De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Adastra e Risco: o espetáculo do Balé da Cidade

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

28 de March, 2017

Share

Ir ao Theatro Municipal por si só já é um programão, mas sempre é melhor quando o que assistimos nos toca de alguma forma. Fui na sexta passada assistir a ‘Adastra e Risco‘, a primeira apresentação da temporada 2017 do Balé da Cidade de São Paulo. Essa estréia teve um gostinho especial: Ismael Ivo dirigiu o espetáculo, se tornando o primeiro bailarino negro nessa posição em toda a história do teatro.
Ismael é nascido na Vila Ema, em São Paulo, e mora desde 1985 na Europa. Ele é um dos criadores do ImPulsTanz, que acontece em Viena e é um dos festivais de dança contemporânea mais importantes do mundo. Foi também o primeiro negro e estrangeiro a dirigir a companhia de dança do Teatro Weimar. Ivo, que assumiu o posto no Theatro Municipal esse ano, depois de ter sido convidado pelo secretário municipal de cultura André Sturm em dezembro passado, diz que fará temporadas temáticas e contará com convidados internacionais.

Ismael Ivo. Foto: Sokratis Nikoglou
Ismael Ivo. Foto: Sokratis Nikoglou

A primeira coreografia apresentada é Adastra, do catalão Cayetano Soto, criada em 2015 e que tem o nome inspirado no lema do brasão da Força Aérea Britânica, per adua ad astra – ‘por meio das dificuldades se chega às estrelas’. Depois entra Risco, coreografia nova com diretor cênico Sérgio Ferrara. Adastra é mais simples, não usa elementos externos e a trilha sonora é perfeita e primorosa, do italiano Ezio Bosso. É daquelas apresentações que tira o ar de tão bonita que é.
Risco. Foto: Arthur Costa
Risco. Foto: Arthur Costa

Já Risco é uma produção mais complexa. Não só complexa, como ousada também. Dá para ver a intenção de Ismael de colocar mais da cidade na dança, de tratar do corpo na cidade. Nela, se vê muito grafite, corpos pintados, água, para um final triunfal, com parte dos bailarinos pendurados.
Risco. Foto: Dani Valentin
Risco. Foto: Dani Valentin

O espetáculo fica no Theatro Municipal até dia 1 de abril. Depois, a companhia volta em junho para novas apresentações.
Dia 30, 31  e 1 de abril, às 20h
Ingressos a R$ 100 no setor 1, R$ 80 no setor 2 e R$35 no setor 3 (Compre aqui)
Dia 29 de março, às 16h
Ingresso a R$ 20 para todos os setores (Compre aqui)

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

28 de March, 2017

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.