Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Dois anos de Museu do Amanhã: os números e as novidades

Quem escreveu

Luiza Vilela

Data

15 de December, 2017

Share

As filas enormes do lado de fora em qualquer dia do ano, sob sol escaldante ou chuva forte, não deixam dúvida – o Museu do Amanhã é um hit. E os números confirmam: desde sua inauguração, em dezembro de 2015, passaram por seus amplos corredores e exposições altamente interativas 2,5 milhões de pessoas, fazendo dele a instituição cultural mais visitada do Brasil.

Com um detalhe muito ~cool~: segundo o Instagram, o Museu do Amanhã é o quinto lugar mais fotografado do país. A gente super entende. Projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o prédio é extremamente impactante e, depois de um susto inicial (os cariocas chegaram a apelida-lo carinhosamente de baratona albina, risos), parece que todos foram cativados por sua excentricidade, seus espelhos d’água e seu interior futurista.

Antes de falarmos das novidades, algumas dicas pra quem ainda não conhece ou está pretendendo retornar ao museu: o melhor jeito de chegar à Praça Mauá, onde também está o Museu de Arte do Rio (MAR), é via transporte público. Metrônibus/Metrô/VLT. Basta descer na Cinelândia ou na Carioca e pegar o VLT sentido Praia Formosa. Saindo do Jardim Botânico (ou seja, com uma baldeação a mais, já que é preciso pegar o metrônibus antes do metrô), levamos exatamente 40 minutos até a praça, com ar condicionado no caminho todo. Bem suave.

Fora isso, o Museu do Amanhã agora oferece o serviço de venda de ingressas online, com direito a marcar horário, o que resolve bem a questão da fila. Compre com antecedência, amiguinho – o calor na Praça Mauá em pleno verão carioca é de fazer desmaiar os mais fortes.

Mas bóra falar da IRIS + ?

A grande novidade do Museu do Amanhã para 2018 é uma experiência interativa chamada IRIS+, desenvolvida em parceria com a IBM, e que é na verdade um desdobramento da assistente digital IRIS, que já acompanhava os visitantes desde a inauguração.

Agora, a partir do dia 16 de dezembro, a versão turbinada dessa assistente vai estar aguardando os humanos ao final do passeio, pronta pra tirá-los da sua zona de conforto.

Isso porque, como nos explicou Marcelo Porto, presidente da IBM Brasil, o pioneirismo da IRIS+ reside no fato de que ela é uma plataforma cognitiva (ele não gosta do termo Inteligência Artificial) que faz perguntas em vez de apenas respondê-las. A ideia é tirar o visitante de sua zona de conforto e depois apresentar a ele instituições que possam ajuda-lo a atuar para efetivamente mudar alguma coisa. São 270 instituições cadastradas até agora.

foto: Guilherme Leporace

Para que isso funcionasse, foi preciso muita curadoria de conteúdo. Aliás, o corpo de conhecimento da IRIS+ é supervisionado. Ou seja, ela não é o tipo de Inteligência Aumentada (Marcelo usa esse termo também) que sai por aí aprendendo coisas sozinha. Ela identifica lacunas e reporta isso aos humanos, que então buscam esse conteúdo e a alimentam.

Falando em humanos, conseguimos bater um papinho exclusivo com a turma da 32Bits, responsável por desenvolver e montar as soluções de interatividade do museu. No caso da IRIS+, a 32Bits ficou encarregada também do design, que é bem minimalista. Daniel Morena, Diretor de Tecnologia da 32Bits e humano por trás dos códigos e do design dessa experiência, contou um pouco pra gente como foi o processo: “Se você parar pra pensar, as máquinas mais inteligentes são monólitos pretos. Pegamos esse caminho e fizemos algo bem minimal.”

Olá IRIS+

Também foi preciso paciência para treinar o reconhecimento de voz da IRIS+, porque ela precisa entender entonações e intenções, não apenas palavras soltas. Daniel conta que foram quatro sessões de treinamento ao longo de dois meses. Treinamento da IRIS+ com humanos, no caso, pessoas aleatórias capturadas em escolas e no próprio museu, que tinham que assinar um termo de confidencialidade e depois estavam livres para bater papo com a plataforma.

Quer dizer, livres pero no mucho. Você pode dizer pra IRIS+ o que você quiser, mas corre o risco de ouvir o que não quer. No caso, a mensagem direta e educada criada por Nancy Torres, Gerente de Conteúdo da 32Bits, a quem coube a divertida tarefa de ensinar a IRIS+ a reconhecer as trolladas. Se você mandar um “FORA TEMER”, vai ouvir:

“É possível ter várias opiniões sobre um mesmo assunto. Mas, aqui no Museu do Amanhã, buscamos respostas que valorizem a convivência, com diálogo e respeito. Vamos voltar à pergunta.”

Sorry, no cookie for you

Risos nervosos. Nancy teve que ser criativa na hora de elaborar a lista de “badwords” para a IRIS+, até porque há um telão ao lado das máquinas onde é projetado um mapa de assuntos, e nesse mapa os visitantes poderão ver suas fotinhos, seus nomes e o tema que cada um está debatendo com a plataforma. Ou seja, a vontade de mandar um “MENGÃO 2018” e depois fotografar o telão vai ser grande. Spoiler: não adianta trocar letras por números, ok?

Tela onde vão entrar os thumbs com as fotos dos visitantes e os temas abordados

“Saí perguntando pra pessoas completamente diferentes. E nem sempre a política atual é o que mais passa pela mente das pessoas. Também rolou uma leitura atrás das cadeiras de ônibus.”

Esta que vos escreve tentou conversar com a Íris sobre política, mas tomou um corte. Depois acabamos falando sobre violência, e eu disse que achava que a solução era legalizar. Ela agradeceu e encerrou o assunto, passando às sugestões de instituições afins.

Achei a experiência divertida e acho que o público vai amar mais essa camada de interação num museu que já é elogiadíssimo exatamente por isso.

No mais, as expos atualmente em cartaz no Museu do Amanhã são:

Inovanças – Criações à Brasileira (25.04.2017 a 18.02.2018)

Como vai a Terra? (04.07.2017 a 19.12.2018)

Mundos Invisíveis – Mostra de Arte Científica Brasileira (26.09.2017 a 07.01.2018)

Programação de Aniversário de 2 Anos (12 a 18.12.2017)

*Foto do destaque – Guilherme Leporace.

Quem escreveu

Luiza Vilela

Data

15 de December, 2017

Share

Luiza Vilela

Luiza S. Vilela é paulistana naturalizada capixaba, mas foi parar no Rio pra cursar letras há 12 anos e nunca mais saiu. Fugiu da vida acadêmica pra escrever, produzir conteúdo e, mais recentemente, casar pessoas. Já coordenou a editoria de FVM e Culinária da Revista Capitolina e contribuiu com Matador, Noo, Rio Etc, Modices e tantas outras. Bate um papo reto sobre literatura, claro, mas também sobre moda, culinária, feminismo e esportes. Site: www.luizaescreve.com

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.