De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Flip 2018: uma casa só para Hilda Hilst e dicas do que fazer em Paraty

Quem escreveu

Natália Albertoni

Data

25 de July, 2018

Share

A Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) começa nesta quarta (25.07), em Paraty, e com ela uma programação que visita temas como amor, morte, desejo e transcendência. Até domingo (29.07), a agenda, como sempre, dialoga com a escolha do autor homenageado do evento, autora neste caso, a multifacetada – and polêmica – Hilda Hilst (1930-2004).

Acervo Instituto Hilda Hilst

Frequentadora da alta sociedade paulistana, Hilda já abordava homens na rua em 1950 se tivesse vontade. Estava sempre cercada amantes e de uma turma de intelectuais, depois também de seus muitos cães. Explorou um lado místico e ainda escreveu peças de teatro e pornografia, entre elas a ousada história de uma menina que, com apenas oito anos, passa a se prostituir por incentivo da própria mãe em “O Caderno Rosa de Lori Lamby”.

Tamanha a curiosidade em torno de sua persona rendeu a montagem de uma casa inteirinha dedicada a sua vida e obra só para a festa: a Casa Hilda Hilst, criada em uma parceria entre o Instituto Hilda Hilst e a plataforma girl power Hysteria. E, claro, não é só. Há Fernanda Montenegro na abertura, a presença de uma das revelações do ano, Geovani Martins, morador do Morro do Vidigal, uma giga Livraria da Travessa, os autor gringo tudo, a leitura dos livros de cabeceira dos autor gringo tudo, pequenas editoras fofíssimas, como a Lote 42, e Paraty – que por si só é uma atração à parte. Há cults que torcem o nariz, alegando que a festa é pop demais, mas para os amantes de literatura a Flip é um verdadeiro parque de diversões.

Acervo Instituto Hilda Hilst

O que ver

Vá além dos destaques da programação principal. O maior evento internacional dedicado à literatura no país é uma oportunidade de conhecer coisa nova. Circule para descobrir a programação Off-Flip, muitas vezes tão disputadas quanto à principal. Para os fãs dos indies, já estamos apaixonados pelo Flipei,  uma seleção de livros de pequenas e médias editoras, com uma programação bem boa unindo debates e shows… tudo num BARCO!  Já A Casa da Porta Amarela, apresenta a segunda edição de feira de editoras independentes. Para ficar de olho nelas: Casa Bondelê, com programação só de mulheres, tem bate-papo com Noemi Jaffe e a casa Insubmissa de Mulheres Negras, com Conceição Evaristo.

Tainá Muller se caracteriza de Hilda pela primeira vez

Uma casa toda para Hilda

Pela primeira vez em 16 anos de Flip, o autor homenageado terá um espaço próprio em Paraty. Localizada em frente à Praça da Matriz, no centro histórico, a Casa Hilda Hilst convida o visitante a entrar no universo de Hilda. A programação será intensa, com oficinas, mesas, saraus e uma mostra audiovisual idealizada pela Hysteria que apresenta desenhos inéditos da escritora, depoimentos de amigos íntimos dela e uma performance da atriz Tainá Muller, que se prepara para viver a autora no cinema, caracterizada como Hilda pela primeira vez. O espaço ainda terá uma loja-conceito da super crush Livraria da Travessa e o Bar do Bico em alusão a um trecho do livro “Cartas de um Sedutor”. O acesso é gratuito e está sujeito à lotação.

Público pode conferir a programação oficial gratuitamente em uma tenda

Como ver

A programação completa – e desesperadamente extensa – está toda aqui. É legal assistir às mesas ao ar livre, inclusive para apoiar o evento. Há ingressos aqui. Mas como não tá fácil pra ninguém… a praça da Matriz tem um espaço aberto reservado para a transmissão dos encontros. Vantagem: o clima é bem mais gostoso e você já pode abrir uma cerveja enquanto ouve seu autor favorito. Desvantagens: não há tradução simultânea e o espaço é disputado. Faz questão de assistir? Programe-se.

Onde comer

A cidade fica lotada durante todos os dias da festa, principalmente no fim de semana. Uma alternativa é levar lanchinhos e comer em horários menos visados, além de explorar as vielas mais distantes da praça da Matriz. Um exemplo bem bom é o Manuê, que oferece açaí, lanchinhos e doces maravilhosos num preço bem ok. Se for tirar pelo menos um dia para comer muito maravilhosamente – e vale à pena, porque há muitas opções incríveis – tente o Quintal das Letras. Fica na Pousada Literária, ou seja, você ainda corre o risco de esbarrar os palestrantes.

Ingressos

A estrutura principal do evento é montada na praça da Matriz. Uma tenda para 500 pessoas receberá as mesas de debates com autores com ingressos a R$ 55 (ainda há alguns disponíveis no site). Em frente, outra tenda, para 700 pessoas sentadas, exibirá os debates em telão gratuitamente.

*Foto capa: A Casa do Sol, em Campinas, onde Hilda morou de 1966 até morrer, em 2004 por Frâncio de Hollanda.

Quem escreveu

Natália Albertoni

Data

25 de July, 2018

Share

Natália Albertoni

Jornalista, meio camaleão, Natália Albertoni escreve sobre cultura e constrói cenas com linhas, agulha e papel. É, hoje, coordenadora de comunicação da Conspiração, tendo integrado o lançamento da Hysteria, hub de criação formado por mulheres dentro da produtora. Também foi PR e editora da plataforma multicultural MECA, além de repórter cultural no núcleo de revistas da Folha de S.Paulo.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.