De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Desvendando mistérios no Escape 60

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

19 de April, 2016

Share

Quando recebemos o convite para conhecer o Escape 60, reconheço que fui a primeira a dizer “Eu não vou”. Pra ser bem sincera, eu sou deveras preguiçosa e não muito fãs de jogos que requerem muita interação. Porém tínhamos que formar o time, tinha que ter um quorum mínimo etc etc, ou seja, não teve muito como ‘escapar’. Confesso aqui que fui a contragosto e que eu estava completamente errada. Foi uma das coisas mais legais que fizemos por aqui e passei dias contando para os amigos da experiência.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

A sala escolhida para a gente foi a do corredor da morte: há 12 anos, você foi preso injustamente por um assassinato e agora está no corredor da morte. Em uma hora será executado. Além disso, você sabe que uma pessoa já conseguiu a proeza. Esse é o desafio e através de dicas em todo o lugar, a gente tem que conseguir sair nesse tempo.
Foto Divulgação
Foto Divulgação

Eu começo falando do cenário que é muuuito bem feito. A cela é replicada perfeitamente com todos os detalhes: cama, armarinhos, objetos como rádio, e até um banheirinho daqueles de prisão mesmo. No nosso caso, tínhamos ainda a salinha extra do policial, com cadeiras, livros, armários de arquivos e um monte mais de coisas. Hoje existem mais  cenários além desse, como um inspirado em Assassin’s Creed ou uma operação para resgatar sua prima desaparecida. Porém esses cenários mudam com o tempo e por unidade – nós fomos no do Itaim; em Moema por exemplo, são 4 cenários completamente diferentes. Por isso é sempre legal dar uma olhada no que está disponível no site para agendar.
Foto Divulgação
Foto Divulgação

A primeira coisa que você nota quando entra na sala é um cronômetro mostrando quanto tempo te resta. Se é a primeira vez que você está participando de algo do tipo, é normal ficar perdido e não saber muito o que fazer. A gente ainda tinha um agravante: fomos algemados em dupla. Depois de um tempo, você começa a achar as pistas e a fazer sentido dessas pistas. É claro que tem várias pegadinhas de coisas que parecem pistas mas na verdade não são. Não vou contar muito mais para não acabar com a brincadeira.
Nosso time vencedor
Nosso time vencedor

A boa notícia é que o nosso grupo conseguiu escapar da prisão – e diga-se de passagem, na época fomos os recordistas. Mas já digo: não é fácil, ainda mais com o tempo correndo ali dando aquela pressão extra. Enfim, vale muito a pena e é muito divertido, perfeito para um encontro de amigos ou até mesmo um team building da “firma”. Nós aqui já estamos marcando o próximo.
Serviços:
Escape 60
Em São Paulo: Rua Baluarte, 18, Itaim Bibi e Alameda dos Jurupis, 1479, Moema
Horários: No Itaim: de domingo a quinta, das 9 às 22h; nos outros dias das 10 à 1h. Em Moema: de domingo a quinta, das 10 às 20h; Nos outros dias, abre no mesmo horário e fecha às 22h
Preço: de R$69 a R$79 por pessoa, de acordo com o horário. Cada reserva deve contemplar no mínimo 4 pessoas.

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

19 de April, 2016

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.