Arte & Cultura

Uma viagem pelo Barroco latino

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

05 de February, 2016

Share

Aposto que pensou nas cidades mineiras, não foi? Aí, devo dizer que você lembrou só um pedaço da história. Surgido na Europa, no século 15, o barroco atravessou oceanos e seus monumentos estão espalhados por várias cidades do mundo ainda hoje. Dramático, o estilo valoriza as cores, os contrastes entre claro e escuro, os efeitos decorativos, as curvas e o movimento. Une arquitetura, escultura e pintura, com temas que variam entre a mitologia, as passagens bíblicas, a vida da nobreza, o cotidiano da burguesia e as naturezas-mortas. Financiados pelos monarcas, burgueses e pela Igreja Católica, muitos artistas barrocos dedicaram-se à construção e à decoração de castelos, catedrais, igrejas e mosteiros. O barroco, então, tem um caminho e tanto até as igrejas de Ouro Preto, Tiradentes e Mariana.

Igreja do Carmo em Olinda (foto: Shutterstock - Marcio Jose Bastos Silva)
Igreja do Carmo em Olinda (foto: Shutterstock – Marcio Jose Bastos Silva)

Na verdade, dá para planejar uma viagem incrível pela América Latina acompanhando esse movimento artístico. Quer saber quais seriam as principais paradas nesta jornada? Vamos lá!  

O primeiro ponto de parada é a Catedral Metropolitana do México. Ela foi construída sobre o Templo do Sol – lugar sagrado para os astecas – e demorou três séculos para ser finalizada. Ela é gigantesca: possui 4 fachadas, 25 sinos, 16 capelas laterais, das quais 14 são abertas à visitação. Os espanhóis queriam mesmo apagar a cultura asteca, mas acho que não deu muito certo. Os arredores da Catedral é cheio de outras construções da antiga civilização.

2 Catedral Metropolitana do MÇxico 1573 1813 Foto Osmar Castellanos
Catedral Metropolitana do México (Foto: Osmar Castellanos)

No centro histórico de Quito, a estratégia dos colonizadores foi outra. Construída com pedra vulcânica e interior decorado com folhas de ouro, a Igreja da Companhia de Jesus foi inspirada na Basílica de São Pedro, em Roma. Porém, na porta de entrada e por todo o templo, é possível ver os símbolos do sol, da lua e das culturas pré-colombianas. O sol era o ícone mais importante para os incas e os espanhóis acreditavam que a decoração da igreja com essas imagens poderia atrair novos fiéis.

Companhia de Jesus Quito (Foto: JPM)
Companhia de Jesus Quito (Foto: JPM)

A Catedral da Virgem Maria da Conceição Imaculada de Havana, Cuba, é a nossa terceira parada. Construída entre 1748 e 1787, a igreja tem duas torres desiguais. Seu interior não é barroco, isso porque a decoração externa demorou tanto para ser acabada que, quando começaram a trabalhar a parte interna, o estilo da moda já era o clássico. Os afrescos acima do altar, por exemplo, são do final do século 18 e as pinturas que decoram as paredes são cópias de originais de Murillo e Rubens dos séculos 16 e 17.

Catedral de Havana (foto: akasenn)
Catedral de Havana (foto: akasenn)

Depois de Havana, partimos para o “umbigo do mundo” – era assim que os incas chamavam Cusco. Na Plaza de Armas, duas construções chamam a atenção: a primeira é a catedral, com planta em forma de cruz latina, construída em 1559 sobre o antigo palácio inca Viracocha e finalizada em 1669. A segunda construção é a Igreja de la Compañia, erguida pelos jesuítas a partir de 1576, no local onde ficava o palácio Amarucancha do rei inca Huayna Cápac. Em 1650, a igreja foi seriamente abalada por um terremoto e sua reconstrução durou 17 anos. Ainda, no Peru, só que agora, em Lima, o Convento e Igreja de São Francisco é a próxima visita. A decoração é toda trabalhada em ouro e madeira. Mas o que impressiona são as grandes telas que mostram cenas da vida de São Francisco e as catacumbas com centenas de crânios expostos.

Plaza de Armas, Cusco (Foto: Karen Walker)
Plaza de Armas, Cusco (Foto: Karen Walker)

Agora, vocês vão me perguntar: E o Brasil, nessa viagem pelo barroco? E eu vou responder: é quase um capítulo à parte. O barroco trazido pelos portugueses era mais simples e não tinha preocupações com a cultura anteriormente existente. Em Salvador, o grande destaque é a Igreja dos Jesuítas, hoje a Igreja Catedral Basílica. Os traços barrocos estão na capela, com seus cachos de uva, pássaros, flores tropicais e anjos-meninos. A partir de 1759, com o grande crescimento econômico, Recife e Olinda também investiram em construções barrocas. Dentre as mais bem conservadas, destaca-se a igreja de São Pedro dos Clérigos, em Recife. A fachada barroca de pedra e a verticalidade do edifício são incomuns nas igrejas brasileiras do século 18.

Igreja Catedral Basílica de Salvador (Foto: Fernando Rangel)
Igreja Catedral Basílica de Salvador (Foto: Fernando Rangel)

A terceira parada é o Rio de Janeiro, cujo principal representante do estilo barroco é a Igreja e o Mosteiro de São Bento, decorados com centenas de folhas de ouro, uma multidão de anjinhos e muitos pássaros. O Rio de Janeiro se diferencia das outras cidades pela tendência ao rococó (período final do barroco, com menos curvas e ornamentos). O Passeio Público e o Chafariz da Pirâmide do Mestre Valentim são rococós, sabia?

O Mosteiro de São Bento durante a Missa do Galo (foto: Halleypo)
O Mosteiro de São Bento durante a Missa do Galo (foto: Halleypo)

Algumas cidades paulistas (Santos, São do Luiz Paraitinga, Iguape, Bananal e São Paulo) têm um barroco mais simples ainda: as imagens e esculturas são em geral rústicas e primitivas, feitas de barro cozido. O pintor paulista mais conhecido deste período é Jesuíno do Monte Carmelo. A igreja de Nossa Senhora da Luz, construída por volta de 1600, é um dos poucos exemplos da arquitetura colonial na cidade de São Paulo.

A Ordem Terceira de São Francisco, em Mariana (foto: Agência Brasil)
A Ordem Terceira de São Francisco, em Mariana (foto: Agência Brasil)

Por último, como ponto final nessa viagem, colocamos a região de Minas Gerais, destacando a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco de Assis da Penitência, que tem planta, pinturas, esculturas, altar e púlpitos de autoria de Aleijadinho. No teto, há uma pintura ilusionista de Manoel da Costa Athaíde. Outra grande parceria desses dois artistas é o conjunto de esculturas Passos da Paixão de Cristo para o Santuário do Bom Jesus dos Matozinhos em Congonhas do Campo. É nesse mesmo santuário que Aleijadinho deixou os seus 12 profetas de pedra-sabão.

Foto do destaque: Shutterstock – Curioso

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

05 de February, 2016

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter