Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Como preparar a mala para uma temporada de esqui

Quem escreveu

Ola Persson

Data

06 de June, 2019

Share

Apresentado por

Como todo bom escandinavo, posso falar uma frase com convicção: “não existe tempo ruim, e sim roupa errada”. Claro que ninguém curte tomar chuva, mas com a indumentária certa, mesmo o pior dos cenários se torna bem mais tolerável. Vou então falar um pouco sobre como se vestir para enfrentar o frio, mais especificamente num rolê de esqui.

Um dia de poucos graus negativos, sem vento e com sol batendo é bem diferente de -18º, nublado e ventando. Em um mesmo dia, as mudanças podem ser drásticas, então o melhor é ajustar a roupa para não passar frio e nem calor. E como você vai, em algum momento, intercalar esforço mais intenso com pausas, evitar materiais que não mantém a capacidade isolante mesmo um pouco molhados é providencial. Ou seja, adeus algodão!

Pausa pra cerveja no fim do dia, ainda sem se sentir ensopado de suor

O melhor método é se vestir em camadas, assim fica fácil tirar ou por uma blusa caso a temperatura mude. O sistema mais comum são 3 camadas. A que está perto do corpo é fininha, seja de tecido sintético ou de lã. Em cima disso vem algo pra te manter quente, seja um fleece, uma jaqueta puffy fininha, ou até os dois num dia mais gelado. Finalize com algo que vai segurar vento e neve, seja completamente impermeável (por exemplo Gore-tex) ou mais para um corta-vento (soft-shell).

Muito complicado? Vou explicar melhor.

Primeira camada

Primeira camada quer dizer o que encosta diretamente na pele: cueca, calcinha, sutiã, meia calça e blusa.

A função principal dessa camada é te manter seco. Algodão, apesar de ser um material confortável enquanto seco, perde as características isolantes quando fica úmido (pode ficar gelaaaaado!) e gruda na pele, restringindo seus movimentos. A primeira camada ideal é feita de tecidos sintéticos ou de lã merino, e muitas vezes tem um tratamento anti-bactéria para evitar mau cheiro. Por isso vale a pena pagar um pouco mais caro. Lã é naturalmente bactericida e dá pra usar a mesma peça uma semana sem lavar! Invista!

Camada térmica

Essa camada vai te manter quente, e você pode variá-la de acordo com a temperatura. Caso o dia esteja ensolarado e quente, você pode deixar a blusa da segunda camada na mochila.

A opção mais comum de segunda camada é uma blusa de fleece (aquele tecido meio peludo que parece a parte de dentro do moletom). Se a terceira camada for uma jaqueta sem forro, uma jaqueta puffy de pena de ganso ou forro sintético também funciona bem. Prefira sempre blusas com zíper, pois fica mais fácil regular a temperatura quando você estiver suando. Gola alta também é recomendável.

Se tiver uma blusa de lã daquelas que a sua avó deu para você no natal, pode usar que também funciona bem.

Para as pernas, um pouco menos normalmente já é suficiente: seja só uma meia calça com uma calça térmica por cima, ou mais uma calça de fleece fininho se estiver frio.

 

Terceira camada

Como você já cuidou do isolamento térmico na camada dois, a principal função que sobra pra terceira camada é manter a água, neve, vento, etc., do lado de fora.

Minha preferência é evitar jaquetas e calças muito forrados, pois fica mais difícil regular a temperatura em dias quentes. Mas por outro lado, uma jaqueta quente é prático para se usar também na cidade.

A escolha mais comum é uma jaqueta impermeável, mas jaquetas e calças soft-shell estão cada vez mais populares. O soft-shell troca um pouco da impermeabilidade por melhor ventilação. Uma jaqueta boa para esquiar deve não deve ser curta demais e deve ter um corte que não atrapalhe os movimentos. Um capuz é uma ótima proteção num dia de vento enquanto você está sentado no teleférico. Se você  vai esquiar com capacete, procure uma jaqueta que tenha um capuz compatível com capacete.

Acessórios

Uma boa meia é de tecido sintético ou de lã, e vai até quase o joelho. Uma meia que não seja alta suficiente é bem desconfortável. Como esquiando a gente faz força contra o cano da bota, é importante que a meia seja mais alta que a bota. E a dica de ouro: vista a calça da primeira camada, dobre a barra dela para cima até o joelho, e só então coloque a meia por cima da dobra. A calça ajuda a segurar a meia, e vice-versa.

Outra coisa importante é uma boa luva. Procure por uma que ultrapasse o seu pulso em pelo menos alguns centímetros. Se for pegar muito frio (-10ºC) opte por luvas que deixam seus dedos juntos, pois são muito mais quentes. Eu costumo levar 2 pares de luvas, um par mais fininho de windstopper e outro bem quente com os dedos juntos.

Um cachecol te protege dos ventos frios. Se a gola da sua blusa é alta e grossa, algo fininho dá conta. Os mais populares (e um favorito pessoal) são os da marca Buff. Eles tem opções de lã ou de material sintético, e acabam cumprindo vários papeis: dá para usar como toca, proteção do sol, máscara ou cachecol mesmo.

Ah, e mesmo que você vá esquiar com capacete, uma touca vai sempre bem para almoçar fora.

Quem escreveu

Ola Persson

Data

06 de June, 2019

Share

Apresentado por

Ola Persson

Viaja sempre com uma mochila com camera, laptop e kindle e uma mala pequena de roupas. Nela leva mais uma mala vazia que vai enchendo ao longo da viagem. Não é fã de pontos turísticos, não gosta de muvuca e foge de filas, mesmo que seja para ver algo considerado imperdível. Por isso nunca subiu na Torre Eiffel, mesmo tendo ido várias vezes à Paris. Acredita que uma boa viagem é sentir a cidade como morador. Tanto que foi pra São Paulo em 2008 e ainda está por lá.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.