De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Transmediale, um festival de arte “pós digital”

Quem escreveu

Lorena Sganzerla

Data

02 de March, 2018

Share

Transmediale é um evento complexo, político, que combina teoria, arte e ativismo digitais com palestras, painéis e instalações. Biopolíticas genética, reconhecimento facial, políticas preventivas, os novos formatos de colonialismo e as fronteiras da privacidade; tudo isso bem apresentado em múltiplas linguagens, como performances, filmes e exposições que reúnem nerds, hack-ativistas e hipsters há 31 anos em Berlim. Em 2018, entre 31 de janeiro e 4 de fevereiro, eles estavam novamente na Haus der Kulturen der Welt para discutir tecnologia sob o guarda-chuva de um tema: “face value” – ou valor nominal da moeda. Ou seja, assumir o valor de algo pelo que ele parece valer.

O festival já na abertura vem dizer a que veio com um “rally” teórico-performático: perguntar o que há de errado com e na (cultura da) internet. É claro que não demorou muito para que o Google fosse representado como o grande inimigo e maior colonizador do território digital, juntamente com um espetáculo em que hipsters e nerds, absorvidos pela tela de seus telefones, pudessem questionar a segurança do paraíso tecnológico e o terror da vigilância digital continuada. Ou colocar perguntas como “Porque ainda não somos uma ‘post-work society’?”

Transmediale 2018 – Face Value. January 21, 2018.

Bastava caminhar um pouco pelo hall lotado para encontrar a instalação do artista Nick Thurston: “Hate Library” – produzida inicialmente para uma exposição na Folsak Gallery, em Varsóvia. A obra consiste em um catálogo de screenshots de fóruns online de extrema direita coletados em 2007, cerca de dez anos antes de Brexit, Trump e todo esse teatro que tem tomado conta da mídia nos últimos dois anos. O artista britânico quer mostrar como a internet ajudou a reunir, organizar e coordenar o discurso nacionalista que é, hoje, uma das tendências políticas mais perigosas da Europa – e que a crescente onda nacionalista não é assim tão recente.

Library

Na mesma linha questionadora, porém esteticamente mais bonita, a instalação “Probably Chelsea”, da artista americana Heather Dewey-Hagborg, em parceria com a hack-gender ativista Chelsea E. Manning. Para a instalação, parte da exposição “Becoming Resemblance”, a obra da dupla trouxe 30 máscaras–escultura que desciam de um pé direito de 5 metros e flutuavam sobre um espaço expositivo branco, amplamente iluminado. A obra consiste em esculturas biogenéticas produzidas com impressora 3D a partir de coleta de DNA que Chelsea enviou para Dewey-Hagborg durante seu tempo de prisão, e exploram um espectro de expressões desse DNA em suas potenciais representações. Os moldes, que são quase como máscaras mortuárias, sugerem ambiguidade de gênero e diversidade étnica, uma vez que a ferramenta capaz de reproduzir imagem a partir do DNA possui apenas 60% de acuidade. As artistas confrontam o uso dessas ferramentas – assim como a fé que depositamos nela para encontrar respostas.

Chelsea, Transmediale
Probably Chelsea, Transmediale

Outro destaque foi a coletiva “Territories of Complicity”, com curadoria de Inga Seidler. O tema território e pós colonialismo foi ambientado em pequenos containers negros e a exposição toma como referência os portos de fronteira livres para investigar as zonas de exceção comercial, além do uso de tecnologia e como elas contribuem para que realidades sócio culturais frágeis sejam formadas. As instalações tocam diversas crises globais pontuais exploradas pelo tema território.

Complicity, Transmediale
Complicity, Transmediale

E aqui já dá pra entender a pegada e a polêmica que a edição 2018 do festival levantou: escrever e/ou acessar os discursos, as obras expostas, as performances é um processo de conhecimento e acesso às condições em que foram criadas: as pesquisas, contexto e circunstância em que elas foram pensadas mudam a forma de compreensão. Basear a experiência em termos estéticos não é apenas insuficiente, mas impossível. E, claro, trouxe algumas questões sobre o festival, se “ele é somente para iniciados”. (fuck off,  Transmediale).

Transmediale 2018 – Face Value. February 2, 2018.

Além da arte, os keynotes: as apresentações de Jonathan Beller, Lisa Nakamura e Françoise Vergès foram os headliners do Transmediale, e investigaram por diversos ângulos a longa relação entre capitalismo e racismo. Todas as palestras foram pensadas para dialogar com a crise política de valores e sentido da economia global e a sua relação com a cultura digital – desde blockchain até a onda conservadora que ganha ressonância online.

Os painéis trouxeram também as “estreladas” figuras de professores, artistas e pesquisadores como Max Haiven, Nina Power, Rasmus Fleischer, Ewa Majewska, Alex Foti, Nick Thurston e Sybille Krämer.

Um dos pontos alto do evento, mas não menos polêmico, foi a premier mundial da obra de James Ferraro. Em colaboração com o artista visual Nate Boyce, PHØNIX16, e o ator Christoph Schüchner, Ferraro compôs a obra Plague – uma performance-opera sobre Inteligência Artificial. Apocalíptico, o trabalho traz projeções que reproduzem uma rede neural para representar a máquina capaz de aprender e evoluir, e uma performance teatral de um Steve Jobs engatinhando, apavorado com as consequências do seu próprio trabalho e a destruição do mundo pós-tecnológico. Tudo isso acompanhado por um coro com vocais bem construídos, composto por humanos mutantes – ou algo que o valha. Interessante, ingênuo e odiado por grande parte do público nos seus dois dias de performance. Talvez não era essa a expectativa para uma sexta feira ou sábado à noite em Berlim.

Ferraro, Transmediale
Ferraro, Transmediale

Novas metáforas

Em resumo, o Transmediale é um lugar interessante para quem está interessado em descobrir e atualizar o próprio discurso sobre assuntos relativos à nossa rede mundial de computadores. Lá você encontra pérolas como a declaração panfletária de Eric Schmidt “A internet vai desaparecer”. Mas não vai se consumir, vai sumir em gadgets e utilitários até a gente não perceber mais que ela exista. E também acaba encontrando bastante material para reflexão, afinal a nuvem não é imaterial, mas tem impactos sociais e políticos. Quer dizer, as metáforas mudaram em 31 anos de festival mas, apesar de um sentimento em que o acesso às muitas camadas dos discursos são excludentes, ele ainda é o lugar em que conversas tão específicas ganham alguma ressonância – tanto para o bem quanto para o mal.

Quem escreveu

Lorena Sganzerla

Data

02 de March, 2018

Share

Lorena Sganzerla

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.