De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Por que você deve ir para a Austrália

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

18 de August, 2015

Share

Eu nunca prestei muita atenção na Austrália. Na verdade, acho que não é um destino muito comum para brasileiros, se você não quer ir passar um tempo lá aprendendo inglês ou não é muito ligado ao surfe. Há 4 anos, resolvi dar um pulinho por lá para ver qual é. E o que vi foi um dos países mais bacanas, com coisas superbizarras – não no mau sentido – e com o povo mais genial. Ainda não se convenceu? Aqui a gente te dá alguns motivos – tentando sair do óbvio, uluru, ópera e praias – do porquê você deve comprar essa passagem para ontem.

Australianos

Os australianos são as pessoas mais legais do planeta. Juro: vai ser difícil encontrar um que você não goste. Minha viagem para a Austrália só rolou mesmo porque eu conheci um pessoal maravilhoso e conclui que um país com esse tipo de gente deveria ser muito legal. Eles lembram os brasileiros, no aspecto de serem mais relaxados e fáceis de fazer amizade. Existem algumas loucuras, tipo decidirem jogar rugby no meio de um bar, mas isso só faz eles mais legais.

Melbourne

Foto por Aleksandar Todorovic/Shutterstock
Foto por Aleksandar Todorovic/Shutterstock

Melbourne foi eleita a cidade mais “habitável” do mundo em 2014. Isso depois de ter ganho nos 3 anos anteriores. O que isso significa? Que a cidade ganhou pontuação máxima nos quesitos saúde, educação e infraestrutura – no final, a pontuação foi de 97,5 de 100. Mas tirando isso, o que torna a cidade tão especial é:

Fitzroy - Foto por mattpaish
Fitzroy – Foto por mattpaish
  • A área de Fitzroy: eleita um dos bairros mais “hipsters do mundo” – por mais que negativo que esse adjetivo possa ser hoje – essa área é incrível. Vários restaurantes deliciosos, bares e lojinhas de marcas desconhecidas, uma atrás da outra. Com certeza você vai querer passar alguns dias passeando pela rua principal, Brunswick.
  • É muito fácil turistar por lá. Existem quiosques de turismo nos lugares mais importantes e um tram de graça passando pelos principais pontos turísticos. De lá, fica fácil turistar nas redondezas: ver os pinguins miniaturas na Phillip Island ou dirigir pelos 12 Apóstolos.
  • As praias, entre elas St Kilda. Tá certo que a água não é lá das mais quentes, mas St Kilda é o tipo de praia que eu gosto: tranquila mas com vários barzinhos em volta.
  • É muito fácil ver uma boa banda local por ali. Na verdade, é bem provável que você tropece em um bar do nada em uma que já conhece.

Coalas, cangurus e ornitorrincos

Foto por Kittisak Chysree/Shutterstock
Foto por Kittisak Chysree/Shutterstock

Cangurus, coalas, dingos, demônios da tasmânia, wombats e ornitorrincos. É tanta coisa diferente que até mesmo os menos amantes da natureza vão se animar em ver tanto bicho estranho. É lá que você aprende que coalas são bravas e que ornitorrincos são venenosos. Que contruíram a maior cerca do mundo para manter os dingos afastados de solo fértil. E que o cocô dos wombats saem em cubinhos.

Grande Barreira de Corais

Foto por Edward Haylan/Shutterstock
Foto por Edward Haylan/Shutterstock

A ideia dessa lista é tentar não cair em lugares comuns. Não vamos falar dos apóstolos, da Fraser Island – a maior ilha de areia do mundo – de Whitehaven beach, que foi eleita várias vezes uma das praias mais bonitas do mundo, ou do Ayers Rock, hoje mais conhecido pelo seu nome aborígene, Uluru. Mas é impossível passar por essas razões e não citar a Grande Barreira de Corais. Perdeu metade do seu tamanho nos últimos 30 anos e muitos acreditam que pode desaparecer nos próximos 15 se nada for feito a respeito agora.

Little Creatures e a cidra de pera

Bar do Little Creatures em Fremantle - Foto Little Creatures
Bar do Little Creatures em Fremantle – Foto Little Creatures

A Little Creatures é uma cervejaria de Fremantle que surgiu em 2001 com sua primeira pale ale. As cervejas do lugar são incríveis – são  5 tipos, de pilsner a IPAs e algumas sazonais no meio do caminho. Porém quem rouba a cena é a Pipsqueak, empresa irmã que vende cidras. Sério, faça um estoque da cidra de pera e seja feliz para todo o resto da sua vida.

We <3 backpackers

E para quem leu tudo isso mas ainda usa a desculpa que o país é muito caro para visitar, fiquem atentos: a Austrália é um dos países mais amigáveis quando falamos de mochileiros. Toda cidadezinha tem pelo menos um albergue e é super fácil conseguir informações turísticas, por menor que seja o lugar que você esteja. Para falar a verdade, eu nunca vi um país com melhor estrutura para viajantes do que lá.

Ainda não está convencido?

Então a gente te dá mais 6 fatos bizarros sobre o país:

Melhor país ou melhor país?

 

* Todos os fatos daqui e daqui

* Foto de capa Scottt13/Shutterstock 

 

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

18 de August, 2015

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

Comentários

  • já eu infelizmente, a "morar" temporariamente em Darwin, norte de Austrália, não consigo gostar nem um bocadinho daquilo. não me identifico mesmo com os australianos nem com a sua cultura. é um povo mesmo bizarro e diferente, lá isso é :) beijo e continuação de boas viagens!
    - Voar Viajar Viver

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.