De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Quando a cor triunfa

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

15 de June, 2016

Share

O “Triunfo da Cor – O pós Impressionismo” é uma das exposições mais legais desse ano. Isso porque 2016 já teve muita coisa foda passando por aqui: Tim Burton, Frida Kahlo, Mondrian, Pablo Picasso, é uma lista sem fim. Mas a exposição do CCBB consegue juntar várias obras-primas do Musée d’Orsay e Musée de L’Orangerie, daquelas que você só vê em livros de arte.
São 32 artistas, 75 peças. São artistas que inovaram no uso de cor nos seus trabalhos no final do século 19 e início do século 20 e foram chamados de pós-impressionistas pelo crítico inglês Roger Fry. A exposição ocupa 3 andares e o subsolo do prédio e é dividida em 4 módulos: A Cor Científica, No Núcleo Misterioso do Pensamento, Os Nabis e A Cor em Liberdade.
canon_0004_new2
Tudo começa no quarto andar, quando você já dá de cara com o “Fritillaires couronne impériale dans un vas de cuivre” do Van Gogh. Aqui são mostrados aqueles que se inspiraram nos estudos de Michel Eugène Chevreul com uma técnica onde ele aplicava pontos justapostos de cores primárias. Além de Van Gogh, nesse andar, é ainda possível ver quadros de Emile Bernard e Gauguin.
OctagonLite
No terceiro andar, encontramos muito pontilhismo. Gente como Signac e Seurat com a sua teoria de cor podem ser vistos por aqui. E, no segundo, o lugar é dado aos Nabis, gente coomo Serusier, Vallotton e Vuillard, com seu Autorretrato octogonal.  Nabis na verdade é a palavra hebraica para profetas, esses artistas defendiam a origem espiritual da arte e, antes de tudo, abraçavam a decoração como função primária dela.
gauguin.femmes-tahiti
No subsolo, encontramos A Cor em Liberdade. Lá estão muitos artistas que são chamados de “Fauves”(Feras selvagens) e que resolveram adotar cores fortes e qualidades pictóricas no lugar do realismo do Impressionismo. Aqui dá para ver Cézanne e Monet, bem como pinturas dde Gauguin quando este mudou para o Taiti.
Vou falar de novo: a exposição está realmente imperdível, e, o melhor de tudo, é ainda de graça. Fica em São Paulo até dia 7 de julho e depois parte para o Rio de Janeiro, onde fica até dia 17 de outubro.
Serviços:
O Triunfo da Cor – O pós Impressioninsmo
De 04/05 a 07/07, das 09h às 21h
Centro Cultural Banco do Brasil – Alvares Penteado, 112 – Centro
Entrada Franca – Agende uma visita aqui
* Foto de capa: Mauro Cateb
 

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

15 de June, 2016

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

Comentários

  • […] Toulouse-Lautrec, Cézanne, Seurat,  Matisse, que inovaram no uso da cor em seus trabalhos. É imperdível. De 20 de Julho a 17 de Outubro, 2016. CCBB, Rua Primeiro de Março, 66, Centro. […]
    - 7 perfis do instagram para curtir os bairros de São Paulo | SP 24hrs
  • Tá 07/07 nas infos a data de acabar. Só pra ajeitar. Esse blog é muito bom! :)
    - Tany
    • Oi Tany! Você está certa, eu sempre dou bola fora com datas haha. Ajustado! Beijos
      - Dani Valentin

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.