estava atrás de um lugar diferente pra passar o final de ano. Sabia que queria um lugar isolado para curtir a natureza, no máximo com a companhia de alguns amigos. O Monte Roraima sempre esteve no fundo da minha mente, aquele lugar misterioso, que pouquíssimas pessoas conhecem, um desafio físico e mental. Por que não? Alistei minha fiel companheira de aventuras, minha esposa Marina, mais alguns amigos que toparam a empreitada, e na madrugada de 28 de dezembro desembarcamos no aeroporto de Boa Vista com muita disposição e sede de aventura – o aeroporto mais próximo do Monte é o da capital roraimense.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
Paso de las lagrimas, um dos momentos mais especiais na subida do paredão. Foto: Pedro Ivo

O esquema em Boa Vista funciona bem: mesmo chegando de madrugada, com o dia ainda escuro, um táxi nos levou à rodoviária, onde outros táxis esperavam, num esquema lotação, pra levar os aventureiros até a fronteira com a Venezuela, uma viagem de cerca de uma hora e meia. No caminho, muitas plantações de soja até a chegada à alfândega. Migração é sempre um teste de paciência, e migração num posto marginal como era esse, um literal fim de mundo, é mais chato ainda. Levou um bom tempo numa fila debaixo do sol inclemente até que finalmente pudemos adentrar em território venezuelano, e outra curta viagem de táxi nos deixou no hotel em Santa Elena de Uayrén – que como toda boa cidade de fronteira tem aquele ar de velho-oeste sem lei.

Tiramos o restante do dia pra descansar e acertar os últimos detalhes com a agência contratada. No outro dia saímos por volta da hora do almoço com destino a Paraitepuy: uma pequena aldeia indígena, e ponto de partida de nossa caminhada.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
A turma pronta pra partir em Paratepuy. Foto: Pedro Ivo

O nível de condicionamento físico exigido pelo Monte Roraima depende da sua vontade e do seu bolso: embora na teoria você até possa fazer o trekking de forma independente, na prática todos contratam alguma agência pra ter o mínimo de segurança e organização. Mas mesmo entre as agências a experiência varia bastante. Num extremo, você pode até pular toda a caminhada e pegar um helicóptero pro alto do Monte (mas qual é a graça nisso?) No outro, você vai ter um guia e pouco mais que isso. No geral a excursão vai incluir, além do guia, a alimentação durante o trajeto. Se quiser, você pode contratar porters: carregadores pros seus bens pessoais, como barraca e mochila, garantindo que você faça a caminhada o mais leve possível. Depende do que você quer e, claro, do seu preparo – não se engane, a caminhada é longa e cansativa, especialmente nas excursões mais longas.

As excursões ao Roraima começam e terminam da mesma forma: um dia e meio pra subir, um dia pra descer. O que muda é a quantidade de tempo que se passa no topo. As mais céleres oferecem apenas uma tarde e uma noite no topo, e não valem a pena: não dá pra aproveitar quase nada nesse intervalo. Tente fazer pelo menos a excursão de 5 dias, ou, se possível, a mais longa, de 8 dias, que percorre todo o platô: foi essa que fizemos.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
O primeiro dia da trilha consiste numa longa caminhada pela savana, debaixo de um sol impiedoso. Ainda bem que a imagem dos tepuys ao fundo dá ânimo pra seguir! Foto: Pedro Ivo

No primeiro dia, a caminhada é curta e dorme-se próximo ao Rio Tek. Já no segundo dia são 12km de savana para vencer, até o acampamento base, já bem próximo ao paredão. Finalmente, na manhã do terceiro começa a subida em si. A escalada não tem nada de técnica: basta vontade e disposição, e aos poucos a savana vai ficando pra trás. Um ponto especial é o Paso de Las Lagrimas, uma enorme cascata que refresca os viajantes. Após cerca de 6 horas de esforço vem a recompensa: estamos no topo do Roraima!

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
Acampamento do Rio Tek, onde passamos a primeira noite. Foto: Pedro Ivo

O Monte

O Monte Roraima é uma formação conhecida na região como tepuy ou tepui (e na América do Norte como mesa): montanhas de topo plano. A palavra tepuy vem do idioma pemon e significa morada dos deuses – para os índios da região, essas montanhas são sagradas, e o Roraima é a morada de Makunaima – essa lenda foi a base pro Macunaíma de Oswald de Andrade. O Roraima é flanqueado por outros tepuys, como o Kukenan e o Yuruani, e se destaca por seu tamanho e imponência: tem 2810m de altura e nada menos que 31km2 de área.

O Roraima foi escalado pela primeira vez por ocidentais em 1884, pelo explorador britânico Everard Ferdinand, e ganhou fama ao servir de inspiração para a obra ‘O Mundo Perdido’ de Arthur Conan Doyle. Na história do pai do Sherlock Holmes, um platô perdido na floresta amazônica esconde animais considerados extintos, como dinossauros. Exageros a parte, o isolamento do Roraima fez com que tenha uma fauna e flora endêmica, totalmente distintas dos habitantes da floresta tropical da região. O exemplar mais famoso de animal é sem dúvida a pequena rã (la ranita del Roraima), do tamanho de um grão de feijão.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking, ranita
O habitante mais ilustre do Roraima: a famosa (e minúscula) ranita. Foto: Pedro Ivo

Os tepuys são algumas das formações geológicas mais antigas do planeta, e percorrer o topo do Monte Roraima é quase como explorar um planeta alienígena: formações rochosas esculpidas nas formas mais improváveis pela ação dos elementos ao longo de milênios, plantas diferentes de tudo que você já possa ter visto e muitos cristais. O Monte Roraima é tão grande que, quando você se afasta das bordas, você perde a visão da terras baixas e a impressão que se tem é de percorrer uma enorme planície rochosa.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking

Lá em cima, as principais atrações são:

  • Vale dos Cristais: como o nome indica, um longo trecho de caminhada repleto de cristais.
  • Tríplice fronteira: é o ponto em que as fronteiras do Brasil, da Venezuela e da Guiana se unem. Um totem marca o lugar. Vale pra dizer que você pelo menos já pôs o pé na Guiana :P
  • La Ventana (a janela): um dos mirantes mais belos do Monte Roraima, com tempo limpo oferece uma linda visão da savana aos pés do monte.
  • Lago Gladys: o maior corpo d’água no Monte Roraima, ganhou esse nome por conta de um lago citado no livro ‘O Mundo Perdido’. Os indígenas não gostam que se tome banho no lago, pois dizem que isso incomoda Makunaima.
  • El Poso (o poço): um enorme buraco com um lago de águas gélidas ao fundo.
  • Jacuzzis: piscinas naturais formadas pela água da chuva, perfeitas para um banho relaxante, exceto que são extremamente geladas.

Não há nenhum tipo de estrutura no topo: as excursões levam tudo que vão precisar, e não podem deixar nada lá em cima – nem mesmo excrementos. Funciona assim: a cada acampamento os guias montam um “banheiro”, e todos fazem suas necessidades dentro de um balde, que são cobertas de cal pra secarem e não exalarem mal cheiro. E existe um carregador que tem a ingrata missão de transportar todos esses dejetos de volta pra aldeia.

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
Por todo lado que se olhe, as vistas são incríveis. Foto: Pedro Ivo

A grande variável em relação ao Monte Roraima é o tempo: o clima no topo é muito diferente da base, com temperaturas bem baixas e muita chuva e umidade. Neblinas são muito comuns, e podem afetar fortemente a visibilidade. No fundo é uma questão de sorte: na excursão que fiz, tivemos céu aberto durante quase todo o tempo, com apenas um dia nublado. Não por acaso, na véspera desse dia alguns turistas tinham se banhado no Lago Gladys, e segundo nosso guia o tempo ruim era sinal da desaprovação de Makunaima. Na dúvida, é melhor respeitar os deuses da montanha!

Monte Roraima, Venezuela, aventura, trekking
Quando os brancos desafiam os deuses da montanha, o que acontece? Neblina! Mas foi o único momento de tempo ruim em 8 dias de excursão. Fomos realmente abençoados por Makunaima! Foto: Pedro Ivo

*Foto do destaque: Pedro Ivo

Quem escreveu

Pedro Ivo Dantas

Data

25 de March, 2019

Share

Pedro Ivo Dantas

Paraense radicado em Lisboa. Engenheiro, cozinheiro e cervejeiro, sem ordem específica de preferência. Viajante de vocação.

Ver todos os posts

Comentários

  • Boa tarde, Pedro! Primeiro, parabéns pelo relato e mais ainda pelas fotos. Vou para o Roraima em Dezembro/19, você se lembra qual a lente usou? Obrigado.
    - Everton Ribeiro
    • Oi Everton, tudo bem? Obrigado pelo elogio. Usei uma Nikon D40 com a lente do kit, uma 18-55mm. A paisagem ajuda bastante com as fotos! Quando retornar conta pra gente como tá a situação por lá agora? E boa viagem!
      - Pedro Ivo Dantas

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.