Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Guia prático de Belfast

Quem escreveu

Fernanda Secco

Data

08 de February, 2017

Share

Antes de mais nada acho importante dizer que Belfast é um daqueles lugares que ‘não tem nada pra fazer mas é muito legal’. O que eu quero dizer com isso é que a cidade não tem necessariamente muitas atrações turísticas. É um daqueles lugares que você visita e vive como um local. E esta é a grande mágica por trás de tudo.

Ormeau Road, Belfast - Foto: Fernanda Secco
Ormeau Road, Belfast – Foto: Fernanda Secco

A Irlanda do Norte é um país pequeno, e apesar de dividir terras com a República da Irlanda, faz parte do Reino Unido. Eu sempre tive uma curiosidade imensa de visitar o país, não apenas por suas diferenças culturais, mas porque é um lugar rico em história e que por muitos anos trouxe uma imagem violenta para o resto do mundo. Os conflitos da Irlanda do Norte começaram no final dos anos 60 e duraram mais de trinta anos. Por todo este tempo, católicos e protestantes batalhavam não apenas por direitos iguais, mas por territórios. Estes conflitos trouxeram muitas mortes e problemas, mas hoje é um país seguro e que oferece uma variedade grandíssima de atrações, restaurantes, compras e cultura. Foi por essas e outras que decidi conhecer Belfast.

É super fácil chegar. Há trens desde Dublin que demoram em média 2h20. Você também pode pegar ônibus desde o aeroporto de Dublin, ou voo desde alguns lugares do Reino Unido e Europa (estes costumam ser um pouco mais caros).

Vista de Belfast desde o avião - Foto: Fernanda Secco
Vista de Belfast desde o avião – Foto: Fernanda Secco

O QUE VER

Felizmente minha visita aconteceu em dezembro. Uma das coisas que eu acho mais fantásticas são os mercados de Natal, onde dá para realmente ficar imerso no espírito da época, além de aproveitar comidas típicas (eu achei até panetone), e conhecer pequenos artesãos e produtores locais. O maior mercado de Natal em Belfast estava em frente ao City Hall, que aliás é um prédio lindo aberto a visitação.

O centro é uma gracinha. Desde o City Hall, você tem algumas trilhas urbanas para seguir e ir visitando a cidade, o porto e outros locais importantes. É possível andar por quase toda a cidade e devo confessar que meu bairro preferido foi o que eu fiquei hospedada – Ormeau Road.

Além disso, os pontos mais bacanas do meu passeio foram sem dúvida o Black Cab/Mural Tour, St George’s Market, o Belfast Castle Estate & Cave Hill. Muitos recomendariam o local onde o Titanic começou sua viagem ou o próprio museu sobre ele, mas eu achei muito caro (e mórbido).

City Hall, Belfast - Foto: Fernanda Secco
City Hall, Belfast – Foto: Fernanda Secco

ONDE COMER

Durante todos os quatro dias que estive na cidade, não me lembro de ter comido algo ruim. Do fast food local ao restaurante, era tudo muito saboroso e com preços justíssimos. Faço menções honrosas ao Bubbacue, com opções de sanduíches e bowls por preços módicos; o café da manhã do District, que apesar de um pouco caro, era delicioso; as tapas e paella do 2 Taps Wine Bar; e o Ambrosia Caffe & Ristorante, que oferecia menus com dois pratos por £7. A região da universidade tem opções bem gostosas também. Um que ficou na lista para a próxima visita foi o Town Square.

District Café em Belfast - Foto: Fernanda Secco
District Café em Belfast – Foto: Fernanda Secco

ONDE BEBER

Se você é fã de café, não perca o Established Coffee, que oferece grãos da Etiópia, Sumatra e Colombia. Ou o Root & Branch Coffee Roasters, que é mega hipster e muito gostoso.

Agora se a sua bebida é cerveja, opções de pubs locais não faltam. O Duke of York fica no Cathedral Quarter, uma das ruas mais pitorescas de Belfast, com arte de rua super particular. Outro lugar curioso é o Filthy McNastys, que só pelo nome engraçado fomos conhecer, mas descobrimos um bar grande com muitas opções de cervejas locais e, escondido atrás do quintal, um bar de coquetéis que até servia cachaça artesanal no cardápio.

Fiflthy McNasthy's, em Belfast - Foto: Fernanda Secco
Fiflthy McNasthy’s, em Belfast – Foto: Fernanda Secco

DAY TRIP

Se sua passagem por Belfast for de mais que dois dias, é IM-PER-DÍ-VEL que você vá ao Giant’s Causeway. Há tours desde Belfast (ou Dublin) com preços variando entre £18 e £25, dependendo da quantidade de paradas que você for fazer. Geralmente as paradas acontecem no Dunluce Castle, na Bushmills Whiskey Distillery e na Carrick-a-Rede Rope Bridge. As vistas são magníficas e com certeza ficarão na memória por muitos e muitos anos.
Giant's Causeway (Foto via Flickr por Lena)
Giant’s Causeway, Northern Ireland – Foto: Flickr por Lena)

* Foto destaque: Fernanda Secco

Quem escreveu

Fernanda Secco

Data

08 de February, 2017

Share

Fernanda Secco

De longas viagens de carro no México a aulas de cozinha no Vietnã, para mim o que importa conhecer são as pessoas. Não há nada melhor para conhecer um país do que aprender com experiências autênticas (e às vezes malucas).

Ver todos os posts

Comentários

  • Excelente descrição!

    - Filinto

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.