De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Barouche, um pequeno notável surge no Centro

Quem escreveu

Jo Machado

Data

16 de February, 2016

Share

Quem vê de fora aquela porta  de vidro com um letreiro, pode até pensar ser mais um simples boteco no centro da cidade. De certa forma é isso mesmo. Mas o Barouche chegou com um propósito que eu particularmente amo e apoio com todas as forças: atrair os olhares dos paulistanos e visitantes para uma parte da cidade meio esquecida, subestimada, e as vezes até marginalizada por muitos, o Centro.

Prédio Santa Elisa, onde funciona o Barouche.
Prédio Santa Elisa, onde funciona o Barouche – Foto: Divulgação

Inaugurado no final de janeiro em pleno Largo do Arouche, na altura do número 103, o Barouche funciona apenas alguns dias da semana e une o que mais se espera de um bom bar. Por lá, a simplicidade e a objetividade andam juntas, resgatando em sua arquitetura uma atmosfera meio saudosista, dos áureos tempos daquele que já foi um dos endereços mais elegantes de São Paulo.
Seu cardápio é despretencioso e bem enxuto. Para comer, o delicioso Sanduba Barouche, feito com pão da padaria da esquina, presunto cru, queijo brie e mostarda dijon, além de um velho conhecido dos paulistanos, o sanduíche de mortadela. Para dividir com a turma, o vinagrete de lula, acompanhando de uma boa cesta de pães, também produzidos na padaria da esquina. Esse vinagrete é de lamber os beiços, diga-se de passagem. Além disso, uma tábua de frios com embutidos do Mercado Municipal de São Paulo, de onde também vem a mortadela para o sanduíche, e o indispensável pastel de vento. Amor em forma de fritura, eu diria.
9c707bee-06cb-40f6-b09d-7d8392e829b8
O balcão do Barouche – Foto: Divulgação

Para matar a sede, uma curta carta de drinques refrescantes e com teor alcóolico mais baixo, idealizados pelo mixologista Marco De la Roche e divididos em dois grupos: os clássicos e os drinques do Arouche. Entre os clássicos, a nossa amiga caipirinha é excepcionalmente bem executada. Nos drinques da casa, é obrigatório provar o Bafo de Onça, uma mistura fresca de aperol, tangerina e mate gelado, e Sbrodaccio, feito a base de amaro, gim, citrus e limão.  Além do chope de boa qualidade, tirado na hora e sempre geladinho.
Drinques do Barouche - Foto André Scarpa
Drinques do Barouche – Foto André Scarpa

A questão dos drinques terem um teor alcóolico mais baixo é proposital, ok? A idéia é curtir por mais tempo aquela atmosfera gostosa na praça, papeando e bebendo com os amigos.
ad095d18-64b3-4e31-a060-5c00e2b77a82
Barouche tem um ambiente e um menu enxutos, mas com muita personalidade. – Foto: Divulgação

O Barouche é uma metáfora simples: uma pepita de ouro não é um colar ou um anel. Mas continua sendo ouro!
Barouche
Largo do Arouche, 103 – Centro
De terça a sábado, das 18h à 0h

Quem escreveu

Jo Machado

Data

16 de February, 2016

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.