De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

A poesia arquitetônica de Sou Fujimoto na Japan House

Quem escreveu

Renato Salles

Data

12 de December, 2017

Share

‘A arquitetura está em todos os lugares.’ Essa frase abre a primeira parte da exposição ‘Sou Fujimoto: Futuros do Futuro‘, em cartaz atualmente na Japan House. É a segunda exposição em seguida que a instituição traz para o Brasil. A máxima, cunhada pelo próprio arquiteto japonês, é uma das inúmeras pílulas de poesia com que ele propõe ao explorar todo seu potencial criativo em projeto. Nesse primeiro andar, Fujimoto usa minúsculas escalas humanas para experimentar possibilidades arquitetônicas nos objetos mais triviais: parafusos, esponjas, caixas de fósforo, pedaços de plástico, plantas, balas, chips de computador e chips de batata. As peças são distribuídas em pedestais soltos, e o visitante é convidado a flanar e descobrir uma ordem própria na construção do pensamento. Em todo momento, ele não diz o que pensa, mas sugere uma reflexão: ‘Fechado e aberto; separado e conectado; luz e sombra; tudo oscila.’
fullsizerender-3 fullsizerender-5 fullsizerender-6
No segundo andar, a poesia arquitetônica de Sou Fujimoto ganha corpo, e ele começa a delinear respostas para suas reflexões. Aqui, maquetes em vários estágios de evolução se misturam. Esquemas tridimensionais complexos dividem espaço com elaboradas miniaturas de obras reais, como a contundente Biblioteca da Universidade das Artes de Musashino, ou o emaranhado Beton Hala Waterfront Center em Belgrado (na foto de destaque do post). Em todos os modelos, o que se pode ver é que, para o arquiteto, o projeto revela muito mais do que paredes e espaços. A arquitetura oferece múltiplas possibilidades latentes, que até serem materializadas passam despercebidas pela sociedade.
fullsizerender-11 fullsizerender-9
Sou Fujimoto tem seu escritório no Japão desde 2000. Mas foi com a construção da Serpentine Gallery em Londres em 2013 que o catapultou para uma carreira global. Mas diferente de seus colegas cheios de projetos megalomaníacos, a obra de Fujimoto segue harmônica, equilibrada, verdadeiramente poética. Seus trabalhos são sinfonias de contrastes, contrapondo o espaço construído com a natureza, as sombras e a transparência, a rigidez geométrica com a fluidez do traço orgânico.
fullsizerender-2 fullsizerender-10
A exposição termina com uma sequência de painéis com poucas fotos de obras construídas ou ainda por vir, onde Fujimoto explica com suas palavras delicadas os partidos adotados. Nada de detalhes construtivos e tecnologias arrojadas. A seus olhos, o que dá vida ao seu trabalhos são as infinitas experiências que os usuários podem ter ali. Como ele mesmo diz, ‘criar arquitetura é como plantar as sementes do futuro’.
fullsizerender-4 fullsizerender-8
Sou Fujimoto: Futuros do Futuro
Japan House – Av. Paulista, 52 – Paraíso
Até 4 de fevereiro
De terça a sábado, das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 10h às 18h
Entrada Gratuita
*Todas as fotos – Renato Salles
 

Quem escreveu

Renato Salles

Data

12 de December, 2017

Share

Renato Salles

Para o Renato, em qualquer boa viagem você tem que escolher bem as companhias e os mapas. Excelente arrumador de malas, ele vira um halterofilista na volta de todas as suas viagens, pois acha sempre cabe mais algum souvenir. Gosta de guardar como lembrança de cada lugar vídeos, coisas para pendurar nas paredes e histórias de perrengues. Em situações de estresse, sua recomendação é sempre tomar uma cerveja antes de tomar uma decisão importante. Afinal, nada melhor que um bom bar para conhecer a cultura de um lugar.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.