Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

6 tendências para 2016 do SXSW

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

04 de April, 2016

Share

Nós aqui do Chicken or Pasta encerramos nossa cobertura do festival SXSW em grande estilo: um happy hour com conteúdo sobre as tendências do festival. Aproveitamos também para anunciar nossa parceria com o Festival Path, festival que já é nosso evento-xodó aqui no Brasil.

Perdeu? Não tem problema. Você pode acessar aqui o vídeo do evento inteiro e todo o conteúdo que rolou. Agora, se quiser só uma palhinha, contamos o que vimos como principais tendências no SXSW nesse resumão abaixo:

1. Inteligência Artificial

ai

Um dos assuntos mais falados do SXSW foi inteligência artificial. Mas, se o assunto vem sendo discutido há anos, por que é uma das principais tendências de 2016? Porque agora temos todos os elementos de que precisamos para que as máquinas aprendam sozinhas rapidamente: a quantidade de dados existentes (big data), a mobilidade (celulares) e o cloud (nuvem), mais a aceleração dos processos de aprendizado com redes neurais.

Resultado de busca por "igreja" no Google Images
Resultado de busca por “igreja” no Google Imagens

Para explicar um pouco o que é isso: o cérebro humano olha uma igreja e reconhece que é uma igreja, baseado nas múltiplas igrejas que já vimos na vida e similaridades entre elas. Em vez de algoritmos, hoje, o Google Imagens consegue, por associação das igrejas que foram marcadas como igrejas, “entender” os padrões de uma igreja e aplicar a todas as demais. Quer um exemplo? Vai no seu próprio Google Fotos e digite “Comida“: a máquina consegue reconhecer todas as fotos que parecem ser de comida, mesmo sem você ter contado para elas.

Cortana
Cortana

Além disso, ainda em 2016, as máquinas começam a avançar significativamente no entendimento da “linguagem natural” dos humanos. E por que isso é uma ótima notícia? Seu assistente pessoal eletrônico, como a Siri ou o Cortana, da Microsoft, poderão “entender” uma troca de emails com seus amigos e já agendar aquele jantar ou bar que você marcou com eles. Sem você precisar falar palavras chave com o robô, como é hoje.

Esse ano ainda houve uma democratização do uso de AI – desde desenvolvedores que já podem trabalhar com o Watson, da IBM, ou acesso ao TensorFlow, biblioteca de AI aberta do Google, aos tuiteiros que queriam bater papo com o Tay (o robozinho tuiteiro da Microsoft, que acabou sendo retirado do ar porque se mostrou racista).

2. VR, nossa nova realidade

Realidade Virtual. Foto: flickr.com/OlivIreland
Realidade Virtual. Foto: flickr.com/OlivIreland

Se você é virgem em realidade virtual, deve sabe ao menos que “tem a ver” com aqueles óculos que deixam seu look do dia nada sexy. Mas vemos o nascimento de um novo meio de comunicação: é a primeira vez que o espectador é inserido dentro da tela, não fora dela.

Por que é tendência se já falamos há tanto tempo de VR? Porque, pela primeira vez, ela saiu da fase conceitual para a fase comercial, com os primeiros óculos Rift que já foram entregues na última semana.

Experimentando a realidade virtual no SXSW. Foto: flickr.com/nrkbeta
Experimentando a realidade virtual no SXSW. Foto: flickr.com/nrkbeta

Lá no SXSW pudemos ver as efetivas aplicações: uma viagem para Nasa, acompanhamento de cirurgias, uma viagem de LSD ou até mesmo experiências pornográficas. Afinal,  a indústria adulta é que mais ajudou na evolução da Internet, do avanço em streaming (a Netflix agradece!) a métodos de pagamento.

3. IoE – Everything connected

Imagem: Cisco
Imagem: Cisco

Outro tópico de que se falou muito foi a internet das coisas, ou melhor, a Internet de Tudo, quando você não conecta simplesmente coisas, mas também dados, pessoas, processos e a inteligência por trás disso. Imagine uma cidade inteira conectada? É uma das dimensões por trás do conceito de Smart Cities.

googlecar
O que isso significa na prática? Imagine que você pode entrar dentro do seu carro que se auto-dirige, como o do Google, e falar : “Carro, vamos para casa”. Automaticamente o ar condicionado já liga na temperatura de que você mais gosta. Seu smartwatch conta para a sua geladeira que seu dia no trabalho foi estressante e a geladeira prevê que provavelmente você irá tomar duas taças de vinho. Vendo que isso finalizará seu estoque, já solicita para o supermercado uma entrega do seu vinho favorito no dia seguinte. Nada mal, não?

Diferente de AI e VR, a tecnologia já existe, mas ainda está em fase conceitual e de protótipos e não comercial, até porque existem várias questões éticas envolvendo essas relações. Ou seja, não adianta tentar ir às Casas Bahia encomendar a geladeira que pede vinhos automaticamente.

4. Transparência e Privacidade

privacy_image

Em um mundo em que sua geladeira sabe que você come chocolate toda noite e em que seu relógio de pulso sabe se você fez exercício ou não, essa seria uma informação que você gostaria que seu convênio médico tivesse acesso para poder ajustar o valor do seu plano de saúde? Se sua TV escuta hoje as conversas da sua casa, conforme a polêmica que aconteceu recentemente com a Samsung, qual o limite do uso dessas informações?

Esse tema foi amplamente discutido no SXSW. A conclusão a que a maior parte dos painéis chegou é que quando existe uma conveniência significativa, estamos dispostos a abrir mão da nossa privacidade. Afinal, se alguém come direitinho, faz exercícios todos os dias, e isso é comprovado, por que ela não deveria ter descontos em planos de saúde?

5. Consciência e Propósito

Ben & Jerry's, uma empresa B Corp
Ben & Jerry’s, uma empresa B Corp

E falando em consciência, outro dos grandes temas discutidos foi o propósito nas organizações. Quando eu mesma estudei administração há alguns anos, os livros diziam que “o objetivo das organizações é dar lucro aos acionistas”. Mas e os fornecedores? E os funcionários?  Da mesma forma que dinheiro é um meio para atingirmos nossos objetivos pessoais, e não nosso propósito final, começa-se a discutir como as organizações devem resolver problemas da sociedade. E não simplesmente ter resultado financeiro como seu propósito.

No SXSW falou-se muito sobre as B Corporations e como as empresas devem medir seu impacto em toda cadeia: fornecedores, sociedade, acionistas ou funcionários. Também foram muito discutidas as novas estruturas que ampliam a autonomia e rapidez da empresa em hierarquias mais horizontalizadas, a exemplo do Zappos e Medium, empresas que funcionam “sem chefes” ou estruturas hierarquizadas.

6. Pulverização dos “fazedores”

Nunca conhecimento, tecnologia e pessoas foram tão acessíveis ao dedo de qualquer um. E, por isso mesmo, movimentam as pessoas a buscar resolver problemas e encontrar soluções, a exemplo do boom do empreendedorismo, movimento maker ou da infinidade de pessoas assumindo projetos paralelos aos seus empregos formais. Um dos maiores símbolos foi a presença do Obama indo ao SXSW para fazer um chamado aos geeks, desenvolvedores e solucionadores de plantão: vocês veem problemas? Venham fazer parte da solução! Foi um convite claro do próprio governo americano às pessoas.

1917444_445607245630214_8231165176966696757_n

Gosta desse tipo de assunto? Quer queimar alguns neurônios para o bem? Super recomendamos se inscrever no festival Path, festival de inovação e criatividade criado pelo O Panda Criativo, para todos que queiram inovar a forma de pensar e agir. Palestras, shows, filmes e mais atividades formam a Cidade Path, uma experiência em educação, entretenimento e negócios, conectando a comunidade criativa de todo o Brasil.

 

 

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

04 de April, 2016

Share

Chicken or Pasta

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.