Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Trekking selvagem na terra do Papai Noel

Quem escreveu

Ola Persson

Data

24 de September, 2014

Share

kungslededen (o rei dos caminhos) cruza a  Lapônia, a parte mais remota da Suécia, dentro do Círculo Polar Ártico. Com 450 quilômetros de extensão, passa por quatro parques nacionais e uma reserva natural, fazê-lo do início até o fim demora mais de um mês. É remoto, selvagem, lindo, mas com uma trilha bem sinalizada onde ela em si é menos marcada.

Kungsleden na Suecia, foto: shutterstock.com / Premysl
Kungsleden na Suecia, foto: shutterstock.com / Premysl

Ao longo do caminho tem abrigos, vários deles vendem comida enlatada, como arroz, massa, sopas e pão. Também tem mapas, combustível para fogareiro etc. A idea é não ter que carregar tanta comida, deixando os ombros mais leves.

Um abrigo perto da trilha Kungsleden, foto: shutterstock.com / Premysl
Um abrigo perto da trilha Kungsleden, foto: shutterstock.com / Premysl

É possível dormir nos abrigos, que custam em torno de R$90 a noite para quem não é membro da STF. Quem é membro paga apenas R$50. Virar membro custa em torno de R$100 e vale a pena para quem vai ficar mais que 3 dias nos abrigos. Camping é permitido ao longo do caminho inteiro e não há cobrança de taxas.

Acampamento, foto: shutterstock.com / Jens Ottoson
Acampamento, foto: shutterstock.com / Jens Ottoson

A temporada de verão vai entre final de junho até meio ou final de setembro. Durante junho e metade de julho, ainda dá para ver o sol da meia-noite. Para quem quer fazer o percurso no inverno, a temporada recomendada é entre o final do fevereiro e o final do abril. No inverno usa-se esquis para locomoção e no começo da temporada há boas chances de ver a aurora boreal.

Aurora boreal, foto: shutterstock.com / Jens Ottoson
Aurora boreal, foto: shutterstock.com / Jens Ottoson

Uma opção popular é fazer em uma semana a parte norte da trilha, começando em Abisko e terminando em Nikkaluokta, um vilarejo povoado por Samisa população étnica da Lapônia. Esse trecho tem uma extensão de 105 quilômetros e demora em torno de 5-7 dias. Informações práticas sobre a trilha podem ser encontradas no site do STF. Tem mapas que mostram as trilhas e os abrigos, os quais vendem comida e quais são maiores. Para chegar no começo da trilha, o aeroporto mais perto é o de Kiruna. Para chegar no pé da trilha em Abisko é possível ir de trem e ônibus.

Sami-frontpage

*Foto destaque: shutterstock.com / Rasmus Holmboe Dahl

Quem escreveu

Ola Persson

Data

24 de September, 2014

Share

Ola Persson

Viaja sempre com uma mochila com camera, laptop e kindle e uma mala pequena de roupas. Nela leva mais uma mala vazia que vai enchendo ao longo da viagem. Não é fã de pontos turísticos, não gosta de muvuca e foge de filas, mesmo que seja para ver algo considerado imperdível. Por isso nunca subiu na Torre Eiffel, mesmo tendo ido várias vezes à Paris. Acredita que uma boa viagem é sentir a cidade como morador. Tanto que foi pra São Paulo em 2008 e ainda está por lá.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.