Bombay Saphire no Festival Path

Está pronto para inspirar-se, provocar-se e despertar a mais pura criatividade que existe em você? Acompanhe as novidades do Festival Path, com Bombay Sapphire!

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

O que você precisa saber sobre vacina da febre amarela se for viajar

Quem escreveu

Renato Salles

Data

06 de February, 2018

Share

A febre amarela voltou a preocupar. O país enfrenta um dos piores surtos da doença em décadas. O medo acarretou baixas no estoque da vacina, e filas homéricas nos postos de saúde do Sudeste, região que não era considerada área de risco pela OMS até o ano passado. Além dos riscos à saúde, essa notícia ainda causou uma dor de cabeça para quem vai viajar para um país que exige a vacina. Nós já falamos sobre vacinas por aqui. Mas como o disse-que-disse está grande, e a situação atual mudou um pouco o cenário, resolvi compilar informações úteis para o viajante que está sem saber o que fazer sobre esse assunto.

Então vamos do começo: todos os países situados em regiões tropicais ou subtropicais que tem florestas podem ver surgir surtos de febre amarela, e por isso querem se proteger. Assim, o certificado de vacinação pode ser exigido de passageiros vindos de áreas de risco da doença, e até de viajantes que fizeram só escala nessas regiões. Isso não quer dizer que todos exijam o certificado de vacinação na entrada. Por exemplo, o Brasil não obriga estrangeiros a mostrar a carteirinha de vacinação. Mas na América Latina, só Argentina, Chile, Uruguai, Peru e México não exigem o certificado. E com o surto recente no Sudeste, pode ser que essa lista diminua logo.

fonte: Percherie

É bem complicado saber exatamente que país exige a vacina e qual não. Na dúvida, o melhor é consultar o consulado do país e essa lista da OMS atualizada diariamente. Mas minha recomendação é: vacine-se! Ter a vacina e o certificado guardadinho junto com o teu passaporte é uma tranquilidade que não tem preço. Tendo isso em vista, aqui vão algumas dicas sobre a vacina da febre amarela para ajudar quem vai viajar:

  • A vacina leva de 10 dias a 6 semanas para fazer efeito. A maioria dos países exige que o período de ação tenha sido cumprido para admitir o viajante. Então não adianta deixar para tomar a vacina em cima da hora. Programe-se!
  • A vacina da febre amarela é fornecida gratuitamente pelo Ministério da Saúde, mas agora como está todo mundo correndo atrás dela, está complicado encontrá-la nos postos de saúde e hospitais. Além disso, para dar conta do surto, eles estão fornecendo em São Paulo, Rio e Bahia a dose fracionada da vacina. Apesar dessa versão imunizar a pessoa contra a doença por até 8 anos, a Anvisa alerta que ela não é aceita internacionalmente, então não serve para viajantes.
  • Uma vez com a vacina, você tem que ir até o posto da Anvisa nos aeroportos do país para solicitar o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP). É com esse papelzinho que você consegue provar no mundo inteiro que você foi vacinado. Nada de zanzar por aí com carteirinha de vacinação, hein?
  • Algumas pessoas tomaram a vacina há muito tempo, e o CIVP indica um prazo de validade de 10 anos. Hoje a OMS considera que quem tomou a dose completa da vacina está imunizado pela vida toda. Então não precisa mais tomar a vacina de novo. Mas você deve ir até o posto da Anvisa para pedir um certificado atualizado (mesmo ela dizendo que não precisa). Se você não o fizer, você vai ter que contar com a sorte e o humor do funcionário da imigração do país que for visitar. Melhor prevenir, porque esses caras são especialistas em segurança, não em medicina.
  • Se precisar atualizar teu certificado, você deve agendar a troca pelo site da Anvisa. Como a procura está intensa, eles estão mandando de volta quem chega lá sem agendamento. A única exceção é para viajantes que já tem a passagem marcada para algum país que exija a vacina, ou com escala em um deles. Daí você pode até ir lá contar com a sorte – e com a paciência – mas considerando a procura intensa que eles estão tendo, agenda que você não vai ter problema. Fora que parece que agora só tem agenda para abril. E uma vez com esse CIVP você está liberado para viajar para sempre!
  • Já quem não tem o CIVP, nem adianta ir até lá se você não tiver passagem. Desde julho de 2017, o atendimento de emissão é exclusivo para quem tem viagem marcada com passagem por algum dos países que exige o documento.
  • Se você vai viajar para fora do país, mas nunca tomou a vacina, você precisa ir até o posto de saúde ou hospital com a carteira de vacinação e a passagem válida para conseguir a dose inteira. Nos estados em que a procura está grande, não vai ser uma tarefa fácil. Em São Paulo, por exemplo, o Hospital das Clínicas está vacinando apenas pessoas em situações especiais, caso dos viajantes.

Quem escreveu

Renato Salles

Data

06 de February, 2018

Share

Renato Salles

Para o Renato, em qualquer boa viagem você tem que escolher bem as companhias e os mapas. Excelente arrumador de malas, ele vira um halterofilista na volta de todas as suas viagens, pois acha sempre cabe mais algum souvenir. Gosta de guardar como lembrança de cada lugar vídeos, coisas para pendurar nas paredes e histórias de perrengues. Em situações de estresse, sua recomendação é sempre tomar uma cerveja antes de tomar uma decisão importante. Afinal, nada melhor que um bom bar para conhecer a cultura de um lugar.

Ver todos os posts

Comentários

  • e quem tem alergia a algum componente da vacina? faz o que?
    - soly
    • Eu encontrei essa informação no blog do Ministério da Saúde: 'Para casos em que a vacinação ou a profilaxia for contraindicada, o viajante deverá apresentar um Atestado Médico de Isenção de Vacinação, escrito em inglês ou francês.'
      - Renato Salles

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.