Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

O Museu do Amanhã, as bromélias e as baratas

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

20 de January, 2016

Share

Qual é a relação entre uma bromélia, o futuro do planeta e as baratas? Isso parece estranho para você? Não é, não! No Museu do Amanhã, inaugurado recentemente no Rio de Janeiro, essas três coisas estão totalmente ligadas umas às outras. Passado, presente e futuro se unem para responder àquelas questões que nos atormentam: De onde viemos? Quem somos? Onde estamos? Para onde vamos? E ainda, como queremos ir? Você nunca viu um museu de ciências como este, posso garantir. A ideia de um museu, no seu sentido tradicional, passa longe dali. Ele não exibe objetos, e sim ideias. Sua arquitetura provoca fascínio e sua proposta, baseada em interagir, sentir e pensar, usa da arte, da ciência e da tecnologia para mostrar as possibilidades do amanhã.

Externa_Museu_Byron_Prujansky_14

Inspirado pelas bromélias do Jardim Botânico e pela paisagem portuária carioca, o arquiteto Santiago Calatrava projetou um edifício-espetáculo no píer, junto à histórica praça Mauá e ao lado do MAR (Museu de Arte do Rio de Janeiro). O espaço destinado ao Museu do Amanhã tem cerca de 30 mil m2, com jardins, espelho d’água, ciclovia e área de lazer. No espelho d’água, a escultura Puffed Star II, de Frank Stella, traz a forma de uma estrela de 20 pontas e seis metros de diâmetro. O prédio tem 15 mil m2 e é sustentável: emprega recursos naturais locais, como, por exemplo, a água da Baía de Guanabara, usada para a climatização dos ambientes do museu, que, por sua vez, é reutilizada no espelho d’água. As estruturas metálicas presentes no teto deslocam-se como asas, mudando de posição conforme a incidência do sol e permitindo, simultaneamente, a penetração de luz e a captação de energia. Suas fundações, sustentadas por 30 mil metros de pilares submersos e invisíveis, dão a impressão de que o prédio flutua na água.

Externa_Museu_xxx_7

Se o museu impressiona pela sua arquitetura, a visita às exposições é uma verdadeira aventura. A Exposição Principal é uma narrativa multimídia com cinco grandes momentos: Cosmos, Terra, Antropoceno, Amanhãs e Nós. Nesse percurso, cercado por imagens, sons e informações científicas, destaco Antropoceno (a era geológica dos Humanos), período em que o Homo Sapiens, ou seja, nós, descobrimos o impacto da nossa presença no planeta. Ao longo de toda a Exposição Principal, o museu põe em revista o passado da humanidade, as tendências do presente e os “possíveis futuros”, numa projeção para daqui 50 anos, considerando aspectos ligados à sustentabilidade e à convivência.

Externa_Museu_Byron_Prujansky_12

Há duas exposições temporárias em cartaz: ‘Perimetral’, uma videoinstalação que mostra a implosão do elevado que existia na região portuária e que deu lugar ao Museu do Amanhã, além das obras de revitalização do local, e ‘É Permitido Permitir’, resultado da intervenção de três projetos de autoria do coletivo de artistas dinamarqueses Superflex. Talvez a viagem mais ousada da visita ao Museu do Amanhã fique por conta do Passeio das Baratas, proposta do Superflex, que desafia o público a percorrer o museu fantasiado de barata e assim perceber os espaços sob a perspectiva destes insetos habitantes do planeta por mais de 300 milhões de anos. Independentemente do modo como se escolha visitar o Museu do Amanhã, duas são as certezas: o futuro já chegou e tudo está em constante relação em nosso planeta.

Internas_Museu_Cesar_Barreto_5

Ficou com vontade de visitar o Museu? O horário de funcionamento é de terça a domingo das 12h às 19h. Fica fechado às segundas e durante o carnaval também já avisaram que não vai rolar. Os ingressos custam R$ 10 a inteira e R$ 5 a meia. Na terça, a entrada é grátis. Mas fique esperto! As filas estão grandes e o Museu é sujeito à lotação. O encerramento da fila pode ocorrer até quatro horas antes do final do horário das visitas. E só entre nós: chegue às 11h30 e não terá tempo ruim na fila!

Foto do destaque: Caio Costa Ribeiro / Fotos: divulgação.

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

20 de January, 2016

Share

Alecsandra Matias

Rata de galerias e museus, não perde a oportunidade de ir procurar aquela tela, escultura ou monumento famosos que todos só conhecem pelos livros.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.