Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Setembro sem carne - Vol.1

Quem escreveu

Jo Machado

Data

01 de September, 2019

Share

Para começar devo admitir que talvez essa campanha não agrade a todos. Mas tudo bem, faz parte do rolê “blogueirinho”. Talvez nem todos consigam aguentar até o fim, incluindo eu mesmo. Mas como dizem muitos sábios por aí: a intenção é o que conta.

O texto que segue originalmente foi uma edição do Chicken Wings, a nossa newsletter semanal, disparada na última quarta-feira. Eu só transformei ele em post e acrescentei umas coisinhas.

Bom, eu sou gaúcho, de uma região onde o tradicionalismo rio-grandense era tão latente que a carne era o ingrediente, a celebração, a recompensa, o projeto de vida. E os seus derivados também! No café da manhã, no almoço e no jantar, de uma forma ou de outra, a carne sempre se fazia presente. No salame, no presunto, no churrasco, no arroz carreteiro. No pelego (couro de ovelha), no tapete de couro de boi, na jaqueta Perfecto. Essa foi a minha realidade praticamente a vida toda. E isso me fez criar uma certa dependência da carne.

Mas desde que mudei pra São Paulo, há mais de uma década, meu consumo de carne se transformou. Talvez pela rotina ou pelas oportunidades e novidades, mas desde que vim de mala e cuia pra cá, sinto que houve um distanciamento daquele cotidiano carnívoro. E foi natural, eu juro!

Convivendo com vegetarianos, descobrindo ingredientes e preparos, cortando gastos em tempos difíceis. Tudo isso colaborou para eu adotar um comportamento “oportunista” em relação à carne. Se for para comer, que seja uma carne de qualidade, num momento especial e muito bem preparada. A esfirra de carne cinza da padoca da esquina, nunca mais!

E sabe, esse anos todos de “vegetarianismo oportunista” – ou flexitariano, você decide como chamar – foram muito bons para mim como pessoa e como cozinheiro. Já fiz um mês inteiro vegano e percebi quão profunda e difícil é essa mudança.

Me orgulho a cada trimestre, desde 2017 quando abri o Cibo, que os nossos pratos vegetarianos são sempre super aceitos e elogiados pelos clientes. E que o consumo de pratos vegetarianos tem muitas vezes se igualado e até ultrapassado os de proteína animal no balanço das vendas.

Eu me desafio quando crio as receitas para a VegMag e sou recompensado com críticas construtivas e elogios. E principalmente, não sinto mais a necessidade de comer carne, pois com tudo isso, eu já sei agradar meu paladar sem precisar usá-la.

Mas daí você pode estar pensando: “porra, o cara tá falando da relação dele com a carne com qual propósito?” – Vou explicar!

As cicatrizes das queimadas das últimas semanas – Foto: OBT/INPE

Depois dessa última semana e dos acontecimentos relacionados à Amazônia, é impossível não parar para ponderar o nosso consumo de carne bovina. Todo mundo sabe que grande parte do que aquele fogo queimou era em prol de lavouras de soja para alimentar ou dar espaço para criação de gado. E gado pra que mesmo? – Carne, meu anjo!

Vale lembrar que a causa é mais profunda que a carne bovina e a soja. Ela abrange toda a cadeia produtiva do grão. Aves, peixes e muitos outros produtos derivados dela também somam culpa nesse rolê.

Campanha forte e agressiva do PETA sobre o avanço do agronegócio na Amazônia

E já que faltou consciência política para MUITA GENTE na hora de pressionar os numerozinhos e depois tecla confirma na urna eletrônica – desculpe, mas essa culpa eu não carrego! – nos resta agora (mais um vez!) nos unirmos e irmos a luta por nós e por essa gente de bem que esqueceu de olhar o plano de governo daquele senhor.

O lance da Amazônia ser o “pulmão do planeta” pode ter sido desmistificado, mas o fato de ela ser vital para o equilíbrio ecológico do planeta, não. Amazônia é sinônimo de futuro.

Pois bem, embora você possa estar aí jiboiando um pedaço de carne enorme enquanto lê esse post, queria te propor um desafio para esse mês de setembro: bora lutar pelo fim do desmatamento mostrando para o agronegócio que não é esse o caminho do crescimento? Para participar o boicote é só não comer carne bovina por 30 dias. Pode parecer uma atitude ínfima, mas acredite, ajuda!

Pois bem, embora você possa estar aí jiboiando um pedaço de carne enorme enquanto lê esse post, queria te propor um desafio para esse mês de setembro: bora lutar pelo fim do desmatamento mostrando para o agronegócio que não é esse o caminho do crescimento? Para participar o boicote é só não comer carne bovina por 30 dias. Pode parecer uma atitude ínfima, mas acredite, ajuda!

Almôndegas de cevadinha: essa e mais outras receitas estão lá na VegMag

Sei que vai ser difícil para alguns. Pra mim talvez também será, afinal eu trabalho com comida, seja aqui no blog, no @SP24hrs ou no meu restaurante. Mas infelizmente é a única arma que eu tenho aqui e agora contra essa bando de gafanhoto do demo que destrói tudo por onde passa.

Aqui no Chicken e no @SP24hrs decidimos entre todos que, durante setembro, tentaremos todos nos manter sem consumir carne e daremos prioridades para dicas veganas/vegetarianas. E tem mais! Toda segunda-feira, eu me comprometo a divulgar 5 dicas de lugares em São Paulo, comidas e até receitas de comidas sem carne. – Palavra de escoteiro!

E para começar, ai vão 5 dicas, uma em cada zona da cidade, de restaurante vegetariano/vegano ou com opção gostosas sem carne, para comer bem e gastar pouco.

E aí, carne só em outubro? Se precisar de ajuda com receitas sem carne, pode mandar e-mail pra mim, viu? Bora nessa? Tamu junto? #setembrosemcarne

Homa – Zona Oeste

Rua Benjamin Egas, 275, Pinheiros
Segunda a sábado, almoço das 11h30 às 16h; Domingo, café da manhã  9h às 13h e almoço 11h30 às 16h

Pop Vegan Food  – Centro

Rua Fernando de Albuquerque, 144, Consolação
Almoço: Segunda à sexta das 11h30 às 15h; Sábados e feriados das 11h30 às 16h. / Pizzaria: Terça a sexta e domingo das 18h às 23h; Sábado das 18h à 0h / Rodízio de Pizza: De terça a sexta, das 18h às 23h.

Maluhia – Zona Sul

Av. Antonio Barbosa da Silva Sandoval, 38, Interlagos
Segunda à sábado, das 12h às 15h

Veggie Café – Zona Norte

Rua Dr. Zuquim, 1720, Santana
Segunda à sexta das 10h30 às 18h; Quinta e sexta, das 10h30 às 20h; Sábados das 10h às 16h

Vegan Point – Zona Leste

Rua Domingos Agostim, 36, Tatuapé
Almoço: Segunda à Sábado, das 11h30 às 15h; Lancheria/Bar: Quarta à Sábado, das 18h as 23h.

Quem escreveu

Jo Machado

Data

01 de September, 2019

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

Comentários

  • Ahazou Jo <3 espero que sejam um banho de consciência esses 30 dias sem se alimentar de sofrimento. Isso reverbera para a alma, por vidas e vidas.
    - Bruna Lima

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.