De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

O admirável palácio subterrâneo público de Moscou

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

03 de June, 2016

Share

Que tal uma aventura nos subterrâneos de Moscou? Quem viveu o restinho da Guerra Fria ou era fã dos filmes de espionagem (e, torcia para o espião soviético) precisa conhecer o metrô de Moscou – o monumento símbolo do triunfo socialista. Nessa viagem incrível, o destemido passageiro que enfrentar a malha ferroviária de 196 estações, distribuídas em 12 linhas e mais de 300 km de extensão, encontrará no seu caminho luxo, extravagância e muitas obras de arte.

Conhecido como “palácio subterrâneo” ou “palácio do povo”, o metrô de Moscou foi inaugurado em 1935, em pleno governo de Josef Stalin. O líder soviético exigiu que as estações fossem grandiosas com paredes de mármore, teto alto com lustres majestosos, mosaicos, pisos luxuosos e milhares de esculturas e decorações em alto relevo (o brilho dos palácios dos czares, agora, era para o proletariado).

3767212986_1084ff6681_b
Estação Elektrozavodskaya (foto: flickr.com/serger)
3767215454_22f767957d_b
Detalhe da estação Elektrozavodskaya (foto: flickr.com/serger)

Em muitas estações, as obras de arte são inspiradas na revolução socialista, enfatizando as figuras de Stalin, Lenin e outros líderes soviéticos. Durante e após o fim do regime, uma ou outra trocou de nome e muitas obras de arte foram apagadas, mas essas estações continuam mostrando o realismo social que orientou a arte russa no período.

As estações que passam sob o Rio Moscovo são profundas, entre 30 e 50 metros. Em 2003, a Park Pobedi superou os 85 metros de profundidade da superfície. E outras, construídas durante a II Guerra Mundial, foram planejadas para serem abrigos em caso de bombardeio

Estação Park Pobedy (foto: flickr.com/jaime.silva)
Estação Park Pobedy (foto: flickr.com/jaime.silva)

Já as estações construídas sob os governos de Nikita Kruschev e Leonid Brezhnev, entre os anos de 1950 e 1970, têm arquitetura mais simples, apenas com azulejos, colunas, formas e cores que as diferenciam. Dos anos 1980 para cá, as novas estações voltam a ser escandalosamente decoradas e arrojadas.

Das imperdíveis, destaque para a  Kropotkinskaya (linha 1 vermelha), Ploshchad Revolyutsii (linha 3 – azul escuro) e, as estrelas das estações: Mayakovskaya, datada de 1938, que homenageia o poeta russo Vladmir Mayakovsky (linha verde), com 33 metros de profundidade e com mosaicos impressionantes no teto; e Komsomolskaya (linha vermelha 1), símbolo do auge do período stalinista que mostra toda a glória da arte tradicional russa.

Estação Komsomolskaya (foto: flickr.com/teflon)
Estação Komsomolskaya (foto: flickr.com/teflon)

As andanças por essas estações exigem ousadia. Isto porque não há placas e tão pouco mapas em inglês. Tudo está no alfabeto cirílico. Pela mesma razão, desista de pedir informações aos funcionários ou outros passageiros. Todo o mundo só fala russo. Então, a dica é: use um mapa com as versões do alfabeto em latino e cirílico e memorize a palavra выход (saída).

Nesse mundo subterrâneo, nem tudo é perdido: todas as linhas do metrôs têm cores que as distinguem. Nas linhas que seguem para os bairros, nos alto-falantes, uma voz feminina anuncia as estações, e as que seguem para o centro são anunciadas por uma voz masculina (olha aí, outra dica para saber o sentido certo a seguir!).

Estação Dostoevskaya (foto: flickr.com/chaoticmind75)
Estação Dostoevskaya (foto: flickr.com/chaoticmind75)

Dos czares, dos líderes socialistas e de escritores como Mayakovsky, Moscou é uma cidade que reúne histórias admiráveis registradas em seus monumentos, como a Praça Vermelha e o Kremilin. Mas suas estações de metrô são um verdadeiro desafio para os aventureiros e caçadores de obras de arte, seja na superfície ou nos subterrâneos.

Estação Slavyansky Bulvar (foto: flickr.com/serger)
Estação Slavyansky Bulvar (foto: flickr.com/serger)

Foto do destaque: Flickr – Matt Doughty

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

03 de June, 2016

Share

Alecsandra Matias

Rata de galerias e museus, não perde a oportunidade de ir procurar aquela tela, escultura ou monumento famosos que todos só conhecem pelos livros.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.