De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Meus parabéns, São Paulo!

Quem escreveu

Jo Machado

Data

25 de January, 2016

Share

Eu não sou daqui. Nasci e cresci no Rio Grande do Sul, mas sempre tive uma queda, um tombo por metrópoles, por cidades grandes, cosmopolitas, heterogêneas. E viver em São Paulo, por mais que inconsciente, já era um desejo meu. Sempre que pude, visitei São Paulo enquanto vivia lá no Sul, sempre com aquele sentimento de encantamento, de deslumbre, cheio de curiosidades.

Screenshot_2015-11-23-20-02-46-1
Foto de @machado_jo

Isso até que em meados de 2009 uma situação feliz me trouxe para viver por aqui. Os primeiros dias foram um pouco estranhos, barulhentos e até amedrontadores. O som dos pássaros foi abafado pelo som das buzinas, dos ônibus, do burburinho dos transeuntes. Apesar de tudo isso, São Paulo já me envolvia em um sentimento de “nos conhecemos há anos”.
E foi assim que eu vivi dia após dia. O primeiro ônibus errado, o primeiro metrô no sentido contrário, a primeira rua que eu entrei sem querer. A cidade me propunha armadilhas cotidianas que, por mais irritantes e as vezes assustadoras, eram divertidas. Andar pela ruas sozinho à noite sempre me dava frio na barriga. Era gostoso descobrir caminhos novos para casa na volta do trabalho, ouvindo música, como se estivesse só nessa multidão. Até que sofri o primeiro assalto. Foi o primeiro dia que eu te odiei, São Paulo. Não pelos bens materiais, afinal foram poucos, mas pelas pessoas, pela violência, e principalmente por ter me arrancado aquele sentimento gostoso de andar pela rua e me por em um estado que beirava o pânico.
Screenshot_2015-11-23-08-50-16-1-1
Foto de @cacokonzen

Eu já não andava mais tranquilo. Eu já olhava para os lados em toda rua isolada ou vazia por onde eu caminhava.
Mesmo com essa sensação latente de insegurança, persisti e deixei o tempo trazer de volta aquela sensação gostosa de viver a cidade. Como não poderia ser diferente, o tempo curou esse ranço.
Hoje, sinto que São Paulo é a fada madrinha do meu conto de fadas. Viajei o mundo, conheci outras culturas, lugares e pessoas, cidades tão grandes quanto ela, mas nenhuma me faz sentir assim, desafiado e amparado ao mesmo tempo. Sampa me deu tudo o que eu tenho e me fez tudo que eu sou hoje.
IMG-20151207-WA0008
Foto de @machado_jo

Percebo pelos amigos que me cercam, na sua maioria imigrantes, que São Paulo é mais amada e entendida por quem veio de fora. Geralmente isso não é regra, quem nasceu aqui, vive muito mais uma relação de amor e ódio com a cidade. E isso me chateia de verdade! Contrariando isso, familiares e amigos meus vindos de fora, se apaixonam pela cidade. A minha mãe por exemplo, prefere mil vezes vir a São Paulo do que eu ir visitá-la lá no Sul. Certo, Dona Iara?
São Paulo tem tudo que a gente precisa! Uma cidade completa, recheada de opções para comer, beber, assistir, visitar, conhecer, reconhecer, crescer e criar raízes. Tem seus defeitos, que não são poucos, mas olhe ao seu redor. São Paulo, na minha opinião é maior que os seus defeitos. São Paulo é solução!
 
Foto de @lalai

Imagine uma coisa que você gostaria de comer nesse exato momento. Provavelmente em São Paulo tem. Imagine uma experiência que você gostaria de viver. Provalemente São Paulo pode te proporcionar.
A grande chave para viver bem aqui é entender e aceitar a cidade como um todo. Perceber que é o seu lar e que você precisa amá-lo como seu. Outro dia li um texto lindo da Ruth Manus, que falava exatamente porque ninguém nos ensina a amar a cidade. Com esse pensamento, você encara a cidade com mais paz, mais calma, mais compreensão. São Paulo precisa de mais amor. Pense nisso! No seu lar, você quer as coisas limpas, organizadas, arrumadas e funcionando. E é isso que você precisa querer para a cidade. Sei que tem muita coisa fora do lugar, suja e desorganizada, mas encarando a cidade como seu próprio lar, você vai entender que nem sempre dá tempo de lavar a louça.
20150920_214314
Foto de @machado_jo

São Paulo precisa mais de você do que você dela. São Paulo carece de entendimento, de paciência, mas acima de tudo de persistência. Não desista! Melhore! Empenhe-se em fazer uma cidade melhor. Garanto que vai doer menos que fazer as malas e ir viver longe das milhões de possibilidades que a nossa Sampa oferece.
Como alguns dizem sobre Nova Iorque, São Paulo também é um estado de espírito, não uma cidade.
Do fundo do meu coração, obrigado por me tornar um homem melhor, cidade maluca. Feliz aniversário, São Paulo! Espero que comemoremos muitos aniversários juntos. Saúde para você!

Quem escreveu

Jo Machado

Data

25 de January, 2016

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.