Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Natura no SXSW

A Natura participou do Festival SXSW, maior evento de economia criativa do mundo, fazendo parte do movimento #BrazilInspiresTheFuture.

São Luiz do Paraitinga – renascida depois da tragédia

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

21 de November, 2016

Share

Patrocínio

São Luiz do Paraitinga é um dos mais importantes destinos turístico do Vale do Paraíba e uma das 29 cidades paulistas consideradas estâncias turísticas pelo Estado de São Paulo. O Centro Histórico da cidade, repleto de casarões da época colonial, é declarado Patrimônio Cultural Brasileiro.

A cidade sofreu uma tragédia em 2010. A enchente no começo daquele ano causou muitos estragos para a população e fez com que o município perdesse oito de seus edifícios históricos. Porém ela se recuperou e foi reconstruída, e hoje se vê muito pouco que lembre esse triste episódio.

Parahitinga vem do tupi-guarani e significa “águas claras”.

Como chegar

São dois bons caminhos para quem sai de São Paulo: Pela Dutra, pegue sentido Rio de janeiro até Taubaté. Entre na saída 111 na Rodovia Oswaldo Cruz, em direção à Ubatuba. Depois de 43 quilômetros, entre no trevo para Lagoinha e siga em frente até encontrar um novo trevo. Vire à direita e siga mais 1,5 quilômetros até chegar em São Luiz.

Pela Ayrton Senna, siga no sentido Vale do Paraíba até Taubaté. Pegue a saída 111 e siga o mesmo percurso acima.

Onde comer

O cardápio do Sol Nascente pede para o cliente não ter pressa. A cozinha é artesanal e os pedidos podem demorar.  Por isso, não vá se estiver na correria ou você vai se estressar. É lugar para ir comer naquela tarde preguiçosa, bater um bom papo enquanto espera a comida super saborosa e feita com carinho. Comida de vó mesmo. Tem pratos com toque oriental, mas as estrelas são os com influência regional brasileira, como a vaca atolada e o boi embriagado. E o sorvete caseiro de sobremesa é indispensável.

Sol Nascente
Endereço: Largo das Mercês, 2, Centro
Telefone: (12) 9970-77444
Horários: Segunda, das 17h às 21:30h; Terça a quinta, as 11h às 22h; Sexta e sábado, das 11h às 00h; e domingo das 11h às 17h

O Cantinho dos Amigos é o típico restaurante do interior: mesas espalhadas por um salão grande, telas de TV e uma atração musical com o violão ao vivo. Nada de glamour, mas com um ótimo atendimento e boa comida, além do preço excelente. A maioria dos pratos serve duas pessoas e é bem caprichada. Comida brasileira no fogão a lenha, com opções de massas e pizzas.

Cantinho dos amigos
Endereço: Rua Coronel Domingos Castro, 121, Centro
Telefone: (12) 3671-1466
Horários: Segunda a quinta, das 11h às 22h; Sexta e sábado, das 11 às 0h; e domingo, das 11h às 22h

A vista para o vale no Refúgio 7 Cachoeiras é um dos pontos altos do restaurante. Ali tudo é feito no fogão a lenha em panelas de barro, ferro e pedra. O self-service é de comida brasileira, utilizando produtos frescos da própria horta e de produtores vizinhos.

Refúgio Sete Cachoeiras
Endereço: Caminho Turistico do Pinga nº 2.500 – Catuçaba
Telefone: (12) 3671-6201

Ao lado do Mercado Municipal fica o Mai será o Binidito dedicado à gastronomia, ao cinema e à cultura local. Além de pratos, como o nhoque recheado ou o escondidinho, é possível se esbaldar nas comidinhas de boteco. O restaurante tem ainda uma lojinha com produtos da região para levar para casa.

Mai será o Binidito
Endereço: Rua Monsenhor Ignacio Gioia 380, Centro
Telefone: (12) 3671-1527

Onde petiscar

Na rua mais movimentada a noite do centro histórico da cidade, fica o Chukuritu’s Bar, que foi aberto recentemente. Apesar de servir almoço e até opções de café da manhã, a melhor pedida é ir a noite, sentar nas mesinhas do lado de fora e aproveitar as porções gostosas e generosas que a casa oferece. O atendimento é ótimo, e aos sábados rola música ao vivo.

Chukuritu’s Bar
Endereço: Rua 31 de Março, 67, Centro
Telefone: (12) 99790-0143
Horários: Quarta e quinta, das 8h às 23h; Sexta e sábado, das 8h às 2h; e domingo, das 8h às 22h

O que ver

O Centro Histórico de São Luiz do Paraitinga é pequeno e muito charmoso. A arquitetura é predominantemente da época colonial e no caminho você vai se deparar com capelas, casarões e coretos. Um dos pontos principais é a Igreja Matriz São Luiz de Toloza, que desabou em 2010 com a enchente e foi totalmente reconstruída em 2013.

Endereço: Praça Oswaldo Cruz

Também no Centro Histórico, e infelizmente muito impactada também pela enchente de 2010, a Capela das Mercês foi uma das primeiras edificações da cidade, tem paredes em taipa de pilão e telhas de barro. Foi completamente reconstruída, mantendo as características originais. Não é muito fácil entrar, normalmente fica fechada abrindo poucas vezes ao ano.

Endereço: Largo das Mercês

Oswaldo Cruz foi um famoso médico sanitarista, pioneiro no estudo de moléstias tropicais no país. A casa onde ele nasceu é hoje a Casa Dr. Oswaldo Cruz, com material não só sobre o médico, mas também sobre o desastre e reconstrução da cidade e sobre a história do carnaval por lá. A casa tem arquitetura colonial e data de 1834.

Endereço: R. Dr. Oswaldo Cruz

A Cachoeira Grande fica em Lagoinha, cidade vizinha de São Luiz do Paraitinga, e é a cachoeira mais conhecida da região. A propriedade é privada, paga-se 10 reais para entrar, mas além de estacionamento, você ainda tem restaurante, sanitários e até wi-fi gratuito para usar no lugar. A queda é de 40 metros e nos fins de semana dá para alugar equipamento ali mesmo para descer a cachoeira de rapel.

Como chegar: Siga pela estrada no sentido de Lagoinha, após aproximadamente 17 quilômetros existe uma indicação para entrar em uma pequena estradinha a direita que segue até a cachoeira. Endereço: Rodovia Nelson Ferreira Pinto, km 18,5, s/n – Zona Rural, Lagoinha

A Trilha das Sete Cachoeiras fica dentro da Eco Pousada Refúgio das 7 Cachoeiras – o mesmo do restaurante – e fica a aproximadamente 25 quilômetros de São Luiz. É preciso pagar o day use para entrar, o pacote incluindo almoço e lanche para a trilha sai R$120,00. Não é possível nadar em todas as cachoeiras e é preciso ter um pouco de condicionamento físico para agüentar o percurso. Porém é possível ir para o lugar apenas para descansar e aproveitar o restaurante.

Como chegar: Siga pela Rodovia Oswaldo Cruz no sentido Ubatuba. Ao chegar na entrada do Bairro de Catuçaba, siga em direção ao Bairro, e ao passar por ele, entre a direita em uma estrada de terra. Endereço: Caminho Turistico do Pinga nº 2.500 – Catuçaba

O Parque Estadual Serra do Mar – Núcleo Santa Virgínia foi inaugurada em 1989 com foco em pesquisa científica para a preservação das áreas restantes da Mata Atlântica. São várias trilhas, sendo a mais longa a Trilha do Ipiranga, que leva 6 horas, ida e volta. É preciso levar lanches e fazer o agendamento prévio para a visita.

Parque Estadual Serra do Mar – Núcleo Santa Virgínia
Endereço: Rodovia Doutor Oswaldo Cruz, Km 78
Telefone: (12) 3671-9159

Onde comprar

img_5089

Para produtos e artesanato local, uma dica básica é dar uma passada pelo Mercado Municipal, apesar de um pouco decepcionante. Verdade seja dita: o mercado não anda em sua melhor fase, está bem abandonado e com poucas opções, mas ainda dá para encontrar coisas interessantes por lá. O prédio foi construído em 1835, pelo Barão de Paraitinga, e tem a forma de um quadrilátero, com o pátio central aberto.

Endereço: R. Monsenhor Inácio Giolia

O requeijão da região é conhecido e provavelmente você vai provar quando estiver por lá. É feito por produtores rurais da própria cidade e é em barra. No centro, o melhor lugar para comprar é na Casa do Pão.

Casa do Pão
Endereço: Rua Coronel Domingues de Castro, 115
Telefone: (12) 3671-1852
Horários: Das 6h às 22h

Festivais

São Luiz é uma cidade que adora festejar, dá para notar pela quantidade enooorme de festivais que acontecem por lá todo ano. E como ela é muito pequeninha, é melhor se programar com bastante antecedência.

O Carnaval de rua é bem famoso e acontece já em janeiro ou fevereiro com o Festival de Marchinhas Carnavalescas. Tudo começou 30 anos atrás, quando alguns músicos da cidade se encontravam em bares e na praça para compor marchinhas. O negócio ficou sério e virou uma competição, com seletivas e a final acontecendo na Praça Oswaldo Cruz. O festival ficou tão famoso que até músicos famosos participam como jurados ou compondo, entre eles Arnaldo Antunes e Chico César.

Já o Carnaval de Marchinhas começa uma semana antes do calendário oficial, em Catuçaba, onde acontece o “Carnatuçaba”. Em São Luiz, quem abre o carnaval é o bloco Juca Teles, no sábado de carnaval, ao meio dia. A cidade conta ainda com blocos como o Bloco do Balacobaco, o Bloco do Rei Canário e o Bloco da Maricota.

A Festa do Divino Espírito Santo é a festa religiosa mais tradicional da cidade. Foi introduzida ainda pelos portugueses, e tem shows, missas, cavalhadas e os bonecos gigantes João Paulino e Maria Angú. No Mercado Municipal acontece a preparação do afogado, que é distribuído de graça para a população.  A data de realização é normalmente 50 dias após a Páscoa.

A festa junina em São Luiz tem nome próprio: Arraiá do Chi-Pul-Pul. É realizada no pátio do Mercado Municipal e, como qualquer festa junina que se preze, tem comidas típicas, quadrilha e fogueira. Tem ainda um festival de canções juninas com prêmios como galinha e porco.

O Halloween foi substituído na cidade pela Festa do Saci. Dia 31 é o dia dele e, por isso, a Praça Oswaldo Cruz se enche de atividades para as crianças, como oficinas, passeio de bicicleta e o Bloco do Saci.

Para valorizar pratos com ingredientes regionais, surgiu a Festa da Cozinha Caipira. No dia da festa, tem desfile de carros de boi e tropa, cozinha experimental, feira do produtor rural, shows e danças típicas.

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

21 de November, 2016

Share

Patrocínio

Chicken or Pasta

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.