De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Tudo que rolou no CASE 2017

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

30 de October, 2017

Share

Se tem algo que demonstra o corpo que o universo de startups está tomando é o CASE, evento de empreendedorismo que aconteceu essa quinta e sexta em São Paulo. Foram mais de 8 mil pessoas e 57 stands: mais do que apenas sonhadores de camiseta, executivos, investidores, curiosos e designers mergulharam nesse universo de MVPs, IPOs, GH e milhares de outras siglas.

img_20171026_155238
Unicórios? Foto: Luiz Felippe Correa

Durante os dois dias do evento – 26 e 27 – foram promovidos workshops e palestras divididos em três tracks de conhecimento: hustlers (vendas), hackers (programadores) – e hipster (criativos e designers) – dando a oportunidade de entrar em círculos que não necessariamente eram seus.

foto-de-luiz-felippe-correia-1
fotógrafo: Rodolfo Goud – na foto: Paul Walsh, vice-presidente da VISA

Entre as palestras, o keynote mais esperado foi Paul Walsh, vice-presidente da Visa. Amplamente conectada com a inovação on the edge, eles tem particular interesse em IOT e meios de pagamento. Entre as startups que eles trabalham, meios de pagamento para geladeiras, smartwatches e outros equipamentos são uma das prioridades da empresa.

Alan Leite. Foto: Vanessa Mathias
Alan Leite. Foto: Vanessa Mathias

As startups também tem uma nova forma de pensar em marketing. Ou melhor, aquisição de clientes. No palco Hustler, Alan Leite (CEO da Startup Farm, aceleradora de negócios com base tecnológica) para uma startup conseguir clientes é um misto de ciência e arte. Passa desde ser seu próprio influenciador, desenvolvendo conteúdos relevantes para seu segmento, a estratégias de como “hackear” seu crescimento.

Uma arena que estava fazendo bastante barulho – literalmente – foi a do Sebrae Like a Boss [  ], competição de pequenas empresas promovida pelo SEBRAE nacional. “Tivemos 23 empresas de todos os cantos do Brasil se apresentando durante os dois dias do evento, com soluções bastante diferentes.” disse Edson Mackeenzy, responsável por conduzir a arena no CASE. “É bom ver a desenvoltura dos empreendedores e é inspirador ver que o empreendedorismo cada vez mais está presente no dia a dia de pessoas diferentes” completa.

img_20171027_145400

Para quem já está nesse jogo, a principal vantagem de estar em um evento assim é rede e inspiração:  “Fiquei bastante impressionado com a evolução do CASE em relação ao ano passado. Acho fundamental para as empresas o networking possibilitado pelo evento e é ótimo poder ouvir casos de sucesso brasileiros.” contou Felipe Chaves, fundador da Farmaki, plataforma online que pesquisa preços de comércios eletrônicos de grandes farmácias e compara com pequenas farmácias de bairros.

Eles também puderam expôr suas inovações no trade para investidores.“Não temos acesso normalmente a investidores e poder ouví-los e acompanhar as novidades do mercado, é de grande valor para nós empreendedores.”– disse Flávio França da Media Glass, que faz aplicativos para tecnologias vestíveis.

Felipe Matos e Ju Lima. Foto: Vanessa Mathias
Felipe Matos e Ju Lima. Foto: Vanessa Mathias

O que não faltou no evento era gente com experiência. Felipe Matos, bem conhecido dentro desse mundinho, assinava seu novo livro 10 mil startups – um guia prático para crescer um negócio de base tecnológica.

meteacolher

No final do evento, também aconteceu o Startup Awards, premiação criada para prestigiar as organizações e pessoas que mais contribuíram ao longo do ano para o ambiente de negócios do Brasil no mercado de tecnologia.  Entre os destaques, a startup Mete a Colher, que visa criar um ambiente seguro online para discutir e prevenir a violência contra a mulher. A própria Startup Farm venceu a categoria aceleradora do ano, e a MaxMilhas, empresa que diminui o preço de passagens aéreas conectando que tem milhas de sobra com viajantes, também.

Para quem não foi no CASE e quer ver o conteúdo há um pacote online com todos os vídeos das palestras e entrevistas.

Post feito com a colaboração de Luiz Felippe Correia

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

30 de October, 2017

Share

Vanessa Mathias

Seu exacerbado entusiasmo pela cultura, fauna e flora dos mais diversos locais, renderam no currículo, além de experiências incríveis, MUITAS dicas úteis adquiridas arduamente em visitas a embaixadas, hospitais, delegacias e atendimento em companhias aéreas. Nas horas vagas, estuda e atua com pesquisa de tendências e inovação para instituições e marcas.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.