De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Viajando pela Coreia do Norte

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

12 de August, 2014

Share

Lugares proibidos sempre habitam nosso imaginário. Coréia do Norte está com certeza no topo dessa lista, já que é uma odisséia inimaginável conseguir visitar o país.

Li dois relatos completamente distintos de pessoas que visitaram a Coréia do Norte. A primeira foi a Juliana Cunha, que diferentemente da maioria, conseguiu viajar por lá sem um guia a tiracolo. Ela viajou com um amigo diplomata, não precisou ficar hospedada em um hotel, pode visitar “mais ou menos” os lugares que quis e até email conseguiu enviar, que como ela mesma disse “é o luxo do luxo”.

O segundo foi o pessoal do “Não conta lá em casa”, que detalharam como funciona uma visita “normal”. Tiveram o visto aprovado e do início ao fim da viagem tinham dois guias a tiracolo desde o momento em que saíam do quarto do hotel. Eles tinham cada passo dado controlado, além de também receber informações sobre o país totalmente controladas, que sempre mostravam um país perfeito, o qual sabemos que está longe de ser.

Na época em que li ambos os relatos, minha curiosidade saltou ainda mais sobre esse país. Não está ainda no meu top 5 lugares para ir, pois algo que gosto muito nas minhas viagens é justamente a liberdade de ir e vir. Porém, ando cada vez mais curiosa com culturas mais fechadas, que trazem outros tipos de reflexões para as nossas vidas. Mas para isso, eu preciso começar a me exercitar, pois é a viagem é completamente outra.

pyongyang - foto: Maxim Tupikov - shutterstock.com
Pyongyang – foto: Maxim Tupikov – shutterstock.com

Por isso esse vídeo “Enter Pyongyang” me impressionou tanto. Primeiro porque ele dá uma visão mais clara de como é Pyongyang, capital e a maior cidade da Coréia do Norte. O vídeo é um belo time-lapse produzido em conjunto com a Koryo Tours com o inglês Rob Withworth. Apesar de parecer uma propaganda do governo, a Koryo Tours é uma empresa chinesa especializada em turismo na Coréia do Norte e não ligada diretamente ao governo coreano.

As informações sobre quantos turistas visitam o país não são abertas, mas estimam-se que entre 4.000 e 6.000 pessoas por ano. O maior número de visitantes vem justamente da China. O diretor do filme garante que não teve qualquer ajuda do governo local, não filmou em lugares proibidos, não foi pago para fazer o filme e não teve qualquer intervenção na edição final.

Diferentemente das imagens que costumamos ver da Coréia do Norte, nesse filme ele mostra as pessoas circulando, a cidade em movimento e até um ou outro coreano sorrindo. Ele me trouxe um pouco mais perto da impressão que a Juliana comenta no seu post sobre Pyongyang:

“Pyongyang não se parece em nada com o que eu imaginava. É melhor. Dezenas de vezes melhor. A pessoa tem que ir e ver o que é porque não dá para explicar. Eu sei que se pode dizer isso de qualquer lugar, mas raramente é verdade. Você não precisa ir a Nova York para saber o que é. Durante toda a sua vida metade dos filmes que assistiu te falavam sobre como Nova York era, de cada ponto de vista, de cada esquina possível. Tudo que o ocidente vê sobre Pyongyang são paradas militares. Como se a cidade inteira vivesse um eterno Sete de Setembro. De certo modo ela vive — um quarto da população trabalha para o Exército — por outro lado, não é bem assim.”


Enter Pyongyang from JT Singh on Vimeo.

Para quem ainda não tem noção do quanto a Coréia do Norte é fechada (vai que alguém aí esteve em órbita), basta se inteirar sobre a trollagem feita pelo Cid, do Não Salvo, na Copa do Mundo. O fato do país ser totalmente controlado, pareceu factível, apesar de absurdo, que os noticiários mostravam cenas da Copa informando que a Coréia do Norte estava na final. Foi tão pertinente que os principais jornais do mundo deram total atenção à notícia, publicando-a como se fosse verdade.

*Foto destaque por Anton_Ivanov – shutterstock.com

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

12 de August, 2014

Share

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

Comentários

  • Achei interessante o metrô de Pyongyang ser praticamente idêntico aos de Moscou: desde as catracas às lindas e decoradas estações. Tenho muita curiosidade em conhecer, mas não sei quanto tempo aguentaria no país...
    - Eduardo Shiota Yasuda
  • Gui, passa o contato desse cara, quem sabe ele não rende uma boa entrevista para nós! A Juliana Cunha é outra, uma jornalista que escreve muito bem, vc tem que ler as coisas dela! http://julianacunha.com/blog/
    - Renato Salles
    • Imaginei que não fosse ela mesmo. Pode deixar que quando eu chegar no começo de setembro falamos sobre isso e te pontoem contato com ele. Abs!
      - Gui S
  • Um cara que trabalha comigo só faz essas viagens estranhas. Nesse exato instante ele está no Irã e depois ia para o Azerbaijão... Ele já fez um tour de 15 (!) dias pela Coréia do Norte e as histórias são realmente fora do comum. Um povo muito sofrido na mão de uma linhagem de déspotas. Agora fiquei curioso em saber se essa Juliana Cunha é a que eu conheço... o link não abre.
    - Gui S
    • Gui, quero muuitoooconhecer esse cara. Como faz pra gente falar com ele?
      - Lalai Persson

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.