Gastronomia

O caso da estrela Michelin entregue para o restaurante errado

Quem escreveu

Renato Salles

Data

15 de March, 2017

Share

No começo de fevereiro, Véronique Jacquet viu sua brasserie simplona ser invadida por uma manada de curiosos que nunca tinha sequer passado pela cidadezinha de Bourges. Logo ela descobriu porquê: no rádio ela ouviu que seu restaurante Le Bouche à Oreille tinha recebido uma celebrada estrela Michelin. Véronique recebeu a notícia com uma risada alta, porque ela sabia que deveria haver algum engano. Sua brasserie, decorada com toalhas plásticas xadrez, tem lugar para apenas 20 pessoas, abre só para o almoço, e serve menus de comida caseira, como o tradicional bouef bourguignon, a 12 euros para operários da cidade.  Nada a ver com os ambientes estrelados do guia, com receitas caríssimas, ambientes requintados e chefs renomados por trás do balcão.

A fachada do falso estrelado - foto: Google Street View
A fachada do falso estrelado – foto: Google Street View

Ela estava certa. Menos de uma semana depois, a assessoria do guia anunciou o engano, pedindo desculpas aos dois estabelecimentos. O verdadeiro estrelado é o restaurante Le Bouche à Oreille (boca-a-boca, em tradução livre), que fica na Rue de la Chapelle, em Boutervilliers, perto de Paris, enquanto o de Véronique fica na Route de la Chapelle, a 190km dali. O primeiro é comandado pelo chef Aymeric Dreux, e já tinha uma estrela desde 2015. Lá, o menu completo, com flan de lagosta e miolo de vitela, sai por 48 euros.

O verdadeiro ganhador da estrela Michelin, Le Bouche à Oreille em Boutervilliers. - foto: Divulgação
O verdadeiro ganhador da estrela Michelin, Le Bouche à Oreille em Boutervilliers. – foto: Divulgação

O erro saiu apenas no site da Michelin – no guia impresso e no app a informação estava correta – e foi corrigido em poucos dias. Mas a bagunça estava feita. Véronique viu seu seu restaurante encher de caras novas, formar filas de espera, e seus 4 funcionários tiveram que se desdobrar para atender todo mundo. Com a confusão, Aymeric ligou para Véronique, e ambos riram da situação. Mas provavelmente só porque ninguém sofreu prejuízos com o erro.

O Guia Michelin foi criado em 1900, pelos irmãos Ándre e Édouard. Eles criaram a marca de pneus 11 anos antes, e a ideia do guia era justamente fazer as pessoas viajarem mais – e assim gastar mais os pneus para comprar mais. As dicas eram, inicialmente, de hoteis, mecânicos e postos de gasolina, raros naquela época. Foi só no fim da década de 20 que o guia começaria a fazer as resenhas gastronômicas que o fariam tão famoso. Hoje, ganhar uma estrela (ou mais) da instituição é o equivalente a ganhar um Oscar para um ator. A Michelin hoje pode construir celebridades da comida, ou acabar com carreiras longas.

Todo esse poder não viria sem muita controvérsia. Para começo de conversa, muita gente acusa o guia de ser elitista e esnobe, já que só são dadas 2 ou 3 estrelas para estabelecimentos caros, com serviço pomposo e comida ‘conceitual’. Muitos chefs inclusive mudam seus cardápios para criar receitas extravagantes que possam impressionar os juízes anônimos. Realmente, para reles mortais como nós, alguns pratos dos mais reconhecidos restaurantes do mundo parecem piadas de mau-gosto (no pun intended) para nosso estômago classe média.

Outra crítica ao guia é que o frisson causado pelas suas escolhas fez muitos chefs reconhecidos se importarem mais com estrelas do que com a própria comida. O próprio Daniel Boulud, verdadeira celebridade da cozinha em Nova York, recentemente perdeu uma de suas 3 estrelas e atribuiu isso a querer ser consistente e previsível, e voltar às origens de cozinhas de forma mais emocional. Já tem muito chef recusando as estrelas justamente para se afastar da pressão da instituição.

Por último, um dos maiores problemas do Guia Michelin está exatamente no público que invadiu a pequena brasserie da Véronique. Na era da rede social, onde todas as experiências são compartilhadas com todos que nos cercam, o status alcançado pelo registro de um prato estrelado é mais importante que a comida em si, o ambiente da refeição e memória afetiva do momento. Likes valem mais que sabores.

Como comer no século 21.
Como comer no século 21.

Nos últimos anos, a Michelin passou a olhar com mais carinho para a soul food, aquela que conforta o espírito tanto quanto os olhos, e alguns poucos restaurantes mais modestos foram timidamente condecorados. É o caso do Tsuta, no Japão e, mais recentemente, de duas barracas de mercado em Cingapura que servem pratos de 2 dólares. Quem sabe o próprio Le Bouche à Oreille (o de Bourges) não teria ganho uma estrelinha se os juízes tivessem efetivamente passado por lá. Quando perguntaram à cozinheira do restaurante, Penelope Salmon, se ela achava possível ganhar uma, ela respondeu: “De jeito nenhum! Eu cozinho com o coração.

Penelope, a cozinheira, e Véronique, a dona do Le Bouche à Oreille - foto: Le Berry Républicain
Penelope, a cozinheira, e Véronique, a dona do Le Bouche à Oreille – foto: Le Berry Républicain

*foto do destaque: www.bespokeyachtcharter.com

Quem escreveu

Renato Salles

Data

15 de March, 2017

Share

Assine nossa newsletter