De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Masp celebra a mulher e o feminismo em suas exposições de 2019

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

04 de January, 2019

Share

Apresentado por

Enquanto 2018 foi dedicado a contar a história dos negros no Brasil com a mais do que necessária Histórias afro-atlânticas, 2019 o foco passa a ser mulher como protagonista. O tema “Histórias das mulheres, histórias feministas” é a pauta que permeia toda a programação do MASP ao longo do ano. Tema mais do que bem-vindo num momento que temos uma nova Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, ultra-conservadora que, se depender dela, recuaremos em todas as conquistas feitas a dura penas pelas mulheres nas últimas décadas.

Djanira da Motta e Silva. Vendedora de Flores (1947) - Acervo MASP - Foto: Eduardo Ortega
Djanira da Motta e Silva. Vendedora de Flores (1947) – Acervo MASP – Foto: Eduardo Ortega

Artistas como Djanira da Motta e Silva, Tarsila do Amaral, Lina Bo Bardi, Anna Bella Geiger, Leonor Antunes, Gego somados a nomes internacionais, estarão presentes em exposições monográficas em 2019. Desde o final do século 19 muitos esforços têm sido empreendidos para afirmar a importância das mulheres artistas e de suas obras, como a fundação da Union Des Femmes Peintres et Sculpteurs, em Paris, e recentemente o surgimento do #MeToo, contra o assédio sexual, em Hollywood.

Para embasar o programa 2019, o MASP apresentará dois seminários: “Histórias das mulheres, histórias feministas”, em fevereiro; e “Histórias feministas, mulheres radicais”, em novembro, ambas em parceria com a Pinacoteca de São Paulo.

A agenda é extensa:

“Djanira: A memória de seu povo” estreia em março no MASP (2º subsolo) e segue em junho para a Casa Roberto Marinho, no Rio de Janeiro. Djanira da Motta e Silva nasceu em Avaré em 1914, dedicou 40 anos de carreira à pintura a óleo e à têmpera, ao desenho, à azulejaria e à gravura. A mostra apresentará suas obras produzidas entre os anos 1940 e 1970 revisitando sua produção no contexto da história da arte moderna brasileira. Período expositivo: março a maio.

Na sequência vem uma exposição dedicada à Tarsila do Amaral, a “Tarsila Popular”, estreando em abril (1º andar). A mostra apresenta cerca de 120 trabalho propondo uma nova abordagem da produção da artista e enfatizando seus personagens, temas e narrativas, especialmente em relação a questões sociais, polícias, raciais e de classe. Período expositivo: abril a julho.

Lina Bo Bardi - estudo preliminar MASP. Cortesia: MASP
Lina Bo Bardi – estudo preliminar MASP. Cortesia: MASP

“Lina Bo Bardi: Habitat” também estreia em abril dividindo espaço com Tarsila do Amaral. Será uma exposição panorâmica que olha para a vida, a obra e o legado cultural da arquiteta Lina Bo Bardi. A percepção que Lina tinha como imigrante (uma italiana no Brasil) a fez perceber que as ideias modernistas europeias não poderiam ser aplicadas na América Latina sem ser adaptada. Esta percepção permitiu que a arquiteta mergulhasse no contexto e no habitat brasileiro criando uma linguagem única e radical de design, arquitetura e curadoria. A exposição estará organizada em 3 eixos: O habitat de Lina, Repensando o museu e Da Casa de Vidro à cabana, trazendo à tona seus projetos de arquitetura, mobiliário e empreitadas editoriais. Período expositivo: abril a julho.

“História das mulheres, histórias feministas”, entre agosto e novembro, será dividida em duas grandes seções. “História das mulheres” traz obras de diversos territórios, estilos e gêneros, do século 16 ao final do século 19, incluindo retratos, naturezas-mortas, paisagens e cenas histórias e religiosas. Já “Histórias feministas” reunirá artistas de diferentes nacionalidades que trabalham no século 21 em torno de ideias de feminismo ou em resposta a elas.

No fim do segundo semestre entram as exposições das artistas Anna Bella Geiger (nov-março 2020), Leonor Antunes (dez-março 2010), Gego (dez-março 2020).

MASP – Museu de Arte de São Paulo
Avenida Paulista, 1578, Bela Vista
Telefone: (11) 3149-5959
Quarta a domingo, das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30); terça-feira, das 10h às 20h (bilheteria até 19h30) Ingressos: R$35 (entrada); R$17 (meia-entrada)
O MASP tem entrada gratuita às terças-feiras, durante o dia todo.

*Foto destaque: MASP por Hans Gunter Flieg

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

04 de January, 2019

Share

Apresentado por

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.