De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Casa Tpm 2016: A mulher e a sociedade brasileira

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

02 de August, 2016

Share

No fim de semana passado rolou, tanto no sábado como no domingo, a quinta edição da Casa Tpm, evento da revista Tpm que promove a discussão e a reflexão sobre o universo feminino, passando por temas como aceitação do próprio corpo, condição da mulher na sociedade brasileira atual, política e sexo. Apesar do feminismo ter estado sempre por aí, parece que nos últimos anos ganhou uma força absurda, e o sucesso de um evento como esse, que teve os ingressos esgotados com rapidez recorde, só reforça sua relevância no cenário atual.

Foto: Mariana Pekin - Reprodução
Foto: Mariana Pekin – Reprodução

A Casa rolou em um tradicional casarão no Pacaembu, onde funciona hoje o Nacional Club. Antes disso, porém, o lugar abrigava um clube de cavalheiros: homens se reuniam ali para discutir política, entre outras coisas, e não era permitida a entrada de mulheres – o que torna a escolha do lugar bem emblemática. A casa é lindíssima e a estrutura montada em cima surpreendente: uma sala para as palestras, salas para as ações que estavam rolando com marcas como Santander, Natura, Sym, Gol e Dolce e Gusto, uma pequena feira da Rede Manual, e todo um jardim com piscina para comes e bebes.
Foto Mariana Pekin - Reprodução
Foto Mariana Pekin – Reprodução

De longe o mais interessante por ali são as conversas/debates/palestras. No primeiro dia, depois de uma rápida introdução sobre o evento, a primeira mesa começou com a filósofa Viviane Mosé, a atriz Taís Araújo e Djamila Ribeiro, nossa atual secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo. O tema era Ser mulher em 2016, mudou alguma coisa? Está mais fácil ou mais difícil? e já estreou com pé no peito. Depois disso ainda teve gente discutindo sobre violência contra a mulher, construção da beleza, sexo e mulher na política. Tudo com gente como Fafá de Belém, Jéssica Ipólito, Carol Teixeira, Vanessa Rozan e entre outras. O dia acabou com um show da própria Fafá com a Maria Alcina, que prometiam tocar de Iron Maiden até Cássia Eller.
Foto: Mariana Pekin - Reprodução
Foto: Mariana Pekin – Reprodução

O dia seguinte começou com a apresentação de “A Casa dos Budas Ditosos”, com Fernanda Torres. Além disso teve ainda conversa sobre mercado de trabalho, condição da mulher negra em 2016, e questões de gênero. De novo, essas conversas contava com gente como Sueli Carneiro, Tati Bernardi e Sofia Favero. Quem fechou a noite foi Liniker.
E, pelo fato das conversas serem tão interessantes, vem a minha grande crítica ao evento: não tinha espaço para todo mundo assistir tudo. A fila para entrar – que depois da segunda palestra só rolava quando alguém deixava a sala, era desanimadora, e nem dava para assistir na tela que colocaram do lado de fora, já que as cadeiras ali estavam sempre todas ocupadas. Poxa, com tanta mulher maravilhosa por lá, é muito frustrante ficar do lado de fora!
Mesmo assim, que venham mais Casas Tpms nos próximos anos, por favor. Eu, que consegui ver muitas das conversas, sai de lá emocionada e inspirada (e garanto que a maioria das pessoas tiveram a mesma sensação). É o tipo de evento importante, que abre espaço para o crescimento pessoal e social de todos que participam.  E que inspire muitos eventos similares na cidade.
 
 
 

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

02 de August, 2016

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.