De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Olho no olho para humanizar a cidade

Quem escreveu

Jo Machado

Data

11 de September, 2017

Share

Que tal a gente combinar de, no próximo dia 23 de setembro, nos encontrarmos lá no Ibirapuera e nos olharmos olho no olho, com apreciação, sem nem mesmo nos conhecermos? Curtiu a idéia? – Não?! Bom, deixa eu explicar melhor então?!
No próximo dia 23, São Paulo vai participar do maior experimento de contato visual do mundo, o World’s Biggest Eye Contact Experiment. O evento proporciona a troca de olhares entre estranhos como um forma de humanizar as cidades, e busca trazer para a realidade do nosso cotidiano um momento em que possamos sentir um gostinho de que um mundo mais humano é super possível.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Neste mesmo dia, milhares de pessoas em diversos países vão parar e olhar ao redor, reconhecer o próximo e se mobilizar por um mundo com mais empatia, mais humanidade nas relações e mais conexão. Essa iniciativa fofa e curiosa é coordenada pelo The Liberators International, com ajuda de voluntários e é totalmente gratuito. É só chegar, sentar e olhar no olho de um outro alguém. Pelo menos por um minuto,  sem dizer nada.
“Por meio desse experimento, além de estabelecermos um contato profundo de apreciação do outro, estamos também nos permitindo ser olhados, nos colocando em um lugar de vulnerabilidade e nos conectando com a nossa humanidade”, pondera Flávia Sato, coorganizadora do capítulo de São Paulo.
Para Thayna Meirelles, especialista em comunicação não-violenta e coorganizadora do evento, “…este experimento está totalmente alinhado com o mundo que queremos, no qual relações autênticas são co-construídas. Precisamos vencer esse medo de nos conectar verdadeiramente com o outro, reconhecer e acolher nossos sentimentos e emoções, comunicar nossas necessidades e nos mostrar como realmente somos. A vulnerabilidade não é sinônimo de fraqueza, como fomos ensinados a pensar, ao contrário, é o único meio possível para a verdadeira conexão humana. Assumi-la é enfrentar nossos medos, e o caminho para deixar as máscaras sociais de lado e viver uma vida autêntica.
Convide os amigos, chame a família, o chefe e o colega da academia. Vamos todo exercitar um pouco de empatia e fazer essa cidade um lugar um pouco mais humano. E não esqueça o filtro solar e uma almofadinha ou canga para se sentar.
Te vejo lá. Literalmente!

World’s Biggest Eye Contact Experiment 2017
23 de setembro, sábado, a partir das 14h.
Praça da Paz – Parque Ibirapuera
(Em caso de chuva o evento será realizado em outro local, mas ainda dentro do
Parque. A organização irá comunicar a alteração, caso haja, no evento do Facebook. Confirme
presença para receber as atualizações).

* Foto destaque: MyStock.Photos

Quem escreveu

Jo Machado

Data

11 de September, 2017

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.