Documentário mostra imagens raras da Coréia do Norte

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

22 de November, 2017

Share

A Coréia do Norte habita o imaginário de muita gente. Mesmo ouvindo relatos de quem já foi, não dá muito para imaginar como é estar lá cercado de guias oficiais do governo, mostrando o país sob a ótica deles.

Os Estados Unidos proibiram recentemente portadores de passaporte norte-americano de viajarem ao país. Além de não terem relações diplomáticas com a Coréia do Norte, considera uma viagem de risco aos seus cidadães. Somente jornalistas e agentes humanitários podem entrar com pedido especial para fazer a viagem.

A filmaker americana Christina Choe, de família coreana, esteve na Coreia do Norte há alguns anos e, secretamente, filmou os passeios, as pessoas, as conversas com os guias, as cidades e tudo mais que é proibido filmar ou mesmo fotografar. A partir do material colhido, ela lançou o mini documentário “Welcome to the DPRK“, de trinta minutos, divididos em 4 episódios. O filme traz imagens raras e nunca vistas antes por quem nunca esteve no país. Há curiosidades como conversas sobre escolha de religião, casamento e a visão que eles tem em relação aos Estados Unidos, além de uma apresentação musical feita por crianças extremamente maquiadas, que é bem surreal. No último episódio ela é enquadrada pelos guias que afirmam saber que ela está fazendo um filme.

Vale muito a pena assistir:

Para assistir os demais episódios: 2, 3 e 4.

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

22 de November, 2017

Share

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.