De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Erwin Wurm: O cotidiano transformado em arte

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

10 de March, 2017

Share

Apresentado por

Já na primeira sala da exposição “O corpo é a casa”, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil, desde 25 de janeiro, o curador Marcello Dantas já avisa: Erwin Wurm faz as pessoas gostarem de arte. Isso porque o artista usa toda a irreverência e humor, deslocando e distorcendo objetos do dia a dia, que faz o trabalho dele ser muito acessível.

Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin

Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin

Passado esse primeiro contato, nota-se o quão completo seu trabalho é. E Marcello, de novo, acerta em cheio quando diz que ele é “como a mosca na sopa da sua mãe”. Segundo o próprio Wurm, seu trabalho fala sobre o ser humano em toda sua totalidade: do aspecto físico, espiritual, psicológico e político. E quando você passa para essa fase, você começa a notar as nuances de seu trabalho, as sutis referências a sua infância em uma Áustria pós-guerra, a crítica ao consumismo e até mesmo as dietas alimentícias. E aí que vemos toda a sua genialidade, toda sua ousadia e originalidade.

A exposição

Sua exposição no CCBB começa antes mesmo de se entrar no lugar: de longe já dá para ver camas, estantes e outros móveis pendurados no prédio. Ao entrar, damos de cara com a Fat House (Casa Gorda), uma instalação gigante que pesa cerca de 2 toneladas. Dentro dela, um vídeo da própria casa filosofando se é uma casa ou um trabalho artístico.

Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin


A exposição começa no quarto andar, e desce até o subsolo. No segundo andar rola o One Minute Sculptures, onde o público é convidado a interagir com as obras. Funciona assim: ele dispõe alguns objetos e uma instrução de como eles devem ser usados – é claro que de maneira não-convencional. O visitante deve permanecer por ali durante 1 minuto, pode tirar fotos e tudo mais. Essa série existe desde os anos 80, fazendo as pessoas questionarem a própria definição de escultura. É possível ver por ali também um dos carros da série Fat Car e o The artist who swallowed the world. São cerca de 40 obras.
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin

Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin

Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin
Erwin Wurm no CCBB. Foto: Daniella Valentin

Vale lembrar que no dia 15 de março o próprio Erwin Wurm estará no CCBB para dar autógrafos e falar sobre seu processo criativo. O evento é de graça e os ingressos poderão ser retirados uma hora antes do evento, que está marcado para às 17h.
Erwin Wurm – O Corpo é a Casa
CCBB. Rua Álvares Penteado, 112 – Centro
Até 03 de Abril, de quarta a segunda, das 9h às 21h
Os ingressos são gratuitos – Reservas podem ser feitas aqui

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

10 de March, 2017

Share

Apresentado por

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.