MECA INHOTIM 2018: guia para curtir o melhor do festival

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

27 de June, 2018

Share

O megaevento cultural Meca Inhotim 2018 chega à sua quarta edição com tudo em cima. O evento multicultural que une música e arte contemporânea no maior museu aberto de arte do mundo vai acontecer entre os dias 29 de junho e 1º de julho, com um line-up para aquecer e sacudir todos os tipos de almas musicais.

Foto: I hate Flash (https://ihateflash.net/tags/meca-festival)

O MECA é conhecido por sua curadoria do melhor da música nacional, tão eclética quanto impecável. A lasciva Letrux, alter ego de Letícia Novaes, traz sua “noite de climão” pros pés da galeria. Elza Soares continua divando, seguida do Cordel do Fogo Encantando. Já no Domingo, Jules, Kafé e Pablo Vittar efervescem o palco. Veja toda programação aqui.

Mas não é só de música que o festival é feito. A programação de arte impressiona até o mais experiente visitante: são 23 pavilhões, 22 obras de arte ao ar livre e 07 jardins temáticos distribuídos pelo 140 hectares do parque.

Foto: I hate Flash https://ihateflash.net/tags/meca-festival

Há também uma mostra de cinema, com curadoria de Antonio Grassi, ator, ex-secretário da cultura e atual diretor executivo do Inhotim. Ela será exibida no Teatro Inhotim, e conta com quatro longas e cinco curtas: “Beijo no Asfalto”, que será exibido pela primeira vez no Brasil; “Legalize Já”, que tem seu lançamento previsto apenas para outubro; “Divinas Divas”; “Todos os Paulos do Mundo” e a série “Retratos”, que mostra o making of da construção das galerias dos artistas Doris Salcedo, Adriana Varejão, Tunga, Matthew Barney e Doug Aitken – todos escolhidos para colaborar com os bate-papos que rolarão após cada filme.

Foto: I hate Flash https://ihateflash.net/tags/meca-festival

Além disso há os talks, de astronomia à dramaturgia, todos seguindo o tema “artista”. Entre os workshops, é possível aprender sobre o lixo, experiência corporal, vivência coreográfica, entre outros. As visitas guiadas do parque são imperdíveis, cada uma com um olhar de curadores especializados.

Foto: I hate Flash https://ihateflash.net/tags/meca-festival

A noite rola solta no parque, com festas até à 5 da manhã, com nomes como Venga Venga.


Foto: I hate Flash https://ihateflash.net/tags/meca-festival

O LUGAR

Localizado em Brumadinho, a 60 km da capital Belo Horizonte, Inhotim é um museu mineiro idealizado por Bernardo Paz na década de 80, com jardins de Roberto Burle Marx e obras de arte de nomes nacionais e internacionais reconhecidos pela crítica, além de uma coleção botânica com espécies raras de todo o mundo. É um universo à parte, e visitar o museu inteiro exige dias de dedicação e, certamente, zero arrependimento. Independente do MECA, Inhotim é um programa imperdível para qualquer idade, que acolhe todos os gostos e refresca a alma com tanta beleza humana, artística, natural.

Foto: I hate Flash https://ihateflash.net/tags/meca-festival

Dentro do museu, reconhecido como OSCIP pelo Governo e incorporado como Jardim Botânico, você vai encontrar galerias dedicadas aos artistas Tunga, Adriana Varejão, Lygia Pape e Cildo Meireiles, Olafur Eliasson, Doug Aitken, dentre outros grandes nomes da arte contemporânea. Há ainda outras galerias temáticas chamadas Fonte, Lago, Mata e Praça, onde você verá exposições temporárias que podem ser conferidas no site do museu.


Foto: I hate Flash https://ihateflash.net/tags/meca-festival

O passaporte ao Meca Inhotim dá direito a visitar todas as exposições . Mas fique atento, pois no final de semana o horário de funcionamento das exposições do museu é regular: das 9h30 às 17h30.

COMO CHEGAR

Brumadinho fica a 60km de distância de Belo Horizonte, então, se quiser ficar na capital, dá para chegar de carro em uma hora.

Além disso, o MECA está com uma promoção  com a 99: Todos que usarem 99 POP para ir de BH até o #MECAInhotim vão ganhar a viagem de retorno gratuita em uma van da 99.

Se quiser usar um transporte público, a Saritur tem ônibus saindo todos os dias da rodoviária às 9h15, e voltando de terças a sextas às 16h15, e sábados e domingos às 17hs. A viagem demora 1h45, e as passagens que podem ser compradas na hora ou pela internet custam R$23,90.

ONDE FICAR

Caso opte por ficar em BH antes ou depois do festival, as opções são muito variadas, desde hostel, Airbnb e hotéis diversos. Nosso guia de Belo Horizonte ainda está valendo para quem tiver um tempinho por lá.

Para ficar em Brumadinho, se você ainda não fez reserva, talvez seja tarde. O Estalagem do Mirante e o Estrada Real Palace Hotel são as melhores opções, porém não há mais vagas (Update: temos um quarto sobrando aqui da galera do Chicken or Pasta no Estrada Real Palace para passar para frente para 4 pessoas, se você está procurando hospedagem escreva para gente!)

Você pode ainda tentar a sorte na  Pousada Casa de Abrahão e a Pousada Casa Cumbuca Piedade. E se quiser ficar pertinho, em algo mais simples, mas não menos aconchegante, o Ville de Montagne Hotel fica bem no centro de Brumadinho.

INGRESSOS

Os ingressos do segundo lote (atual) são 270 reais a meia e 540 reais a inteira. Quem quiser ir com a meia social, pode fazer uma doação de livro (ou seja, na verdade é 270 mesmo, né?). Mas atenção: restam apenas 50 passaportes.

Para comprar ingressos e conferir a programação completa, acesse o site oficial do evento

Nos vemos lá?

 

*Fotos: I Hate Flash

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

27 de June, 2018

Share

Vanessa Mathias

Seu exacerbado entusiasmo pela cultura, fauna e flora dos mais diversos locais, renderam no currículo, além de experiências incríveis, MUITAS dicas úteis adquiridas arduamente em visitas a embaixadas, hospitais, delegacias e atendimento em companhias aéreas. Nas horas vagas, estuda e atua com pesquisa de tendências e inovação para instituições e marcas.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.