De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Performance e experimentalismo em Berlim: CTM Festival + Transmediale

Quem escreveu

Lorena Sganzerla

Data

18 de January, 2018

Share

Janeiro em Berlim é sinônimo de neve, chuva e noites que começam às 4 da tarde e só terminam às 8 da manhã. É também a hora dos festivais de inverno, menos eufóricos, mas não menos interessantes.

Nesta sexta começa uma série de eventos que vêm para amenizar os longos meses de janeiro e fevereiro. É assim que eles, os alemães, resistem ao frio: CTM Festival (26.01 a 04.02), Transmediale (31.01 a 04.02), – os dois festivais de cultura digital, arte e tecnologia que, juntos, compõem a maior plataforma de discussão do assunto do mundo e, claro, o Berlinale (15 a 25.02) que emenda na sequência. Para abrir os trabalhos, dia 19.01, começa o Vorspiel – que significa, literalmente, preliminar – e é uma mostra paralela de arte, cinema e música que já aquece para o que vem pela frente.

O Transmediale e o CTM são dois festivais queridinhos dos nerds, engenheiros musicais e fritos em geral e têm uma longa história pra contar. O primeiro nasceu em 1988 como FilmVideoFest, um programa de vídeo e arte dentro da Berlinale que exibia uma programação mais independente da produção audiovisual, fora do escopo tradicional do festival. Logo ele ficou de pé sozinho e se desenvolveu como uma plataforma transversal de diálogo e produção de arte, cultura digital e novos meios: daí o nome Transmediale.

O Transmediale

Transmediale 2017. Foto: divulgação
Transmediale 2017. Foto: divulgação

Hoje, o festival projeta luz sobre um amplo espectro de questões, desde o que chamamos de cultura contemporânea até o uso que fazemos dos meios e as consequências políticas desse processo. O evento reúne em um único espaço, exposições, conferências, workshops, palestras, shows, performances e exibições audiovisuais que transitam da arte multimídia, passando pela música até a política, da programação até o hardware. A edição 2018 chama-se “face value” e discute o valor que as coisas têm e o valor que damos a elas num ambiente elusivo como o digital. A pegada do festival é política e engajada em discutir a criação artística apoiada em recursos e suportes tecnológicos. palestras, vídeo e filmes, performances, workshops e exposições.

Se você quiser sacar um pouco qual o é o clima do evento, uma das performances mais concorridas será a do videoartista e compositor baseado em Los Angeles, James Ferraro: Plague. É esse o tipo de experiência que vai rolar por aqui durante esses dias.

O CTM

Holly Herndon por Bennet Perez se apresenta no CTM
Holly Herndon por Bennet Perez se apresenta no CTM

Já o CTM é um desdobramento do Transmediale. Antes, uma plataforma dedicada à música eletrônica e experimental chamada Club Transmediale, hoje um evento independente que ficou maior que o Transmediale: o CTM.

Ao contrário do Transmediale, o CTM ocupa vários espaços, galerias e clubes importantes pela cidade, como Berghain, Funkhaus Berlin e Kraftwerk. Em conjunto, os dois festivais reúnem mais de 25 mil pessoas durante os seus 10 dias. Na edição de 2018, o tema é Turmoil: uneasy times demand uneasy musice traz um lineup de artistas, dj, videoartistas, performers e curadores que discutem a estética turbulenta, urbana e experimental da música eletrônica contemporânea.

Primitives - Alan Warburton.
Primitives – Alan Warburton. Foto: divulgação artista

Se você quer sentir o gostinho do que vai acontecer por aqui a partir da semana que vem, dê uma olhada no trabalho de artistas como Alan Warburton com a performance Primitives, e a instalação SOL do artista visual Kurt Hentschläger, ambas da programação de 2017.

Nesta edição um dos destaques é “SKALAR”, uma arte instalação dos artistas Christopher Bauder e Kangding Ray, que exploram o impacto da luz e do som na percepção humana.

Dengue Dengue Dengue por Hendrik Kussin
Dengue Dengue Dengue por Hendrik Kussin

Outro destaque é será a performance NOQTURNL, John Connel + Florence To. Quem se animar em assistir a um show bem experimental, o show da norte-americana Holly Herndon, que agora se apresenta com banda, nunca decepciona. Para quem busca uma boa pista, as festas também fazem parte da programação. No dia 26 de janeiro acontece uma festona no Berghain & Panorama Bar, a Caustic / Cohesion, com Boyz Noise, Celestial Trax, Nene H, Yesim, Dengue Dengue Dengue.

E, depois de 10 dias de maratona, tudo se encerra num evento com duo DAF + Bestial Mouth, no lendário clube SchwuZ.

*Foto destaque: Skalar de Christopher Bauder por Kangding Ray

Quem escreveu

Lorena Sganzerla

Data

18 de January, 2018

Share

Lorena Sganzerla

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.