De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Ilê Aiyê ganha ocupação no Itaú Cultural celebrando seus 44 anos de (r)esistência

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

02 de October, 2018

Share

O Itaú Cultural homenageia a partir de outubro a trajetória de 44 anos do Ilê Aiyê com uma belíssima ocupação. O Ilê Aiyê é o primeiro bloco afro do Brasil. Fundado em 1º de novembro de 1974, em Salvador (BA), e composto exclusivamente de pessoas negras desde então, o Ilê Aiyê surgiu num contexto de proibição velada dos negros desfilarem no circuito do carnaval da cidade. Sim, isso em Salvador! O bloco é desde sempre um grito de resistência e luta ao combate do racismo.
A história do Ilê Aiyê mistura-se à vida de Mãe Hilda e do terreiro Ilê Axé Jitolu, que serviu ao bloco como diretoria, secretaria, salão de costura e recepção dos associados. O bloco teve em Mãe Hilda (até 2009) sua fonte de inspiração e apoio, enquanto na religião tem sua fortaleza e sustentação. Hoje o ritual é realizado pela filha e sucessora de Mãe Hilda, a Doné Hildelice, que mantém acesa a tradição do evento.

Mãe Hilda - Ocupação Ilê Aiyê. Foto: Mario Cravo Neto / divulgação
Mãe Hilda – Ocupação Ilê Aiyê. Foto: Mario Cravo Neto / divulgação

Na entrada da mostra no Itaú Cultural, a voz de Luedji envolve o visitante com a música Ilê de Luz cantada a cappella. O espaço é estreito e ocupado por telas que reproduzem rostos silenciosos de moradores do Curuzu, onde nasceu e vive o Ilê Aiyê.  Eles estão em três projeções e uma quarta exibe tradução em Libras. É o primeiro eixo e o que conta o início de tudo. Nele, também se ouve em paisagem sonora, o barulho do mar e nomes de referência de personalidades e pessoas que lutaram e lutam pelo fim do racismo. Durante toda a mostra o visitante mergulha na história do bloco através de fotos, sons, tecidos, projeções, tambores interativos, vídeos com entrevistas e o Caderno de Educação, produzido pelo bloco.

Associados em traje de carnaval - Ilê Aiyê. Foto: André Seiti
Associados em traje de carnaval – Ilê Aiyê. Foto: André Seiti

Para complementar a exposição, a programação conta também com 2 shows nos dias 5 e 6 de outubro, no Auditório Ibirapuera. O Ilê Aiyê se apresenta com 17 pessoas, entre percurssionistas, dançarinas, vocalistas e a Deusa do Ébano (Jéssica Nascimento). O Ilú Obá de Min e Ilú Inã se apresentam no dia 5; enquanto no segundo dia, dia 5, as baianas Xênia França e Luedji Luna são as convidadas da noite.

Anota na agenda, porque a mostra promete ser linda.

Serviços

Ocupação Ilê Aiyê
Itaú Cultural – Av. Paulista, 149, Piso térreo
De 4 de outubro a 6 de janeiro 2019
Terças-feiras a sextas-feiras, das 9h às 20h 
Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Gratuito

Sexta-feira- 5 de outubro – às 21h. Duração: 90 minutos
Ilê Aiyê com os blocos Ilu Inã e Ilú Obá de Min
Sábado – 6 de outubro – às 21h. Duração: 90 minutos
Ilê Aiyê com Xenia França e Luedji Luna
Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia)
Classificação livre
*Foto destaque: Mirinha Cruze e Jéssica do Nascimento por Andre Seiti

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

02 de October, 2018

Share

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.